Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias



Quarta-feira, 07.06.17

Porto... - Marcos Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Marcos Cruz  Porto...

007-2013a.jpg

(Adão Cruz)

 

      O meu pai nunca foi um historiador, mas colecciona pérolas que acrescentam história à História. Apanha-as na rua, em cada esquina escondida desta cidade que é dele, minha e de quem a leva dentro, desenhada na alma como o aparelho circulatório cujas veias e artérias ele, cardiologista de profissão, conhece de cor. Desde pequeno que me lembro de o ver chegar, entusiasmado, tirando uma nova preciosidade de debaixo da língua e dando-nos a ver o seu brilho, antes de a guardar no baú que, de vez em quando, se dispunha a abrir para amigos.

Eu próprio, com ele, testemunhei episódios memoráveis. Sem querer rapinar-lhe o espólio, lembrarei apenas dois ou três, como aquele em que, ao balcão do Galo Branco, antigo tasco no Largo Tito Fontes, um homem não escondia dos demais o seu profundo desânimo, desabafando para si mesmo: “Estou tão arrependido de ser pobre…”. Era comum a manha tripeira vir ao de cima em apoio da miséria, uma arte territorial de fazer sorrir as dores. O meu amor pela cidade cresceu assim, aprendeu a andar sobre essas pedras.

Outra ocasião, esperando o sinal verde para atravessar a rua, cada um de seu lado, o meu pai e um transeunte idoso foram surpreendidos por um casal de verbo destravado que trocava insultos à força toda. O sinal veio e, a meio da passadeira, na fracção de segundo em que os caminhos inversos de ambos se cruzaram, o velho fez questão de partilhar o seu choque com o meu pai: “Foda-se, que linguaige…”.

É evidente que a graça destas coisas não se escreve, vive-se. Fica lá. Oralmente pode até reproduzir-se, fá-lo quem sabe, e o meu pai é um deles, mas o princípio activo perde-se na tradução. A cadência arrastada, o calor alcoólico da voz, o fastio aparente, a artificiosa indiferença ante a própria piada e, claro, os esgares e outras características pessoais estão entre as matérias-primas indispensáveis a uma receita de fabrico necessariamente caseiro. E depois a desinibição com que os autores percorrem todos os assuntos, como se nenhuma ciência lhes escapasse. Lembro-me dum episódio que o meu pai presenciou na Avenida dos Aliados, entre dois amigos que punham a conversa em dia. Perguntava um deles: "Oubi dizer que o teu sogro tebe uma crise. O que é que se passou?". O outro, encolhendo os ombros, respondia: "Sei lá, ou o caralho, deu-le assim uma espece de ataque celebral e o gajo ficou a tocar flauta [boca de lado] e a botar açúcar nas farturas [mão a abanar]".

Tudo isto sai como água, cada tripeiro de gema é uma torneira de humor para lavar a alma de quem passa. Parece que não se envolvem em nada, podem estar a falar das coisas mais trágicas que não abandonam aquela distância irónica de onde se sentem confortáveis, o que até dá a entender que são insensíveis, quando na verdade o que procuram é a melhor forma de lidar com o sofrimento. Uma vez, na Rua José Falcão, a minha tia quis comprar castanhas. "Dois euros", pediu o vendedor depois de as embrulhar. "Dois euros por uma dúzia de castanhas?!", exclamou a minha tia. "E metade são puâdres", respondeu o homem. A vida é mesmo assim.

Num tempo em que as mais diversas idiossincrasias e peculiaridades culturais tendem a ser vistas como engelhos de um lençol global que deve estar impecavelmente engomado, far-me-ia feliz que este pequeno testemunho, apenas um relance sobre o tanto que a minha cidade esconde debaixo dos postais, fosse um aperitivo capaz de estimular os menos atentos à descoberta de um mundo que, por mais antigo, será sempre novo, assim lhe assista o talento para fintar a extinção.

Quando passo, hoje, na Rua Sampaio Bruno, não são certamente os meus sapatos que têm saudades dos engraxadores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:12




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2017

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930


Comentários recentes

  • A. Marques Pinto

    Sexta-feira à tarde, uma jornalista da SIC Notícia...

  • adao cruz

    De pleno acordo. Uma coisa me entriste e me faz pe...

  • Augusta Clara

    Tão bonito é o texto como o comentário.

  • adão cruz

    Não posso deixar de ser suspeito, mas gostaria de ...

  • Pedro Coelho

    Como se fossem o Alferes Robles? O que tem o autor...


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos