Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias


Quinta-feira, 11.05.17

Peregrina da saudade - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  Peregrina da saudade

 

tara turner, the same but different1.jpg

(Tara Turner, "The same but different")

 

 

   A estrada é de maias amarelas. Solitário, o asfalto cinzento guia os olhos por detrás das lágrimas. Os montes caem em socalcos desdobrando a verdura sob o brilho do sol, coado por núvens brancas a delir-se. As maias são o tempo passado  que há-de voltar. O tempo, tal como o rio, não é de parar.

Os plátanos soltam as plumas e no rio de sombras e brumas  cai o sol a brilhar. Para tràs ficaram as maias amarelas e parte da vida com elas. O Maio há-de voltar de novo,  a florir, quer deseje cá estar, quer deseje  partir.

O rio, negro e fundo, corre manso e frágil sob as águas trémulas, cobertas de algodão branco, como manto de neve no calor da tarde.  Nem o  algodão branco, nem os pássaros vestidos de céu devolvem ao rio da vida  o brilho que a vida perdeu.

Peregrina da saudade, percorro os mesmos caminhos e atravesso as mesmas pontes, segurando-te a mão. Lá em baixo, o rio  reflecte o mesmo céu, mas as  aves nada me dizem, não sabem de ti.

Oiço apenas o eco dentro de mim, o eco da serenidade e da partilha , para o bem e para o mal, naquele cantinho enfeitado com o meu chá e o teu jornal.

Escrevo-te da varandinha do quarto para te dizer que  os plátanos estão enormes. São dois, entrelaçados, abraçando o céu. Como nós, se a noite não fosse vazia e a mão estendida não fosse apenas a coberta branca e macia. 

No banco, à beira do rio, o cantar das rãs rompe a saudade. Tenho tanta inveja do rio, sempre vivo, sem idade!

Peço às estrelas que escrevam no céu, ao lado  de Corconte, a lenda do Palácio cor-de-rosa, que no silêncio daquela tarde, reflectido nas águas do rio, retoma lentamente e  para sempre a cor da pedra.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:43

Quarta-feira, 28.10.15

"Cai a chuva no portal" - Lídia Jorge

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Lídia Jorge  "Cai a chuva no portal"

 

edvard munch1.jpg

 

(Edvard Munch)

 

 

Cai a chuva no portal, está caindo
Entre nós e o mundo, essa cortina
Não a corras, não a rasgues, está caindo
Fina chuva no portal da nossa vida.
Gotas caem separando-nos do mundo
Para vivermos em paz a nossa vida.

Cai a chuva no portal, está caindo
Entre nós e o mundo, essa toalha
Ela nos cobre, não a rasgues, está caindo
Chuva fina no portal da nossa casa.
Por um dia todos longe e nós dormindo
Lado a lado, como páginas dum livro.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 08:00

Segunda-feira, 20.10.14

Sem que soubesses - Fernando Assis Pacheco

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Fernando Assis Pacheco  Sem que soubesses

 

edvard munch, o brijo, 1892a.jpg

 

 

(Edvard Munch)

 

 

Falei de ti com as palavras mais limpas
Viajei, sem que soubesses, no teu interior.
Fiz-me degrau para pisares, mesa para comeres,
tropeçavas em mim e eu era uma sombra
ali posta para não reparares em mim.

Andei pelas praças anunciando o teu nome,
chamei-te barco, flor, incêndio, madrugada.
Em tudo o mais usei da parcimónia
a que me forçava aquele ardor exclusivo. 

Hoje os versos são para entenderes.
Reparto contigo um óleo inesgotável
que trouxe escondido aceso na minha lâmpada
brilhando, sem que soubesses, por tudo o que fazias.

 

(in Musa Regular)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:00

Quinta-feira, 10.10.13

Outono - Ana Goês

 

Ana Goês  Outono

 

(Edvard Munch)

 

 

 

O bicho que eu sou

sinto-o mover-se em cada outono

à flor húmida

da terra molhada

e reciclada

dos sentidos de mim.

Nos poros me respiro

no sangue me menstruo

e os meus cabelos incham

de fumo e nevoeiro.

Quero sair para a bruma

abafada     enrolada

numa gola de peles

luminosos os lábios

escovados os cabelos

pintadas     magoadas

as pálpebras de azul.

Grávida está a minha pele

prenhes os sulcos que vão ser as rugas

dói-me a malha que movo entre as agulhas

ardem-me as veias entre a raiz dos dedos.

 

Nascida no outono

em cada outono me redôo

e me reparo.

 

(in Convida-me só para jantar, Edição da autora)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:00



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2017

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031


Comentários recentes


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos