Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias


Sexta-feira, 29.09.17

O pássaro de todos os tempos - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  O pássaro de todos os tempos

bridgette guerzon mills1.jpg

(Bridgette Guerzon Mills)

 

Arrefecem os dias nas tardes pardas e nas manhãs claras. O sol vai

baixo no céu, perdendo o brilho sob um véu de neblina com reflexos

de púrpura, lá para os lados do mar. A brisa da tarde faz trocar a

solidão da mesa e da cadeira no cantinho do pátio pelo aconchego da

lareira.

 

Os pássaros ainda por lá andam à solta, em pios desgarrados de

partida e em jeito de despedida das árvores e dos restos da colheita

 

No topo de um abeto muito alto, tão alto que quase toca o céu, há

sempre um passarinho que fica, saudoso como eu. O pássaro de todos

os tempos. Nunca envelhece, nunca morre e canta sempre a canção

da vida, sem  chegada nem partida.

 

No Outono, antes que a Natureza complete mais um ciclo, o

passarinho, sempre criança como todas as crianças, pede muito à

Primavera que volte. Vem querido Maio e traz de novo rouxinóis e

lindos cucos. Acima de tudo, traz muitas violetazinhas contigo! “ O

komm, lieber Mai, wir kinder, wir bitten gar zu sehr! O komm und

bring´vor allem uns viele Veilchen mit! Bring´auch viel Nachtigallen

und schöne Kuckucks mit!“

 

E a música suave de Mozart desce do bico esguio do abeto, enche o

pátio de nostalgia, acompanha o cantar da água da mina, e por ali

fica, a amansar a saudade, até que volte a Primavera enquanto a

eternidade deixar. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00

Quinta-feira, 24.08.17

O álbum a preto e branco - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  O álbum a preto e branco

14732144_1177861088948332_8318540573872466466_n1.j

 

(Gracinda Candeias)

 

Abre-se um leve sorriso fora do tempo

no cair da tarde de um dia sem nome

entre as folhas amarelecidas

de um velho álbum a preto e branco.

De retrato em retrato

na brancura do  vestido

na grinalda de um véu

nos bagos de arroz

nas pétalas das rosas esquecidas

renasce um caudal de sonhos

por entre as folhas amarelecidas.

No álbum a preto e branco

caem lágrimas perdidas

e na memória longínqua

só resta o sonho esquecido

da cor de tantas vidas.

 

23 de Agosto

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:56

Segunda-feira, 14.08.17

FREDERICK CHILDE HASSAM, "July night", 1898.

july night, 1898a.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:52

Terça-feira, 04.07.17

Qu'é da Santa Bárbara?! - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  Qu'é da Santa Bárbara?!

camile pissaro (1830-1903)a.jpg

(Camille Pissarro)

 

 

A conversa fluía, entrelaçada como as cerejas.

- Morreu Sicrano, Beltrano já se divorciou, ainda há dois dias cum casamento de arromba para dar em nada, este anda metido co aquela, aquela anda metida co este...

Por tristes razões, era difícil o pensamento concentrar-se, e tudo  soava a uma ladainha desafinada. Apenas quando foi interpelada, acordou do torpor mental.

- Você sabe o que aconteceu à Santa Bárbara?

A capela fora sempre o pequeno tesouro da aldeia. O sino só  repicava a baptizado e tinha um som tão fresco e alegre que sabia sempre a festa. Caiada de branco, com uma torre em bico a desenhar-se na serra negra, vestia-se de sol por dentro e por fora, de tão arejada que era. Granito e azulejos enriqueciam as paredes, e a madeira nobre entrelaçava-se no varandim do coro, do púlpito e na grade que separava o lugar das mulheres do lugar dos homens. Lindos altares, muito sóbrios, com belas imagens provavelmente valiosas, airosas, bem vestidas e bem talhadas. Tirando o Sr. dos Passos, vestido de roxo, coroado de espinhos, a sangrar por todos os lados, metendo medo a quem dele se abeirasse, todas as outras santas e santos tinham um ar de felicidade, apesar de estarem para ali especados, sempre de pé no seu recanto. Nunca mostravam caras de enfado ou cansaço, bem pelo contrário, tinham um rosto sorridente e sereno, caras de santidade.

- No fim da missa, o Sr. Prior acenou-me e fiquei aflita. O que é que ele me quererá?

Ela era a principal zeladora da capela e a mais responsável por tudo o que lá dentro se encontrava.

- Qu´é da Santa Bárbara? Você sabe onde está a Santa Bárbara?!

- Eu não, Sr. Prior, ainda na semana passada lhe limpei o pó.

Qual o seu espanto, quando olhou para o altar e viu o lugar da santa, vazio!

- Mas esteja descansado, Sr. Prior, que eu vou descobrir quem a levou. E andei, andei... fui a missas a outras capelas da freguesia, a capelas de outras instituições, e que Deus me perdoe, se não prestei atenção a nada. Os meus olhos e pensamento estavam unicamente concentrados na Santa Bárbara. E, sabe que a descobri! Vou-lhe dizer onde é que ela estava, mas é segredo. Na missa seguinte, esperei pelo Sr. Prior e disse-lhe: Já sei onde está a Santa Bárbara. Está em tal sítio.

O prior percebeu logo o que se passava. A Santa era muito valiosa. Fez muitos milagres mas não foi capaz de se livrar do rapto. Pobre santa! Foi resgatada e voltou para a capela, para o seu devido lugar.

Quando o ribombar do trovão faz tremer os céus, e o relâmpago fulmina a serra negra de lés-a-lés, lá continua a Santa Bárbara, na serenidade do altar, a fazer milagres, a desterrar a trovoada para monte maninho, onde não haja pão nem vinho, nem raminho de oliveira, nem bafinho de menino.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 16:31

Terça-feira, 27.06.17

Reflexão extemporânea entre dois copos - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Reflexão extemporânea entre dois copos

antigo-33a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

   Todos aqueles que já me leram sabem que eu considero o vinho como a melhor droga estimuladora da criatividade, moderado, claro está. Meia de tintol, ou mesmo de branco fresco, nestes dias de verão, é uma bênção do céu, admitindo que existe Céu. Apesar de o Papa Francisco ter negado o inferno, não é provável que venha a negar o Céu, pois o Céu ainda rende avultadíssimos milhões de espiritualíssimos euros ao Vaticano.

Gostaria que nesta extemporânea reflexão coubesse tudo o que há de bom no mundo, mas infelizmente há muito mais de mau do que de bom, o suficiente para defender a extinção do ser humano, a espécie que, apesar de tão infinitesimal no Universo, mais tem envergonhado a natureza e mais tem dado cabo de tudo o que, naturalmente, poderia criar o equilíbrio e a harmonia.

O vinho, como disse, é uma espécie de fio-de-prumo que calibra o nosso pensamento. O pensamento é o resultado de triliões de neuro-transmissões, e não é grosseira metáfora dizer que o vinho é uma espécie de óleo que lubrifica todos os nossos canais neuronais. Quem quiser que acredite, quem não quiser que beba água. Sem pretender colidir com a ética e a estética da existência, o vinho permite chegar mais depressa à interface que eu considero como fronteira entre a condição antropológica e a condição universal do ser humano. Só aí, calmamente sentados em qualquer tosca pedra que tenha sobrevivido à mão humana, poderemos ver ao longe o infinito e poderemos sentir-nos capazes de reconhecer a merda que somos.

O ser humano é um cadinho de sentimentos e pouco mais. O sentimento, sobretudo o sentimento de si é a única expressão de vida, dentro da cadeia neurobiológica. E, dentro das incontáveis formas de sentimento, eu tenho algumas verdades minhas que até podem ser Verdade. Muitas vezes despertadas por um copo de maduro tinto. Sempre fui contra a académica e artificial dicotomia do sentimento, dado que este é um fenómeno permanente e indispensável ao mais pequeno gesto vital. Tenho muita dificuldade em dissecar os sentimentos, isto é, em definir as incomensuráveis formas e manifestações dos sentimentos, até porque antes dos sentimentos há as emoções que lhes dão origem, e antes das emoções há as imagens resultantes dos estímulos que as provocam e aos quais cada pessoa reage de forma muito diferente, conforme o seu padrão neural. Assim sendo, os sentimentos constituem um mundo tão vasto de diferenças que me parece podermos incorrer em algum grau de estultícia, ao pretendermos dissecá-los, dimensioná-los, fraccioná-los, escaloná-los, hierarquizá-los, atribuir-lhes uma cronologia e uma metodologia intrínsecas, fora do campo neurocientífico. E muito menos separá-los, por exemplo, dentro do cesto da mente, como se de fruta se tratasse.

Atrevo-me, contudo, a considerar como o maior e mais nobre sentimento humano, o da SOLIDARIEDADE. Um sentimento que pode nascer da alma do mais humilde, do mais inculto, do mais ignorante, e pode não existir na alma do mais rico, do mais intelectual e do mais sábio. Por outro lado, julgo que há um único contexto em que me parece legítimo atrevermo-nos a abordar parcialmente e de forma particular os sentimentos e com eles lidar como matéria, contexto esse que se situa apenas no campo científico, daí decorrendo, para quem não aceita qualquer dualismo corpo-espírito, a sua abordagem no seio do mundo poético, literário e musical, por exemplo. Mesmo assim, com a prudência de nos contentarmos apenas com a plumagem, as cores, a luz e o som que muitas vezes nem existem.

Vem isto a propósito da conversa que hoje tive ao almoço, acompanhada de um branco fresco, versando aquilo para que se sente atraído quem não fala de futebol e já está enjoado de política, a arte e a poesia. Sentimentos nobilíssimos, todavia muito mal tratados, muito mal sentidos, tentando expressar-se, tantas vezes, através de palavras e gestos de uma pretensiosa alma seca, sem o humilde, filantrópico e filosófico calor de um copo de vinho. Eu diria que a arte e a poesia, que eu considero os mais nobres sentimentos a seguir ao sentimento da Solidariedade, existem entre nós. Contudo, os seus agentes são, por vezes, os próprios predadores, aqueles que as destroem e matam, ao tentarem traduzi-las por palavras e gestos que não entendem, ao julgarem que as prendem em gaiolas. As palavras e os gestos são cintilações do infinito, “filhos do silêncio, que rompem como um novo ser rompe a sua mãe, não sem dor, não sem perda. Cada palavra, cada gesto é um desafio novo, um início, um indício de fim, uma ilusão de identidade, um cão de casota que corre até esticar a corda”.

À nossa saúde!

Adão Cruz

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 13:00

Segunda-feira, 26.06.17

Sento-me ali mesmo à beira do pensamento - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  Sento-me ali mesmo à beira do pensamento

 

a. gadeh1.jpg

(A. Gadeh)

 

 

Sento-me ali à beira do pensamento.

A água cansada e frouxa vai correndo devagar, ensopando com o tempo o fundo do rego feito lama ou cama onde crescem ervas e lírios que floriram em Abril.

As formosas flores partiram e ficaram as hastes saudosas. Vieram os lilases e as rosas. Uma a uma caindo, deixaram depenados os rancos esgalhados.

E as hidrângeas enchem-se de flores de todas as cores. Cobrem o campo e o pensamento que por tormento não deixa reter o momento.

O tempo não dá refrigério na contenda. "Ai que prazer não cumprir um dever!"

A natureza é livre de nascer, criar e morrer.

No calor intenso da batalha , floresce a vida em plenitude, e a quietude de um momento trai a liberdade e faz da vida um tormento.

 

Sento-me ali à beira do pensamento.

Tudo o que nasce morre. Mais tarde, mais cedo, à frente, atrás, tanto faz.

Se morrer fosse renascer, tinha descanso o guerreiro.

E a batalha perdida nunca seria vencida.

 

Sento-me ali à beira do pensamento.

Dou à liberdade todas as asas para voar. A natureza tem muito a ensinar.

Partir, ficar... são apenas pontos finais nas frases concluídas.

E nada mais.

Tudo faz sentido e nada também faz.

Só que a vida anda para a frente e nunca para trás.

 

Sento-me ali mesmo à beira do pensamento.

E volto a ver os lírios, as rosas e os lilases.

Mas é tudo tão fugaz que o olhar não é capaz de reter a cor.

A cor do amor.

Nem por um momento.

Se morrer fosse viver, tudo havia de renascer ainda que em pensamento.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:26

Quarta-feira, 07.06.17

Porto... - Marcos Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Marcos Cruz  Porto...

007-2013a.jpg

(Adão Cruz)

 

      O meu pai nunca foi um historiador, mas colecciona pérolas que acrescentam história à História. Apanha-as na rua, em cada esquina escondida desta cidade que é dele, minha e de quem a leva dentro, desenhada na alma como o aparelho circulatório cujas veias e artérias ele, cardiologista de profissão, conhece de cor. Desde pequeno que me lembro de o ver chegar, entusiasmado, tirando uma nova preciosidade de debaixo da língua e dando-nos a ver o seu brilho, antes de a guardar no baú que, de vez em quando, se dispunha a abrir para amigos.

Eu próprio, com ele, testemunhei episódios memoráveis. Sem querer rapinar-lhe o espólio, lembrarei apenas dois ou três, como aquele em que, ao balcão do Galo Branco, antigo tasco no Largo Tito Fontes, um homem não escondia dos demais o seu profundo desânimo, desabafando para si mesmo: “Estou tão arrependido de ser pobre…”. Era comum a manha tripeira vir ao de cima em apoio da miséria, uma arte territorial de fazer sorrir as dores. O meu amor pela cidade cresceu assim, aprendeu a andar sobre essas pedras.

Outra ocasião, esperando o sinal verde para atravessar a rua, cada um de seu lado, o meu pai e um transeunte idoso foram surpreendidos por um casal de verbo destravado que trocava insultos à força toda. O sinal veio e, a meio da passadeira, na fracção de segundo em que os caminhos inversos de ambos se cruzaram, o velho fez questão de partilhar o seu choque com o meu pai: “Foda-se, que linguaige…”.

É evidente que a graça destas coisas não se escreve, vive-se. Fica lá. Oralmente pode até reproduzir-se, fá-lo quem sabe, e o meu pai é um deles, mas o princípio activo perde-se na tradução. A cadência arrastada, o calor alcoólico da voz, o fastio aparente, a artificiosa indiferença ante a própria piada e, claro, os esgares e outras características pessoais estão entre as matérias-primas indispensáveis a uma receita de fabrico necessariamente caseiro. E depois a desinibição com que os autores percorrem todos os assuntos, como se nenhuma ciência lhes escapasse. Lembro-me dum episódio que o meu pai presenciou na Avenida dos Aliados, entre dois amigos que punham a conversa em dia. Perguntava um deles: "Oubi dizer que o teu sogro tebe uma crise. O que é que se passou?". O outro, encolhendo os ombros, respondia: "Sei lá, ou o caralho, deu-le assim uma espece de ataque celebral e o gajo ficou a tocar flauta [boca de lado] e a botar açúcar nas farturas [mão a abanar]".

Tudo isto sai como água, cada tripeiro de gema é uma torneira de humor para lavar a alma de quem passa. Parece que não se envolvem em nada, podem estar a falar das coisas mais trágicas que não abandonam aquela distância irónica de onde se sentem confortáveis, o que até dá a entender que são insensíveis, quando na verdade o que procuram é a melhor forma de lidar com o sofrimento. Uma vez, na Rua José Falcão, a minha tia quis comprar castanhas. "Dois euros", pediu o vendedor depois de as embrulhar. "Dois euros por uma dúzia de castanhas?!", exclamou a minha tia. "E metade são puâdres", respondeu o homem. A vida é mesmo assim.

Num tempo em que as mais diversas idiossincrasias e peculiaridades culturais tendem a ser vistas como engelhos de um lençol global que deve estar impecavelmente engomado, far-me-ia feliz que este pequeno testemunho, apenas um relance sobre o tanto que a minha cidade esconde debaixo dos postais, fosse um aperitivo capaz de estimular os menos atentos à descoberta de um mundo que, por mais antigo, será sempre novo, assim lhe assista o talento para fintar a extinção.

Quando passo, hoje, na Rua Sampaio Bruno, não são certamente os meus sapatos que têm saudades dos engraxadores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:12

Segunda-feira, 29.05.17

Há setenta e nove anos a vinte e nove de Maio - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  Há setenta e nove anos a vinte e nove de Maio

gustav klimt7a.jpg

(Gustav Klimt)

 

 

   Nasceu uma criança. Havia de crescer, fazer-se menino , jogar à bola, decorar o caminho da escola.

De combóio chegava ao destino, esse menino ainda sem rumo, crescendo nos olhos e no  sonho dos pais como futuro moldado  de amor e trabalho duro. 

Partiu um dia para mais longe, para mais perto do futuro. Chamaram-no as águas do Mondego, rio de lágrimas e fado, de trovas, baladas  e capas negras. Cidade do amor, da nostalgia e da saudade, de serenatas à luz da lua espreitando o mundo na estreiteza da rua.

Conheceu a força do amor e com ele encheu o peito da alegria e da dor que a vida impõe a quem ama. Nem tudo na vida são rosas, mas eram mimosas as palavras e as mãos entrelaçadas.

O sonho fez-se vida pela vida fora e deu vida  a outros sonhos  meninos que cresceram à medida do amor.

Hoje, na dor de um sonho perdido, apenas ficou inteiro o amor que deixaste comigo.

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 16:03

Segunda-feira, 15.05.17

São de lágrimas os olhos das andorinhas - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  São de lágrimas os olhos das andorinhas

 

augusto peixoto1.jpg

(Augusto Peixoto)

 

 

Acordo com a luz da Primavera

foram-se os cheiros e as cores

a alegria do verde e o azul do céu.

Uma brisa suave leva-me  onde amei

dentro de um sonho que perdeu o futuro.

Não me dou com o malvado do tempo

que nada corrige e a nada obedece.

Fico à espera da manhã azul

e o  tempo adormece.

Os pássaros enamorados

não sabem que o Outono cinzento volta.

Julgam-se donos do mundo.

Tenho vontade de lhes contar a verdade.

Que vivam na ilusão! A Primavera volta sempre, ou talvez não...

Acordo com a luz da Primavera, mas ela vem despida de

azul e são de lágrimas os olhos das andorinhas.  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 15:57

Quinta-feira, 11.05.17

Peregrina da saudade - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  Peregrina da saudade

 

tara turner, the same but different1.jpg

(Tara Turner, "The same but different")

 

 

   A estrada é de maias amarelas. Solitário, o asfalto cinzento guia os olhos por detrás das lágrimas. Os montes caem em socalcos desdobrando a verdura sob o brilho do sol, coado por núvens brancas a delir-se. As maias são o tempo passado  que há-de voltar. O tempo, tal como o rio, não é de parar.

Os plátanos soltam as plumas e no rio de sombras e brumas  cai o sol a brilhar. Para tràs ficaram as maias amarelas e parte da vida com elas. O Maio há-de voltar de novo,  a florir, quer deseje cá estar, quer deseje  partir.

O rio, negro e fundo, corre manso e frágil sob as águas trémulas, cobertas de algodão branco, como manto de neve no calor da tarde.  Nem o  algodão branco, nem os pássaros vestidos de céu devolvem ao rio da vida  o brilho que a vida perdeu.

Peregrina da saudade, percorro os mesmos caminhos e atravesso as mesmas pontes, segurando-te a mão. Lá em baixo, o rio  reflecte o mesmo céu, mas as  aves nada me dizem, não sabem de ti.

Oiço apenas o eco dentro de mim, o eco da serenidade e da partilha , para o bem e para o mal, naquele cantinho enfeitado com o meu chá e o teu jornal.

Escrevo-te da varandinha do quarto para te dizer que  os plátanos estão enormes. São dois, entrelaçados, abraçando o céu. Como nós, se a noite não fosse vazia e a mão estendida não fosse apenas a coberta branca e macia. 

No banco, à beira do rio, o cantar das rãs rompe a saudade. Tenho tanta inveja do rio, sempre vivo, sem idade!

Peço às estrelas que escrevam no céu, ao lado  de Corconte, a lenda do Palácio cor-de-rosa, que no silêncio daquela tarde, reflectido nas águas do rio, retoma lentamente e  para sempre a cor da pedra.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:43



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Comentários recentes

  • Francisco Coelho

    Adorei ouvir, ao fim de tantos anos, quando esta s...

  • pvnam

    É A LIBERDADE QUE ESTÁ EM CAUSA: é preciso dizer n...

  • A. Marques Pinto

    Sexta-feira à tarde, uma jornalista da SIC Notícia...

  • adao cruz

    De pleno acordo. Uma coisa me entriste e me faz pe...

  • Augusta Clara

    Tão bonito é o texto como o comentário.


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos