Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias



Terça-feira, 31.03.15

Ne me quitte pas - Sílvia Pérez Cruz

a noite fez-se para amar 1a.jpg

 

Sílvia Pérez Cruz  Ne me quitte pas

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 21:00

Terça-feira, 31.03.15

Lisboa - Tomas Transtromer

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Tomas Transtromer  Lisboa

(Nobel da Literatura sueco morreu no dia 26)

 

 

lisboa é poesia8.jpg

 

 

 

No bairro de Alfama os eléctricos amarelos cantavam nas calçadas íngremes.
Havia lá duas cadeias. Uma era para ladrões
Acenavam através das grades.
Gritavam que lhes tirassem o retrato.
“Mas aqui!”, disse o condutor e riu à sucapa como se cortado ao meio,
“aqui estão políticos”. Vi a fachada, a fachada, a fachada
e lá no cimo um homem à janela,
tinha um óculo e olhava para o mar.
Roupa branca no azul. Os muros quentes.
As moscas liam cartas microscópicas.
Seis anos mais tarde perguntei a uma senhora de Lisboa:
“será verdade ou só um sonho meu?”

 

(in 21 Poetas  Suecos, Vega, org. de Vasco Graça Moura e Ana Hatherly, 1981)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:00

Terça-feira, 31.03.15

Carta aos meus pais - António Lobo Antunes

ao cair da tarde 5b.jpg

 

António Lobo Antunes  Carta aos meus pais

 

antónio lobo antunes2.png

 

Visão, 19 de Março de 2015

 

   Em primeiro lugar quero dizer que estou farto de ser orfão, eu que, em criança, tantas vezes desejei a vossa morte, durante umas horas, quando ralhavam comigo ou não me deixavam fazer o que me apetecia e obrigavam-me a actos desnecessários tais como lavar os dentes, comer sopa ou pegar nos talheres como deve ser. A ordem

- Pega nos talheres como deve ser

ainda ecoa, horrível, dentro de mim, tal como a sinistra pergunta

- Não lavaste as mãos antes de vir para a mesa?

ou a resposta

- Um dia falamos sobre isso

quando calhava interessar-me pelo modo como as crianças apareciam dentro da barriga das mães. Apesar de tudo eu tinha alguma cultura: sabia, claro, que os rapazes faziam chichi pela pilinha, que as meninas por um buraquinho mas um dia vi uma mulher de cócoras no pinhal em Nelas e fiquei banzo: fazia por uma escova. Naturalmente interessei-me:

 - Porque é que as mulheres fazem por uma escova?

e os meus pais primeiro banzos também e depois a lutarem para ficar sérios. Não me explicaram nada e vários mistérios subsistiram durante muito tempo. Primeiro, porque é que as mulheres têm uma escova ali. Segundo, porque é que as escovas, que passei a olhar com desconfiança, fazem chichi. Terceiro, isto acontecerá ao conjunto das meninas, ao crescerem, ou só àquela? Quarto, o exame minucioso a que submeti todas as escovas que encontrei em casa não me deu nenhum resultado esclarecedor: não havia uma que não estivesse seca. As de escovar a roupa, as de escovar o cabelo, as de esfregar o chão. E os meus pais sem responderem. A minha mãe ainda abriu a boca mas não chegou a falar, embaraçadíssima. O meu pai não abriu a boca mas qualquer parte dele parecia divertir-se às escondidas, quando qualquer parte dele parecia divertir-se às escondidas a minha mãe a censurá-lo

- João

e ele logo sério, ausente, a interessar-se pelos meus estudos que, em geral, o desgostavam porque os meus resultados escolares costumavam roçar o trágico e constituíam uma preocupação constante para a família. O facto de eu ser escritor

(sempre fui escritor desde que me conheço e a minha mãe previa-me um futuro de miséria negra)

não desagradava inteiramente ao meu pai, que tinha um respeito sagrado pelos artistas, mas os meus resultados escolares preocupavam-no, queria que eu tivesse uma profissão sólida que me amparasse as veleidades criativas. Para ele, a única profissão sólida e digna era ser médico

 - E depois, nos intervalos, escreves

como Júlio Dinis ou Duhamel. Acabei por lhe fazer a vontade, pai, tornei-me médico, mas o meu curso foi um tormento para ele: reprovações, notas baixíssimas, os seus colegas, professores também, lá me iam deixando passar por amizade. Lembro-me que no fim da prova de Medicina Operatória o catedrático me disse com bonomia, diante do anfiteatro cheio:

- Olha, filho, tens treze e diz lá ao pai que não pôde ser mais.

Isto para além de cartas que ele me mostrava com desgosto, género

O seu rapaz esteve aqui e não sabia nada

ou, comparando-me com o meu irmão

- O Lobo Antunes tem dois filhos, um é bom, o outro é uma nódoa.

Ainda me espanta a razão pela qual o meu pai não me matou. Mas sei que lia às escondidas o que eu escrevia e tinha muitas esperanças literárias no filho, embora nunca me tivesse falado nisso, porque não era dado a confidências ou elogios. A mim não me disse nada mas dizia aos meus irmãos

- O António tem faísca, o António tem faísca

e que, quando comecei a publicar, se orgulhava dos meus produtos. Eu acho que os meus irmãos e eu tivemos muita sorte com os nossos pais, que eram pessoas de uma honestidade irrepreensível, inteligentes, cultas, complexas, rigorosas, com qualidades muito superiores aos defeitos que obviamente também possuíam. Tivemos muita sorte, manos. Agora somos orfãos e não tenho jeito para orfão. Eles também não. E depois perdemos há pouco o Pedro que será sempre uma ferida aberta para nós. E depois da morte do Pedro a nossa mãe informou que não tinha o direito de estar viva com um filho morto. E morreu de puro desgosto, sem doença. Somos orfãos do Pedro também. Sobramos cinco e eu não quero que nenhum deles morra antes de mim. Gostamos uns dos outros sem palavras, com o imenso pudor que herdámos dos nossos pais. Não suporto a ideia da morte do João, do Miguel, do Nuno, do Manuel, como continuo a não suportar a ideia da morte do Pedro. Vou dizer uma coisa. Não devia dizer mas vou dizer. Quando fomos contar à nossa mãe que o Pedro se tinha ido embora ela pronunciou só uma frase:

- Tenham misericórdia de mim.

Sentada na sua cadeira, na sua sala:

- Tenham misericórdia de mim.

Agora está com o nosso pai, a contar, entre muitos outros episódios

- Lembras-te daquela história da escova?

e o meu pai a responder

- Ah

que, no seu caso, às vezes, era um discurso muito comprido. Esta crónica saiu toda descosida e mal feita. Não importa, de que outra forma podia fazê-la? É a minha maneira aselha de pedir que tenham misericórdia de mim, porque não sou o adulto que pensam. Peguem-me ao colo. Às vezes tenho tão poucos anos nos meus anos todos e fico tão leve nessas alturas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00

Terça-feira, 31.03.15

Violência doméstica - Carlos Esperança

o balanço das folhas2.jpg

 

Carlos Esperança  Violência doméstica

 

carlos esperança.png

 

 

   No início deste mês, um homem de 33 anos matou a mulher de 29 e, a seguir, atirou-se da Ponte 25 Abril, deixando o filho de 3 anos que assistiu ao crime. A monótona notícia que se repete, à média de 40 mulheres por ano, é um ferrete de ignomínia que nos marca com o estigma da brutalidade, um desmentido feroz da brandura que alardeamos.Sei que também há homens que são vítimas da violência doméstica e que o assassinato não é a única forma de violência, mas são as mulheres que estão na vanguarda destacada da estatística das vítimas.

Falar do ‘país de brandos costumes’, expressão cunhada pelo frio ditador que deixava os adversários entregues às mãos criminosas dos esbirros ou o ao gatilho rápido da polícia política, e sabermos que, nos últimos dez anos, a violência doméstica deixou 700 órfãos, é sermos percorridos por um frémito de desconfiança e revolta, sentirmos em cada órfão o filho que a violência abandonou aos baldões da sorte e o remorso da indiferença.

Que raio de genes conservamos ainda das cavernas da nossa ancestralidade, da miséria de um povo que foi sempre pobre e onde o pão se disputava numa leira de terra ou num rego de água para a cultivar, à custa da vida de um irmão ou do pai que teimava em não morrer?

É deste povo que somos que nasce a violência que nos envergonha, a morte que nasce na ponta de uma faca, na lâmina de uma sachola ou no gume de uma foice por motivos que a inteligência repudia ou ciúmes que a educação há muito devia ter erradicado.

Que raio de genes e de gentes, moles com os fortes e violentos com os fracos, incapazes de pensar nos outros, descarregando frustrações e impotência em quem se habituou a ser culpada pela família, Igreja e sociedade que mais facilmente desculpam algozes do que protegem as vítimas.

Fonte: Comissão de Proteção às Vítimas dos Crimes (CPVC)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 08:00

Segunda-feira, 30.03.15

Adagietto, 5ª. Sinfonia de Mahler, Leonard Bernstein

a noite fez-se para amar 1a.jpg

 

Leonard Bernstein  Adagietto, 5ª. Sinfonia de Mahler

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 21:00

Segunda-feira, 30.03.15

A morte do poeta - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  A morte do poeta

 

31-2013a.jpg

 

(Adão Cruz) 

 

 

O dilema entre o silêncio e a palavra

invade a lógica discursiva que há no ridículo do poema.

Quem tudo vê e nada sabe ou é poeta ou patético peregrino

da teatral mentira que emoldura a poesia

mascarada nos buracos negros das palavras.

Morre a razão e a mente no espaço vazio do poeta

engolido nas areias movediças da estupidez do verso. 

Nasce a poesia na semântica farsa das palavras

escondida nos simbolísticos restos do dilema

entre o silêncio do mundo caído em pedaços

ou erguido nos absurdos de um poema.

Ninguém conhece a metáfora da verdade e da mentira

só o poeta na sua indomável vertigem da ilusão

assim descobrindo a poesia nos avessos da razão.

Morre o poeta em suas manhãs de pedra e gelo

entre a verdade da mentira  e a mentira da verdade

e todos lhe cobrem o corpo com lençóis de pétalas e sedução

primeiro e último poema do silêncio e da razão.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00

Segunda-feira, 30.03.15

A caçada - Mariana Mortágua

o balanço das folhas2.jpg

 

Mariana Mortágua  A caçada

 

mariana mortágua1.png

 

 

Expresso Online, 27 de Março de 2015

 

   Lucas é um educador dedicado e respeitado na pequena comunidade onde vive e trabalha. Até ao dia em que, chamado ao gabinete da responsável pela escola, e vítima de uma mentira fortuita e aleatória, vê o seu mundo ruir. Abandonado pelos amigos mais próximos, despedido, humilhado e agredido na rua, todos lhe viram as costas e os que não fazem é porque querem fazer justiça pelas suas mãos. Lucas não cometeu crime algum, mas a violência da suspeita (abuso sexual de uma criança) e a repugnância que esse crime justamente nos provoca, transformou o seu dia-a-dia entre a desesperada tentativa de se reabilitar e a de se manter vivo. Lucas é um personagem fictício, de um filme demasiado vivido e real para ser ignorado no preciso momento em que o governo português defende a criação de uma lista, de acesso público, com o nome dos abusadores sexuais de menores. "A Caçada", é esse o nome deste filme dinamarquês, foi premiado em Cannes, e é um poderoso retrato do inferno que se pode esconder ou alimentar das nossas melhores intenções e preocupações.

Como dizia José Soeiro, no Facebook, a proposta do Governo aproveita a boleia da legítima repugnância social generalizada contra o abuso de menores, para colocar em causa direitos cívicos básicos, assumindo-se como um precedente que não pode ser aceite num Estado de Direito. É à boleia das melhores intenções, como é o caso, que começam os piores abusos. Não é por acaso, de resto, que todos os pareceres (Ordem dos Advogados, Ministério Público, Conselho Superior da Magistratura, entre outros) rejeitam a ideia que uma eventual lista de abusadores de crianças possa ser consultada por terceiros - neste caso pais de menores de 16 anos.

Antes de nos determos na lei, e na forma atabalhoada e até interesseira como foi preparada e apresentada, é preciso referir o dado mais relevante -  mas talvez mais desconhecido - sobre este crime. Nove em cada dez dos abusos sexuais cometidos sobre crianças acontecem no contexto familiar. É por isso que o principal instrumento no seu combate não é fazer de cada pai, legitimamente preocupado, um voyeur em potência, mas o reforço das redes sociais de acompanhamento e sinalização de menores em situação familiar de risco. Ora, o que o Governo fez foi precisamente o contrário. Agita o populismo fácil de uma lista que, incidinde sobre um crime propenso como mais nenhum a criar agitação e mesmo violência social e local, mas despediu há poucos meses mais de 400 educadores e assistentes sociais. Grande parte destas pessoas trabalhavam precisamente com as Comissões de Proteção de Crianças e Jovens. O populismo tem este problema. Agita e esbracej mas não oferece soluções, ou, pior ainda, aparece para esconder as verdadeiras políticas que deixam mais vulneráveis enquanto comunidade.

Se dúvidas existissem sobre a despreocupação com o que realmente se passa no terreno, a Procuradoria Geral da República dá um exemplo gritante. O mesmo Governo que acha bem permitir o acesso de qualquer à identidade de um agressor sexual, mesmo que tenha cumprido pena há 20 anos, não inclui as comissões de proteção de crianças na lista de entidades com acesso direto à mesma.

Que é preciso proteger as crianças nem se discute. Que é preciso melhorar a legislação, nomeadamente nos riscos exponenciados pela internet, vamos a isso. Que é preciso cruzar dados e fornece-los às autoridades competentes, como defende a Directiva Comunitária que o Governo treslê, certíssimo. Que é preciso uma rede social capaz de defender as crianças, estamos todos de acordo menos este Governo - que despediu essas pessoas. Mas entre partir deste consenso e fornecer o acesso quase indiscriminado a essa informação, vai um passo gigante e um risco ainda maior. É o da diferença entre a preocupação e o populismo.

 Para quem pense que o início deste texto só acontece num filme, deixo uma citação do parecer da Procuradoria Geral da República. "Já há registos - pelo menos um - de casos de tal natureza. Um pai foi violentamente agredido porque erroneamente tomado como estando a abusar sexualmente da sua filha quando brincava com ela, a aguardar a abertura do infantário onde a deveria deixar. Irrompeu a fúria popular descontrolada".

 

Nota: A proposta do Governo, bem como os pareceres referidos ao longo deste texto podem ser encontrados aqui

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 08:00

Domingo, 29.03.15

FILME - A Paixão de Ana, de Ingmar Bergman (legendado em português)

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Ingmar Bergman  A Paixão de Ana

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00

Sábado, 28.03.15

Havia um homem que corria pelo orvalho dentro - Herberto Helder

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Herberto Helder  Havia um homem que corria pelo orvalho dentro

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:00

Sábado, 28.03.15

"Schubert nas águas, nos pássaros Mozart ..." - Ossip Mandelstam

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Ossip Mandelstam  "Schubert nas águas, nos pássaros Mozart ..."

 

gerhard-richter1a.jpg

 

(Gerhard Richter)

 

 

Schubert nas águas, nos pássaros Mozart,

Goethe assobiando pela senda serpejante,

Hamlet em seu passo assustadiço a cogitar

- À turba tomavam pulso nela acreditando.

 

Talvez antes dos lábios o murmúrio já nascera,

Sem arvoredo caísse a folha baloiçada.

A quem a dádiva de uma obra se faria

Antes da obra já tinha forma traçada.

 

(in Guarda Minha Fala Para Sempre, Assírio & Alvim)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:00

Pág. 1/9




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Comentários recentes

  • Francisco Coelho

    Adorei ouvir, ao fim de tantos anos, quando esta s...

  • pvnam

    É A LIBERDADE QUE ESTÁ EM CAUSA: é preciso dizer n...

  • A. Marques Pinto

    Sexta-feira à tarde, uma jornalista da SIC Notícia...

  • adao cruz

    De pleno acordo. Uma coisa me entriste e me faz pe...

  • Augusta Clara

    Tão bonito é o texto como o comentário.


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos