Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias



Quinta-feira, 31.03.16

En el alto del cerro de palomares - Estrella Morente

a noite fez-se para amar 1a.jpg

 

Estrella Morente  En el alto del cerro de palomares

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 20:30

Quinta-feira, 31.03.16

Cotovelo com cotovelo - Carla Romualdo

a poalha dos dias5a.jpg

 

Carla Romualdo  Cotovelo com cotovelo

 

emilie leger1.jpg

(Emilie Leger)

 

 

   A Lucrécia tem outro nome, um nome banal para uma mulher da sua geração, escolhido por uma madrinha modista de quem apenas resta um retrato nos estúdios Riviera, um leque comprado numa excursão a Salamanca e uma afilhada que recusa usar o nome que recebeu. Escolheu Lucrécia porque lhe soa a veneno, a perfídia e a poder.

A Lucrécia parou de contar a idade nos 69, já lá vai um bom tempo, mas ninguém lhe dá mais de 60. Loura platinada, pele morena (“Pareço uma cigana”), calças justas e camisolas com estampado de tigresa. Unhas longas e vermelhas. Muito vulgar na aparência, mas cuidadosa quando fala com quem não conhece.

Esteve casada com um cavalheiro que torrava fortunas no casino e que lhe deixou tudo penhorado. Gosta de contar histórias do seu paizinho patrão da indústria, da mãe que era uma judia alemã, muito loira e taciturna, que guardou até ao túmulo os segredos da sua fuga de Ravensbrück, e que era má como as cobras, Deus lhe perdoe, porque sofreu muito às mãos do Hitler.

A Lucrécia cresceu rebelde e fogosa e deixou a mãe muito aliviada quando, por fim, fugiu de casa. Engravidou aos dezassete, haveria de casar com outro, que foi como um pai para a criança e que era um santo homem, pena o vício do casino. Depois dele, só amou um, que acabou detido em Lisboa, e com quem só fala agora por telefone.

Ela é assim, explica-me, “toda coração e pele”. E com a profissão que tem, acrescenta, não podia ser outra coisa.

Eu não pergunto que profissão é essa porque já aprendi que me arrependo sempre da minha curiosidade excessiva, e, bem vistas as coisas, a torrente soltou-se e as revelações já não dependem da minha curiosidade.

Na casa pequenina onde nos conhecemos, e onde acabámos todos sentados à mesma mesa, enquanto couber outro banquinho apertamo-nos mais um pouco, cotovelo com cotovelo, evitam-se as confidências porque não se confunde espaço com intimidade e não se abre o coração a quem não se conhece de lado nenhum. A Lucrécia, cheira-me desde o início, é mentirosa. Mas eu sempre gostei que me contassem histórias.

As braceletes tilintam-lhe nos braços e as unhas vermelhas estendem-se para tocar-me no pulso. Para que são esses olhos tão grandes, Lucrécia?

– Quando precisar de alguma coisa, fale comigo. Sou parapsicóloga.

Ergo o copo e pisco-lhe um olho. Os mitómanos gostaram sempre de mim.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:30

Quarta-feira, 30.03.16

Nossa truculência - Clarice Lispector

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Clarice Lispector  Nossa truculência

 

Ng32a.jpg

(Adão Cruz)

 

Quando penso na alegria voraz
com que comemos galinha ao molho pardo,
dou-me conta de nossa truculência.
Eu, que seria incapaz de matar uma galinha,
tanto gosto delas vivas
mexendo o pescoço feio
e procurando minhocas.
Deveríamos não comê-las e ao seu sangue?
Nunca.
Nós somos canibais,
é preciso não esquecer.
E respeitar a violência que temos.
E, quem sabe, não comêssemos a galinha ao molho pardo,
comeríamos gente com seu sangue.

Minha falta de coragem de matar uma galinha
e no entanto comê-la morta
me confunde, espanta-me,
mas aceito.
A nossa vida é truculenta:
nasce-se com sangue
e com sangue corta-se a união
que é o cordão umbilical.
E quantos morrem com sangue.
É preciso acreditar no sangue
como parte de nossa vida.
A truculência.
É amor também.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:28

Terça-feira, 29.03.16

Sozinho - Caetano Veloso

a noite fez-se para amar 1a.jpg

 

Caetano Veloso  Sozinho

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 20:00

Terça-feira, 29.03.16

Gansos selvagens - Mary Oliver

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Mary Oliver  Gansos selvagens

 

walter rudolf leistikov,1895-1908,alemão1.jpg

(Walter Rudolf Leistikov)

 

 

Não tens de ser bom.

Não tens de caminhar centenas de quilómetros de joelhos, pelo deserto,

arrependido.

Apenas tens de deixar que o animal suave do teu corpo ame aquilo que ama.

Fala-me de desespero, o teu, e contar-te-ei do meu.

Entretanto, o mundo segue em frente.

O sol e os seixos límpidos da chuva atravessam as paisagens,

as pradarias e as árvores profundas, as montanhas e os rios.

Entretanto, os gansos selvagens, altos no limpo ar azul,

regressam de novo a casa.

Quem quer que sejas e onde estejas, pouco importa quão solitário,

o mundo oferece-se à tua imaginação,

chama-te como os gansos selvagens, com rigor e entusiasmo,

de novo e de novo, a anunciarem o teu lugar

na família das coisas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 15:45

Segunda-feira, 28.03.16

Em memória de uma vítima esquecida do mundo que a Globo ajudou a criar em 1964. Por Paulo Nogueira

dodora.jpg

Dodora e o seu sorriso invencível

 

DCM (Diário do Centro do Mundo), 25 de Abril de 2015

 

   Uma figura feminina aparece na minha mente sempre que leio a respeito do papel da Globo no golpe de 1964.

Não a conhecia até recentemente, mas me apaixonei assim que a vi.

Ela estava num documentário sobre o golpe a que assisti no ano passado.

É um trabalho rústico, uma câmara e depoimentos. E é sublime como retrato de uma época sinistra.

O documentário foi gravado em 1971, no Chile. Os autores foram dois cineastas americanos – Haskell Wexler e Saul Landau — que estavam no Chile para entrevistar Allende.

Eles souberam que havia um grupo de exilados brasileiros com histórias de tortura e decidiram registrá-las com sua câmara. O grupo tinha sido trocado pelo embaixador da Suíça no Brasil.

Surgiria, como que por acaso, “Brasil, um relato da tortura”, um pequeno épico do cinema que não se curva aos poderosos. Eram talentosos os americanos. Haskell posteriormente receberia dois Oscars por trabalhos na área de fotografia de grandes produções de Hollywood.

É uma mulher que me fisga no filme, uma jovem médica que narra as barbaridades que ela e os companheiros sofreram nas mãos dos agentes da ditadura.

Ela é bonita, articulada, e pesquisando vejo que fascinou também os documentaristas americanos.

Ela tinha 25 anos na ocasião, e riu ao lembrar as torturas, que narrou meticulosamente. Parecia invencível diante das violências.

“Fui colocada nua numa sala com cerca de 15 homens”, disse ela. “Fui espancada e esbofeteada.”

Seu rosto bonito ficou, contou ela, completamente deformado, conforme queriam os algozes.

Durante a sessão puseram num volume ensurdecedor “música de macumba”, e ela lembrou que os torturadores pareciam “excitados, felizes” como se estivessem numa festa.

A certa altura, a agarraram pelos seios e puseram uma tesoura em seu mamilo. Pressionavam e soltavam, e ameaçavam extirpá-lo. Também diziam que iriam matá-la.

Uma das forças do vídeo é que os entrevistados mostram como eram as torturas, como o pau de arara. São reproduções realistas e assustadoras.

Comecei a ver, por sugestão de minha filha Camila, e não consegui parar em quase 1 hora de conteúdo extraordinário. Fiquei perturbado como há muito tempo não ficava.

E depois quis saber mais das pessoas. Particularmente dela: passados mais de quarenta anos, que estaria fazendo?

E então vem a parte triste. Como escreveu Machado de Assis em Dom Casmurro quando as coisas degringolam, pare aqui quem não quer ver história triste.

Maria Auxiliadora Lara Barcelos, este o nome daquela guerreira que comoveu aos cineastas e a mim. Dora ou Dodora, como a chamavam.

Ela não viveu para ver o fim do horror militar.

Pouco tempo depois, como Ana Karenina, se jogou sob as rodas de um trem. Ela estava com problemas psiquiátricos derivados da selvageria a que foi submetida, e tinha acabado de se consultar com seu médico.

Morava, então, em Berlim.

Dois anos depois de feito o documentário, Pinochet tomou o poder no Chile, e Dora teve que partir de novo.

Primeiro foi para a Bélgica, e depois para a Alemanha Ocidental. Era brilhante: passou em primeiro lugar entre 600 estrangeiros e conseguiu aprovação para complementar seus estudos de medicina na Universidade de Berlim.

Fiquei triste, quase enlutado, ao saber do que ocorreu com ela. Já imaginava entrevistá-la, e especulava sobre como ela estaria hoje. Conservaria vestígios da beleza sobranceira e altiva do passado?

Num voo mental, penso que se ela tivesse nascido na Escandinávia, hoje seria uma avó, cheia de histórias para contar aos netinhos. Fantasio-a de bicicleta em Copenhague, feliz entre pessoas que são felizes porque aquela é uma sociedade como prescreveu Rousseau: sem extremos de opulência e de miséria.

Mas ela nasceu e cresceu na terra da iniquidade, que combateu com coragem assombrosa e idealismo inexpugnável. Não há em sua fala vestígio de remorso por ter caminhado o caminho que escolheu.

Em Laura, o filme clássico de Preminger, o detetive se apaixona pela foto de uma mulher assassinada. Como que me apaixonei por Dora ao vê-la no documentário.

Fico tolamente satisfeito quando minha filha Camila me conta que, pesquisando, descobriu que Dilma prestara tributo àquela brasileira indomável.

Em fevereiro de 2010, quando o PT confirmou a candidatura de Dilma para a presidência da república, Dilma disse em seu discurso: “Não posso deixar de ter uma lembrança especial para aqueles que não mais estão conosco. Para aqueles que caíram pelos nossos ideais. Eles fazem parte de minha história. Mais que isso, eles fazem parte da história do Brasil.”

Dilma citou três pessoas. Uma delas era Dodora. “Dodora, você está aqui no meu coração.”

E no meu também.

E é nela que penso quando reflito sobre o papel da Globo no golpe.

E nela projeto todos os outros tombados.

A Globo ficará eternamente impune – rica e impune — pelos assassinatos que indiretamente promoveu ao abrir as portas para a ditadura?

Nem um miserável pedido de desculpas será endereçado à memória de Dodora?

Ninguém a protegeu em vida, que ela ceifou ao se atirar sob as rodas de um trem nas remotas terras germânicas.

E a opulência impeninente da Globo em seu cinquentenário mostra que também na morte Dodora continua desprotegida.

Roberto Marinho virou bilionário com o mundo que ele se empenhou tanto por moldar, o das botas e das metralhadoras assassinas, e Dodora só conseguiu escapar de tudo sob as rodas de um trem.

Tinha 31 anos.

 

O vídeo em que Dodora conta as torturas que sofreu

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 08:00

Domingo, 27.03.16

Lá vamos outra vez - Adriana Costa Santos

contra o terrorismo.jpg

DR

 

Visão, 24 de Março de 2016

 

Hoje, mais do que nunca, precisamos de calma e inteligência para pensar a paz e não cair na armadilha do ódio.

 

   Estamos em guerra. Bruxelas amanheceu ao som dos gritos e da destruição, das ambulâncias e do caos de um previsto imprevisível. Caíram as cinzas e os destroços, envolvendo-nos no silêncio do medo e no golpe surdo do choque e da insegurança.

Primeiro, fomos todos meter-nos nas nossas casas, aguardámos inquietos revelações atabalhoadas, relatos e números de mortos e feridos, telefonámos uns aos outros até que as redes móveis deixaram de funcionar. Depois veio a reação, armada em coragem. Saímos à rua como quem não tem medo, cheios de medo, a partilhar caras tristes e mensagens coloridas de esperança no chão, acendemos velas, decorámos com flores e cores, abraços, música, a noite a cair... E hoje voltamos a acordar com medo.

Apetece-me chorar. Lá vamos nós ter de explicar outra vez que os refugiados fogem da mesma violência, do mesmo medo que hoje sentimos. Sublinhar que aqueles que hoje reivindicaram os atentados matam gente todos os dias, até sem bombas, devagar e cruelmente, no país de onde vêm os milhares que chegam à procura de paz na nossa terra. Que os muçulmanos que vivem na Europa e no mundo não são responsáveis pelo que aconteceu. Que a questão não está em serem muçulmanos ou cristãos, árabes, negros, brancos, belgas ou franceses, que está na loucura de qualquer assassino. É esta a loucura do ódio, que não podemos deixar entrar nas nossas vidas.

Quando cheguei à Place de la Bourse, na tarde de terça-feira, cruzei-me com dezenas de refugiados que conheço. Felizmente, passam despercebidos, é provável que nem os jornalistas que lá andavam pudessem saber. Felizmente, não têm uma braçadeira amarela no braço que os distinga dos outros, como chegou a ser sugerido por uma das freguesias de Bruxelas. Felizmente, ainda não chegou o dia em que já não podemos andar na rua como iguais, partilhar a cidade e a tristeza que de ela hoje se apoderou, demonstrar-nos solidários como humanos que somos, independentemente da história que torna cada um de nós único. É disso que tenho medo, mais do que do terrorismo, do dia em que entremos em guerra uns com os outros.

O Omar tem três filhos pequenos, está em Bruxelas há seis meses, ainda à espera do direito de asilo para poder recomeçar e, eventualmente, obter autorização e apoio para trazer a família para a paz. Telefonou-me de manhã para saber se eu estava bem, pediu-me para ficar por casa até a cidade respirar fundo e à tarde encontrámo-nos na Bourse, juntos pela mesma causa, enquanto nas redes sociais se espalhava a ignorância e o ódio. Foi assim que decidimos reagir, sabendo que só deste modo poderemos ultrapassar o trauma e pensar à frente, com humanidade e clareza.

Já lá vai quase um mês que o campo de refugiados fechou. O Hall Maximilian vai transformar-se em apartamentos para alguém vender e alguém comprar. É assim que funciona a realidade, mesmo no mundo dos sonhadores. Desde então, só tenho notícias pelo Facebook ou por aqueles com quem me cruzo por acaso. A todos pergunto como está a correr o processo de obtenção do direito de asilo. As respostas são desmotivadoras, num tom de quem foi obrigado pela vida a ser paciente. Já faltou menos, digo sempre, vai tudo correr bem.

Hoje os encontros foram ainda mais cinzentos: "se eu já tinha pouca esperança, depois disto, só pode piorar", disse-me Mustafa, o neurocirurgião iraquiano, que trabalhava comigo no campo, refugiado voluntário dos Médicos do Mundo.

Andámos meses em prevenção do terrorismo, a cidade foi povoada de tanques e militares, constantes controlos policiais discriminatórios a todos os homens de aspeto árabe, cultivámos medo e insegurança, restringimos liberdades e sentimos o frio da desconfiança. Tivemos medo uns dos outros e não foi por isso que conseguimos evitar os atentados. Acabámos por dar força aos terroristas, aumentando a nossa fragilidade. Sucumbimos ao seu poder de nos mergulhar no medo e no ódio.

Entretanto a Europa fechou as fronteiras e atentou aos direitos humanos com um acordo de trocas e baldrocas com a Turquia. Pessoas em desespero continuam a chegar às ilhas gregas, com a diferença de que agora são recambiadas, em troca de outras, mais convenientes ao egoísmo das democracias europeias. É triste saber que tudo isso acontece aqui ao lado. Que há, na nossa paz europeia, crianças a ser atacadas por gás lacrimogéneo, mães a dar à luz em linhas de comboio, bebés que morrem na terra e no mar, homens que se imolam em protesto, pessoas enterradas na indignidade, presas num mau remédio que escolheram para fugir ao terror. E continuam a lançar-se bombas na Síria.

Agora estamos em guerra. Com o "Estado Islâmico" ou com a barba do vizinho, no Facebook ou no autocarro, com os refugiados e com os que lá ficam. Até podia dizer que já não nos lembramos de que há milhares de pessoas a morrer no mediterrâneo. Infelizmente sim, só que a confusão cresce de tal forma, com a inteligência a ser fintada pelo medo, que até os mais informados participam na islamofobia que se instala e gritam do seu refúgio, por trás das teclas, que não queremos muçulmanos na Europa. É urgente parar para refletir e pensar a paz em conjunto, deixar de perder tempo com bodes expiatórios e concentrarmo-nos na origem do problema, para o podermos combater.

Hoje, mais do que nunca, precisamos de calma e inteligência. Precisamos de força pela união e solidariedade, de olhar mais à frente e de nos informarmos, para que a manipulação da violência não nos tolde o pensamento.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 08:00

Sábado, 26.03.16

Clínicas - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Clínicas

 

georgia-o-keeffe-grey-line-with-black-blue-and-yel

 

(Georgia O-Keeffe)

 

   Dentro desta profusão de clínicas que abrem em qualquer vão de escada, surgiu na minha rua uma clínica intitulada "Médico dos dentes". Claro que isto suscitou logo, no café um pouco acima, que eu costumo frequentar, toda a espécie de comentários. Havia os que diziam que daqui em diante as clínicas deveriam ter o nome de "Médico dos olhos", "Médico dos ossos", "Médico da pele", "Médico das comichões", "Médico dos desmaios", e houve até quem sugerisse especialidades mais específicas como "Médico do cu", Médico dos tomates", "Médico do pito" etc. Eu fui médico toda a minha vida e fiz toda a carreira hospitalar até ao mais elevado grau. Tive dois consultórios de cardiologia, e ainda mantenho um, se bem que por pouco tempo. Mas esta coisa trouxe-me alguma inspiração e deu-me a ideia de montar um consultório, ainda que efémero, com uma grande placa dizendo: "MÉDICO DOS DOENTES".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 20:30

Sexta-feira, 25.03.16

Alepopeia - César Príncipe

ao cair da tarde 5b.jpg

 

César Príncipe  Alepopeia

renato guttuso, crucificação1.jpg

(Renato Gattuso)

 

 

Caem braços nos telhados

Rolam cabeças nos pátios

PiLares esmagam os ombros

Quem corre fica sem pernas

Quem chora fica sem olhos

É assim

É assim                                                            

É assim em Alepo

Pedras ensanguentadas são romãs

Come-se arroz de areia crepitante

As águas são bebidas pelo deserto

Resta uma lágrima por habitante

É assim

É assim

É assim em Alepo

Para ir à escola tropeça-se nos mortos

Para ir à igreja deixamos lá os corpos

É assim

É assim

É assim em Alepo

A electriCidade é avara e fugiDia

Só a esperança mantém a energia

E canta-se

E reza-se

Entre estrondos e ruínas

E os namorados gemem

Nas macas dos hospitAis

Receiam que o seu prazer

Ofenda a dor dos demAis

E jura-se

Vencer o ódio armado

Com dez milhões de pés

Com o rosto alevantado

É assim

É assim

É assim em Alepo

E só Alepo sabe

Impera a lei da bala

E governa o silêncio

Quem deu voz ao monstro

Cala a voz de Alepo

Quem armou o monstro

Montou o Grande Cerco

Só Alepo sabe

Alepo só existe

QUANDO PARIS ARDE

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 16:05

Sexta-feira, 25.03.16

As 10 estratégias de manipulação mediática - Noam Chomsky

o balanço das folhas3a.jpg

 

Noam Chomsky  As 10 estratégias de manipulação mediática

 

manipulação mediática.jpg

 

Portal Anarquista
 
1. A estratégia da distracção. O elemento primordial do controle social é a estratégia da distracção, que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e económicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundação de contínuas distracções e de informações insignificantes. A estratégia da distracção é igualmente indispensável para impedir que o público se interesse pelos conhecimentos essenciais, na área da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética. “Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, presa a temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado; sem nenhum tempo para pensar; de volta à quinta com outros animais (citação do texto “Armas silenciosas para guerras tranquilas”).
.

2. Criar problemas e depois oferecer soluções. Esse método também é denominado “problema-reacção-solução”. Cria-se um problema, uma “situação” prevista para causar certa reacção no público a fim de que este seja o mandante das medidas que desejam que sejam aceites. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja quem pede leis de segurança e políticas em prejuízo da liberdade. Ou também: criar uma crise económica para forçar a aceitação, como um mal menor, do retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços púbicos.

 

3. A estratégia da gradualidade. Para fazer com que uma medida inaceitável passe a ser aceita basta aplicá-la gradualmente, a conta-gotas, por anos consecutivos. Dessa maneira, condições sócio-económicas radicalmente novas (neoliberalismo) foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990. Estado mínimo, privatizações, precariedade, flexibilidade, desemprego em massa, salários que já não asseguram ingressos decentes, tantas mudanças que teriam provocado uma revolução se tivessem sido aplicadas de uma só vez.

 

4. A estratégia do diferimento. Outra maneira de forçar a aceitação de uma decisão impopular é a de apresentá-la como “dolorosa e desnecessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacríficio imediato. Primeiro, porque o esforço não é empregue imediatamente. Logo, porque o público, a massa, tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isso dá mais tempo ao público para acostumar-se à ideia de mudança e de aceitá-la com resignação quando chegue o momento.

 

5. Dirigir-se ao público como se fossem menores de idade. A maior parte da publicidade dirigida ao grande público utiliza discursos, argumentos, personagens e entoação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade mental, como se o espectador fosse uma pessoa menor de idade ou portador de distúrbios mentais. Quanto mais tentem enganar o espectador, mais tendem a adoptar um tom infantilizante. Por quê? “Se alguém se dirige a uma pessoa como se ela tivesse 12 anos ou menos, em razão de factores de sugestão, então, provavelmente, ela terá uma resposta ou reacção também desprovida de um sentido crítico (ver “Armas silenciosas para guerras tranquilas”)”.

 

6. Utilizar o aspecto emocional mais do que a reflexão. Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto circuito na análise racional e, finalmente, ao sentido crítico dos indivíduos. Por outro lado, a utilização do registo emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para implantar ou enxertar ideias, desejos, medos e temores, compulsões ou induzir comportamentos…

 

7. Manter o público na ignorância e na mediocridade. Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais menos favorecidas deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que planeia entre as classes menos favorecidas e as classes mais favorecidas seja e permaneça impossível de alcançar (ver “Armas silenciosas para guerras tranquilas”).

 

8. Estimular o público a ser complacente com a mediocridade. Levar o público a crer que é moda o facto de ser estúpido, vulgar e inculto.

 

9. Reforçar a autoculpabilidade. Fazer as pessoas acreditarem que são culpadas por sua própria desgraça, devido à pouca inteligência, por falta de capacidade ou de esforços. Assim, em vez de revoltar-se contra o sistema económico, o indivíduo se auto-desvaloriza e se culpabiliza, o que gera um estado depressivo, cujo um dos efeitos é a inibição de agir. E sem acção, não há revolução!

 

10. Conhecer os indivíduos melhor do que eles mesmos se conhecem. No transcurso dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência gerou uma brecha crescente entre os conhecimentos do público e os possuídos e utilizados pelas elites dominantes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” tem desfrutado de um conhecimento e avançado do ser humano, tanto no aspecto físico quanto no psicológico. O sistema conseguiu conhecer melhor o indivíduo comum do que ele a si mesmo. Isso significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos, maior do que o dos indivíduos sobre si mesmos.

 

VIA: Adital (com alterações)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 13:00

Pág. 1/6




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Comentários recentes

  • António Gomes Marques

    Não sei que mais admirar na escrita da Eva. O pode...

  • alberto bastos

    Oh quanta verdade! Comungo da totalidade do belíss...

  • Eva

    Obrigada Clarinha pela tua amizade.

  • Clara Reis

    Simples, lindo, sentido e que faz sentir.É assim q...

  • Anónimo

    Lindo, ao estilo da Eva! A saudade descrita como s...


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos