Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias



Sexta-feira, 28.02.14

Capricho árabe - Paco de Lucia

 

Paco de Lucia  Capricho árabe

(música de Francisco Tárrega, 1892)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 21:00

Sexta-feira, 28.02.14

Nada pode ser mais complexo ... - Herberto Helder

 

Herberto Helder

 

(Alexandre Bastos)

 

 

nada pode ser mais complexo que um poema,

organismo superlativo absoluto vivo,

apenas com palavras,

apenas com palavras despropositadas,

movimentos milagrosos de míseras vogais e consoantes,

nada mais que isso,

música,

e o silêncio por ela fora

 

(in Servidões, Assírio & Alvim)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:00

Sexta-feira, 28.02.14

Mar - Al Berto

 

Al Berto  Mar

 

(Adão Cruz)

 

 

   Nunca conseguiu viver longe do mar.

A sua adolescência ficara cheia de dunas e de cama­rinhas, de falésias e águias, de tempestades, de nomes de barcos e de peixes; de aves e de luz coalhada à roda duma ilha.

Conhecera a ansiedade daqueles que, ao entardecer, olham meio cegos a vastidão incendiada do oceano - e nin­guém sabe se esperam alguma coisa, alguma revelação, ou se estão ali sentados, apenas, para morrer.

Aprendera, também, que o mar, aquele mar - tarde ou cedo - só existiria dentro de si: como uma dor afiada, como um vestígio qualquer a que nos agarramos para suportar a melancólica travessia do mundo.

Depois, partiu para longe. E durante anos recordou, em sonhos, o mar avistado pela última vez ao fundo das ruas. Procurou-o sempre por onde andou, obsessivamente - mas nunca chegou a encontrá-lo.

Certa noite de bruma fria, em Antuérpia, no Zanzi-Bar, julgou ouvir o mar que perdera na voz dum jovem marinheiro grego. Mas não, o marulho que aquela voz derramava, junto à sua orelha, era de outro mar — fechado, calmo — propício aos amores inquietos e à lassidão embriagante do sol e do vinho.

Anos mais tarde, em Delos, haveria de reconhecer a voz do marinheiro no rebentar das ondas, em redor da ilha, como um eco: onde te vi despir regresso agora /para adormecer ou chorar... e a noite caiu subitamente sobre ele, sobre a ilha e sobre o sonolento coração das leoas em pedra.

Uma outra vez, perto de Gibraltar, uma mulher idosa quis ler-lhe as linhas emaranhadas da mão. Já não se lembra o que lhe contou a mulher, acerca da vida e dos rumos da paixão. Recorda somente o que ela lhe disse ao separarem-se:

- Tens nos olhos a cor triste do mar que perdeste.

E passou bastante tempo antes que o homem voltasse ao seu país. Quando o fez, foi ao encontro do mar.

Largou a cidade e os amigos, a casa, o conforto, a noite, o trabalho e tudo o mais. Viajou em direcção ao sul, com a certeza de que jamais encontraria o mar perdido, em lugar incerto, a meio da sua vida.

Sabia agora que nenhum mar existia fora do seu corpo, e que tinha sido na perda irremediável de um mar que adquirira um outro onde, por noites de inquietante insónia, podia encontrar-se consigo mesmo e envelhecer sem sobressaltos; afastado da vã alegria dos homens e da pobreza do mundo.

Ao chegar junto do mar sentou-se no cimo da duna, como dantes, e esperou. Esperou que o mar guardado no fundo de si transbordasse, e fosse ao encontro daquele que perdera e se espraiava agora à sua frente.

Ainda hoje permanece sentado, no mesmo lugar -esperando o instante em que os dois mares se dissiparão um no outro, para sempre.

Está cansado da guerra com as palavras e do veneno dos homens, tem os olhos queimados pelo sal. Os dedos adqui­riram a rugosidade da areia e dos rochedos; da sua boca solta-se um marulhar surdo, muito antigo, que os dias e a solidão arrastam devagar para a luminosa euforia das águas.

 

(in O Anjo Mudo, Assírio & Alvim)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 15:00

Sexta-feira, 28.02.14

A Europa e a sua desintegração - Carlos Esperança

 

Carlos Esperança  A Europa e a sua desintegração

 

 

   Acredito na Europa, de Lisboa aos Urais, apesar das deceções e dos interesses que não mudam. Guardo a esperança legada por De Gaulle e continuada por Helmut Kohl, dois gigantes da política cuja distância ideológica não me afastou dos objetivos comuns em relação à Europa.

Teria votado sempre a favor da integração europeia e do seu aprofundamento, na moeda comum e num projeto federalista onde a democracia tivesse conteúdo económico, social e pol...ítico, ainda que a miopia de quem nos governava tivesse impedido os portugueses de se pronunciarem. Agora é tarde para sair do comboio em andamento, com a máquina desgovernada e a velocidade imprevisível.

A queda do muro de Berlim foi uma epopeia recebida em apoteose no país onde voltam a surgir velhos demónios. Foi, aliás, Kohl, que continuo a admirar, que cometeu o crime de apoiar, com o Vaticano, a independência da Croácia, levando a Europa a reboque na demonização da Sérvia e na destruição da Jugoslávia. Quem apoiasse a Sérvia era logo acusado de inveterado comunista e de antieuropeu. Os que previram a tragédia e se lhe quiseram opor foram enxovalhados e perseguidos. Os politicamente corretos destruíram um país e criaram a ficção chamada Kosovo, um entreposto da droga e do islamismo.

Agora faltava a Ucrânia. A germanofilia encontrou eco em toda a extrema direita que na Hungria, Áustria e Polónia reeditam a vocação suicida e fascista que germinou antes da Guerra de 1939/45. Os mesmos atores, as mesmas religiões e os mesmos fascistas têm o apoio dos mesmos, de há 20 anos, na Jugoslávia. Dolorosamente, os mesmos que há 75 anos, Ucrânia incluída, lançaram o mundo na mais devastadora tragédia de sempre, sem pensarem que a próxima pode ser a última. Até o antissemitismo criminoso ressuscitou.

Para desdita da Ucrânia e da Europa, o último dirigente ucraniano era um ladrão eleito. O fugitivo biltre, Viktor Yanukovich, só acelerou os apetites germânicos e deu ensejo à exibição fascista na praça da Independência em Kiev. O Parlamento da Crimeia aprovou hoje, quinta-feira, a realização de um referendo sobre autonomia, agendado para 25 de maio. A Ucrânia divide-se e a Europa rompe-se num demente confronto com a Rússia.

Já ninguém sai bem desta tragédia em que a Rússia deu proteção a um gatuno e Merkel e Barroso admitiram a agitação de nazis que exibiram suásticas na roupa e no coração.

Ontem foi a Jugoslávia, hoje é a Ucrânia e, com elas, é a Europa que se desintegra ou se torna um protetorado alemão, de costas viradas para a Rússia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 08:00

Quinta-feira, 27.02.14

Entre dos aguas - Paco de Lucia

 

Paco de Lucia  Entre dos aguas

(2013, inédito)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 21:00

Quinta-feira, 27.02.14

Divaga entre a folhagem - Sophia de Mello Breyner Andresen

 

Sophia de Mello Breyner Andresen  Divaga entre a folhagem

 

(George Iness)

 

 

Divaga entre a folhagem perfumada

E adormece nas brisas embalada.

 

Aos lagos mostra a sua face nua,

E vai dançar nos palcos vazios da Lua.

 

Pálida, de reflexo em reflexo desliza.

Não se curvam sequer as ervas que ela pisa.

 

É ela quem baloiça os lânguidos pinheiros,

Quem enrola em luar as suas mãos

E depois as espalha brancas nos canteiros.

 

(in Obra Poética, I, Caminho)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:00

Quinta-feira, 27.02.14

A mulher que amanha o peixe - Adão Cruz

 

 

Adão Cruz  A mulher que amanha o peixe

 

(Adão Cruz, pormenor de quadro) 

 

 

   Sempre que a vejo no supermercado onde vou reconheço que não é por acaso.

Muito bonita a mulher que amanha o peixe não sei se amanha se amanhece.

Rosto combatido dorido olhar sofrido e manso não sei o que faz desta mulher um poema se os olhos negros e fundos se o desenho rasgado da face se um gesto brusco da natureza revoltada de cansaço.

Um vale profundo entre o cá e o lá banca de peixe mar imenso mar morto do outro lado um peixe vivo no céu tocando o mar estripando com mãos invisíveis entre lágrimas e sangues as entranhas da vida nas elegâncias difíceis dos plásticos cobertos de escamas.

Passos molhados encharcados pesados cheirando a algas ondas de tempestade no lindo rosto marcadas pela ânsia de voar.

Com tantos apetrechos de borracha botas altas luvas e avental não sou capaz de adivinhar o corpo que tem por baixo nem quero que tal aconteça.

A mulher é segredo a mulher é sonho de si mesma no olhar dos outros sonho de ventre liso crescente de imensidão fonte de pão e de leite eternidade e sorriso dança de movimento para além das formas e da imaginação.

Trepadeira de vida e de morte olhos que se abrem no céu e repousam no mar mãos de todas as direcções ainda que vestidas de plástico amanhando o peixe.

Não sei se é casada ou mãe se é tudo ou nada no reduto escasso do dia-a-dia nem me interessa.

Bastam-me os olhos infinitos a boca seca de beijos a dor-desenho dos lábios a doçura-criança que não cresceu por falta de uso tempo e espaço.

O corpo desta mulher está na face oculta e sedenta na ânsia fervente do impulso na mais íntima agitação do mundo e da dimensão que pode caber numa banca de peixe.

Difícil acertar ideias e olhares quando só olhares fazem ideias...enfeita-se a beleza desta forma estranha criando beleza no amanhar do peixe.

Cruel seria descobri-la a dançar pesadamente etérea e volátil nos salões de púrpura da mulher vulgar entre rendas e espumas que não são espuma do mar.

Como sempre tenho de dizer até amanhã sou forçado a serenar as ondas a desnavegar meu barco.

Muito obrigado.

Não tem de quê.

Você é das mulheres mais lindas que já vi.

Muito amável um exagero...faça o senhor o resto das compras e depois passe por cá.

Buscar o peixe...ou voltar a vê-la?

Sei lá!

.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 15:00

Quarta-feira, 26.02.14

Morreu Paco de Lucia

 

Uma notícia que dói verdadeiramente

 

.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:32

Quarta-feira, 26.02.14

Servo sem dor ... - Fernando Pessoa

 

Fernando Pessoa

 

(Henri Matisse)

 

Servo sem dor de um desolado intuito,

De nada creias ou descreias muito.

O mesmo faz que penses ou não penses.

Tudo é irreal,  anónimo  e fortuito.

 

Não sejas curioso do amplo mundo.

Ele é menos extenso do que fundo.

E o que não sabes nem saberás nunca

É isso o mais real e o mais profundo.

 

Troca por vinho o amor que  não terás.    

O que 'speras, perene o 'sperarás.

O que bebes, tu bebes. Olha as rosas.

Morto, que rosas é que cheirarás?

 

Vendo o tumulto inconsciente em que anda

A humanidade de uma a outra banda,    

Não te nasce a vontade de dormir?

Não te cresce o desprezo de quem manda?

 

Duas vezes no ano, diz quem sabe,

Em Nishapor, onde me o mundo cabe,

Florem as rosas. Sobre mim sepulto    

Essa dupla anuidade não acabe!

 

Traze o vinho, que o vinho, dizem, é

O que alegra a aIma e o que, em perfeita fé,

Traz o sangue de um Deus ao corpo e à alma.

Mas, seja como for, bebe e não sê.

 

Com seus cavalos imperiais calcando

Os campos que o labor 'steve lavrando,

Passa o César de aqui. Mais tarde, morto,

Renasce a erva, nos campos alastrando.

 

Goza o  Sultão de amor  em quantidade.    

Goza o Vizir amor em qualidade.

Não gozo amor nenhum. Tragam-me vinho

E gozo de ser nada em liberdade.

 

(in Novas Poesias Inéditas, Edições Ática)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:00

Quarta-feira, 26.02.14

Como em Agosto, na Ria, ... - Manuel Alegre

 

Manuel Alegre

 

(Adão Cruz)

 

 

   Como em Agosto, na Ria, quando chegas da Barra e te lanças à água, finges de afogada, eu corro a sal­var-te, trago-te ao colo e nado sem esforço, tu não pesas, somos os dois um só, uma só forma. Alquimia, conjunção astral, o que quiserem.

Sempre que vou à Barra vejo ainda a tua casa ape­sar de demolida, procuro-te nas águas, agora negras, no cheiro às ervas das areias, na maresia e na salsugem, procuro-te na luz, a luz branca das salinas, estás ainda na ponte de madeira que já não há, passa um barco da Capitania, quem sabe se não te leva para a Torreira ou S. Jacinto, procuro-te na maré cheia e na maré baixa, nas gaivinas, nos patos reais, nos maçari­cos, nas rolas que passam no fim de Agosto. Há uma gaivota que voa em direcção ao sol.

— Aquela gaivota enlouqueceu, diz Afonso Fur­tado, meu pai, que é tu cá tu lá com as aves da Ria.

 

(in A Terceira Rosa, Dom Quixote) 

.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 15:00

Pág. 1/10




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728


Comentários recentes

  • António Gomes Marques

    Não sei que mais admirar na escrita da Eva. O pode...

  • alberto bastos

    Oh quanta verdade! Comungo da totalidade do belíss...

  • Eva

    Obrigada Clarinha pela tua amizade.

  • Clara Reis

    Simples, lindo, sentido e que faz sentir.É assim q...

  • Anónimo

    Lindo, ao estilo da Eva! A saudade descrita como s...


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos