Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias


Sábado, 18.11.23

Adão Cruz

convicções1.jpg

PALESTINA

16601915_1575788135769553_4513441033461809927_o.jp

 

QUEM VIVEU 60 ANOS DE EXERCÍCIO DA MEDICINA A TENTAR SALVAR VIDAS E FEZ DUAS DÉCADAS DE CUIDADOS INTENSIVOS, QUEM NÃO DORMIA COM A HIPÓTESE DE TER DE DESLIGAR UMA MÁQUINA DE SUPORTE DE VIDA, QUEM TANTAS VIDAS TENTOU RESSUSCITAR NA FRONTEIIRA DA MORTE, NÃO CONSEGUE ENTENDER NEM SEQUER IMAGINAR A TAMANHA BRUTALIDADE, A TÃO MEDONHA BESTIALIDADE E TÃO MONSTRUOSA E INCONCEBÍVEL REALIDADE....DE UM ASSASSINO CORTE DE ENERGIA.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 21:08

Terça-feira, 13.06.23

Prémio italiano de poesia para Adão Cruz

a noite fez-se para amar 1a.jpg

O documento que atesta a atribuição do PRÉMIO ATHOS LAZZARI, da Citta di Cattolica, ao livro de poesia de Adão Cruz ENTRE AS MÃOS E O SONHO

prémio1 (2).jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 23:01

Terça-feira, 16.05.23

Le Temps des Cerises

ao cair da tarde 5b.jpg

1684075622431.jpg

(Adão no Paraíso)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:43

Segunda-feira, 01.05.23

Primeiro de Maio - Adão Cruz

a cor do sonho1.jpg

 

Adão Cruz  Primeiro de Maio

silvia molinari, aguarela4a.jpg

(Silvia Molinari)

 

Primeiro e único
Verdadeiro
Maio acordado
Maio maduro
Penoso
Duro
Nunca vergado.
Floresta de braços e abraços
Festa dor do Maio primeiro
Carne e alma
Seio fecundo
Onde corre o leite
Que alimenta o mundo.
Ir e voltar
Voltar a ir e a vir
Entre a dor e a alegria
Penoso caminho da vida inteira
Para prender um braço de sol
Entre a noite e o dia.
Mãos crispadas
Calejadas
Calor que os filhos aquece
Na esperança de outros sóis
Calar da fome que os adormece
Entre o antes e o depois
Da luta que não esmorece.
Maio de medos e canções
Maio de sempre
Maduro Maio
No fundo dos corações
Terra e vida
Vida dos que amam a terra
Antes morta que vencida.
Na palma da mão
Aberta e solidária
Festa da alegria
Maio dor e lágrimas
Renascido Maio
Nunca Maio da agonia.
Sol inteiro roubado
Sol do acordar de Maio
Vermelho e quente
Sol que é de todos
Maio de sol nascente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 23:12

Quarta-feira, 26.04.23

FEIRA INTERNACIONAL DO LIVRO DE TURIM 2023

a noite fez-se para amar 1a.jpg

 

Os livros de Adão Cruz , Contos do Ser e Não Ser e Entre as Mãos e o Sonho
vão estar na FEIRA INTERNACIONAL DO LIVRO DE TURIM 2023 que se realiza de 18 a 23 de Maio

entre as mãos e o sonho (2).png

contos do ser e não ser, adão cruz.webp



feira do livro de Turim.webp


Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 21:55

Quarta-feira, 26.04.23

FEIRA INTERNACIONAL DO LIVRO DE TURIM 2023

feira do livro de Turim.webp

Os livros de Adão Cruz , "Contos do Ser e Não Ser" e "Entre as Mãos e o Sonho"
vão estar na FEIRA INTERNACIONAL DO LIVRO DE TURIM 2023 que se realiza de 18 a 23 de Maio
 

contos do ser e não ser, adão cruz.webp

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 21:41

Terça-feira, 28.03.23

Reflexão sobre as palavras - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

Adão Cruz  Reflexão sobre as palavras

 

vale de cambra 9 de julho de 2018 (2).jpg

 

   Tenho muito respeito pelas palavras e pela verdade nuclear que as constitui. Tenho muito medo de poder esvaziá-las ou atraiçoá-las.
As palavras, elas mesmas, têm necessidade de serem ditas por inteiro, de outra forma não passam de palavras mudas, e eu tenho necessidade de as saber dizer, senão não passo de mero dizente. Por outro lado, se as palavras têm um sentido para aquele que as diz ou escreve, podem não o ter, ou ter um sentido diferente para aquele que as ouve ou as lê. O conceito de sentido é fundamental na comunicação. E o sentido está dentro de cada um de nós e resulta da forma como respondemos interiormente às nossas experiências, que não é a mesma de cada um daqueles que nos lêem ou nos ouvem. O sentido é fruto de um processo complexo em constante movimento, e ao transmiti-lo, nunca devemos esperar uma colagem pura e simples, que de nada serve, mas sim a procura de uma integração consciente nos mecanismos construtivistas do sentido dos outros.
Vem isto a propósito de um artigo em que falei das duas naturezas do ser humano, a natureza antropológica e antropocêntrica e a natureza centrífuga da sua dimensão universal, as quais, na realidade, são apenas uma.
O hipotético Big-Bang, inimaginável explosão do pequeno desequilíbrio entre a matéria e a antimatéria, fez com que o Universo entrasse em expansão arrastando com ele esta risível partícula de poeira chamada Terra e este micróbio chamado Homem. No confronto entre a resistência da condição humana e o movimento de fuga para fora dessa condição, tendente a dilatar o homem no infinito, residiria, a meu ver, a mente, ou interface onde a verdadeira vida se processa.
Não querendo abusar das palavras, mas valendo-me delas com o máximo respeito que merecem, eu diria que, sem perder a sua dimensão universal, o Homem, dentro da sua natureza terrena, pode desenvolver uma luta racional e científica que o projecte para fora da sua pequenez, guiado pelo amadurecimento de uma consciência social que o ajude a combater a indignidade e a perversão, os grandes males do mundo. Apesar de não ser o centro de nada, ele detém a força do equilíbrio ou do desequilíbrio da humanidade. E tem um enorme potencial de conhecimento acumulado, que pode permitir alcançar o equilíbrio ou aprofundar o desequilíbrio entre os homens. O Homem é um ser vivo com actividade própria em permanente interacção adaptativa com o meio. Possui uma força intelectiva e emocional, que o torna capaz de entender as realidades e transformá-las, transformando-se, ele próprio, dentro da sua sensibilidade intrínseca. Assim como o seu fenótipo e o seu saber resultam de uma interacção, de uma evolução e de um diálogo permanente entre o genótipo, o meio ambiente e a admirável neuroplasticidade cerebral, ele, ontologicamente parte integrante do Universo, não pode fugir a esta sua dimensão. Por isso o homem não é um simples quantitativo nem uma estática soma, antes se constitui por um infindável crescendo de saltos qualitativos que o levam a reconhecer que o todo é sempre muito maior do que as partes, tanto no que se refere às relações com ele próprio e com os outros, como no que diz respeito à consciência da sua relação com o infinito.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:00

Sábado, 25.03.23

Reflexão sobre Ética - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Reflexão sobre Ética

 

16601915_1575788135769553_4513441033461809927_o (2

 

   Para mim é muito difícil dizer o que é a Ética, até porque não sou, propriamente, uma pessoa sabedora nestas áreas. No entanto, a vida sempre me deu a entender que a Ética poderá ser a mais bela construção do ser humano. A Ética deve ser, penso eu, a vivência da verdade, o lugar certo do Homem dentro de si mesmo, o fio-de-prumo do Homem no interior da sua cumplicidade. A ética compreende a disposição do Homem na vida, interfere com o seu carácter, os seus costumes, a sua moral, ao fim e ao cabo com o seu modo e a sua forma de vida. O Homem faz-se por si e pelos outros, sendo que a ética é a autenticidade e a dignidade deste fazer-se. A construção da ética assenta, a meu ver, em quatro pilares fundamentais.
O primeiro pilar da verdadeira morada do Homem seria constituído pelo pensamento e pela sua inseparável companheira, a razão. A Ética será uma consequência da razão. Podemos dizer que as plataformas que permitem a elaboração de um pensamento ético são a liberdade e a responsabilidade. A capacidade do Homem de se autodeterminar e assumir a direcção da sua vida determina-o como homem livre e, por conseguinte, a caminho do sujeito ético. E um sujeito ético é, fundamentalmente, um sujeito que procura a verdade. O referente da liberdade humana é a procura da verdade, porque a verdade orienta a liberdade e encaminha-a para a sua plenitude. O pensamento é o suporte mais poderoso e a mais forte armadura do Homem, a mágica força da sua criatividade. Sem pensamento e sem razão a mente humana não passa de um céu brumoso, sem ponta de sol. Por isso o pensamento e a razão têm tantos inimigos!
O segundo princípio ou pilar fundamental decorre do primeiro e chama-se cultura. Não sei verdadeiramente o que é a cultura. E cada vez sei menos, neste pequeno país e neste pequeno planeta feito de inúmeros serventuários medíocres, de arrogante postura, incriativos plagiadores de todos os lugares-comuns inseridos nas políticas de retrocesso. Sei, no entanto, que não é a cultura-espectáculo, a cultura enlatada dos cabotinos, a pseudocultura massificada que só gera vícios consumistas, impedindo o homem de pensar, reflectir e encontrar, mas a cultura do dia-a-dia, a cultura estruturante da pessoa, a cultura do percurso, a cultura dialógica que está na base da racionalidade crítica, orientada para a procura do significado da realidade humana.
O terceiro princípio seria o respeito pelos outros. Todavia, o respeito pelos outros nunca existirá se não houver respeito por nós próprios. O respeito pelos outros é o espelho do respeito por nós próprios.
O quarto pilar desta edificação ética do Homem seria a justiça e a solidariedade. O primeiro passo da solidariedade estaria no entender da justiça social e no seu consciente reconhecimento como prioridade das prioridades. O segundo passo seria a consciência de que viver dos outros implica sempre viver com os outros e para os outros. Precisamente o contrário daqueles que aceitam o individualismo e o hedonismo como fatal decorrência da onda desumanizante. Penso que o Homem é um ser para o encontro, encontro consigo mesmo, com os outros, com o mundo e com o transcendente, ao qual deverá dedicar a sua razão e a sua consciência, dentro da vital necessidade da procura da verdade.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:57

Terça-feira, 21.03.23

PREMIO SPECIALE POESIA ATHOS LAZZARI para ENTRE AS MÃOS E O SONHO, de Adão Cruz

a cor do sonho1.jpg

PREMIO SPECIALE POESIA ATHOS LAZZARI para ENTRE AS MÃOS E O SONHO, de Adão Cruz

prémio.png

 

   Neste DIA MUNDIAL DA POESIA chega a notícia de que o livro de poemas de Adão Cruz, ENTRE AS MÃOS E O SONHO, recebeu, conjuntamente com os autores de outros dois livros, o PREMIO SPECIALE POESIA ATHOS LAZZARI. Este prémio está integrado num evento intitulado PREMIO LITTERARIO INTERNAZIONALE CITTA’ DI CATTOLICA (uma cidade italiana na costa do Adriático) que atribui vários outros prémios.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:49

Terça-feira, 24.01.23

A ponte - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  A ponte

CL24a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

   O Homem é um ser uno e indivisível, muito complexo. Ele é, no entanto, composto por uma infinidade de subunidades, todas elas intimamente ligadas entre si. A mais importante de todas, se assim podemos dizer, a unidade soberana, é o cérebro. Este órgão, bem guardado numa caixa óssea, feita da substância mais dura do corpo humano, é constituído por cerca de cem biliões de neurónios em permanente actividade, através dos quais se processam em cada momento, provavelmente, triliões de neuro-transmissões. O nosso esquema cerebral é idêntico em todos nós mas o conteúdo de cada cérebro é totalmente diferente.
A Humanidade não é um mero conjunto de homens e mulheres. A Humanidade é uma profunda e intrincada rede de relações, de relações humanas muito complexas. O cérebro de cada um de nós, apesar de encerrado num compartimento estanque, não se encontra isolado. Relaciona-se, permanentemente e mais ou menos intimamente, com todos os outros, e todos os outros se relacionam com ele de forma mais ou menos profunda, através dos múltiplos canais de comunicação que vão desde a linguagem, falada, escrita ou gestual, à mímica, à postura, às atitudes, aos comportamentos, não falando já de outras formas de comunicação menos conhecidas, que estão na base da investigação de hipotéticas concepções, como a existência de campos ou configurações electromagnéticas extra-cerebrais. Todo o homem se relaciona mais ou menos activamente com os inúmeros fenómenos que o rodeiam e com tudo o que vê e não vê, com tudo o que entende e não entende. O diálogo do Homem com o homem e do Homem com o mundo no seio da natureza e da Humanidade é permanente, profundo e inevitável. Assim vai ele construindo, dia após dia, o seu emaranhado mundo relacional, o seu autêntico microcosmos regido por todas as inimagináveis forças da sua microgaláxia.
Deixo um pouco de lado este homem-relação e vou imaginar que um qualquer de nós, encontrando-se num qualquer ponto do macrocosmos, no seio do Universo, a milhões de anos-luz de distância, resolve vir por aí abaixo (ou por aí acima!) dar um passeio. Vai-se aproximando, aproximando, passa por triliões de estrelas e por outros tantos triliões de outros corpos celestes, e ao fim de biliões de quilómetros encontra uma pequenina bola de berlinde a que chamam Terra. Pára um pouco para pensar e chega à conclusão de que a Terra, afinal, é um pequeníssimo e quase desprezível grão de areia no meio do Universo, sem qualquer valor ou significado. Continua a viagem, aproxima-se, aproxima-se um pouco mais, e repara que sobre essa bolinha chamada Terra se mexe uma multidão de pequenos bichinhos chamados homens. Pára novamente para pensar e definitivamente se convence de que o Homem, afinal, não é, rigorosamente, o centro de nada. Vai-se aproximando, aproximando ainda mais até penetrar dentro do próprio Homem, onde depara com o tal microcosmos que deixei atrás, na minha descrição. Conclui, então, pelo que lhe parece, que o Homem vive entre duas poderosas forças. Uma força antropocêntrica, que o atrai e o arrasta para a sua natureza, para a sua condição humana e para a sua esfera relacional, da qual não pode, de forma alguma, libertar-se, e uma outra força de sentido oposto e centrífugo dentro da permanente expansão do Universo, que tende a projectá-lo em cada momento na dimensão universal a que pertence. Nesta zona de divergência, nesta interface, na fronteira entre estas duas poderosas forças, reside, a meu ver, a verdadeira vida, a vida que procura fugir e transitar da sua natureza palpavelmente biológica, para um estádio que, sem deixar de ser material e biológico, cada vez mais se integra na natureza cósmica da sua origem-destino. Nesta zona de divergência, nesta poderosa interface reside, em minha opinião, a mente, a verdadeira ponte entre as duas naturezas, que o são apenas na aparência. E quem diz a mente diz o desenvolvimento mental, quem diz o desenvolvimento mental diz o desenvolvimento cultural, e quem diz o desenvolvimento cultural diz o desenvolvimento da expressão artística, talvez o maior vector humano nesta força de projecção universal. Toda a natureza humana muda e altera em cada momento as relações do seu microcosmos, podendo fazê-lo de forma negativa ou positiva, isto é, cortando ou abrindo as asas da mente. Só as alterações e mudanças que levam ao saldo positivo da mente permitem o salto positivo da mente, a travessia desta ponte, para além da qual se dá a verdadeira evolução do Homem, a que conduz ao equilíbrio da sua concomitante expansão como ser do Mundo e do Universo e à preservação da harmonia cósmica da nossa existência.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 13:24



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • SOL da Esteva

    Magnífica verdade,"[...] que viver dos outros impl...

  • Inês

    Obrigada! Texto maravilhoso a ler e reler! Desde p...

  • lucindaduarte

    Muito interessante este texto do Raul Brandão. Que...

  • Augusta Clara

    Desculpe, mas isto é demasiado grande para ser o c...

  • frar

    ESTÃO REALMENTE INTERESSADOS EM PAZ?!?!?-1- CONDEN...


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos