Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias



Sexta-feira, 29.06.18

Adão Cruz, 2014

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz

 

IMG_5859a.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:16

Sexta-feira, 29.06.18

Adão Cruz, 2013

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz

 

IMG_5858a.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 13:59

Sexta-feira, 29.06.18

Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz

 

IMG_5860a.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 13:48

Sexta-feira, 22.06.18

Quando levas um seio ao vento - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Quando levas um seio ao vento

!cid_000701cbc25f$a2beb540$0201a8c0@35fbece8256d47

 

(Adão Cruz)

 

Quando levas um seio ao vento
e me dás a beber campos e cidades
glorifico a pouca luz que ainda me resta.

Se os lobos se atravessam no caminho para a tua cabana
o vento ergue-me nos ares
e o coração aprende a não ter medo de cair.

Descobridor de sonhos
de amanhãs que riem
e de estuários...
continuo a pintar o vento ainda que nele te vás.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00

Segunda-feira, 18.06.18

Canções antigas - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Canções antigas

021-(100x80)---2010a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

Na recordação das canções antigas
veste-se meu coração
das verdes folhas do desejo
e entoa na fragrância dos campos
a melodia dos olhos pendurados na profundidade do céu.

Na sombra da figueira diz-me adeus o sol
em acenos de azul e violeta
por entre os ramos e os sons de uma flauta de lábios doces
que por ali poisou entre sonhos infinitos do lusco-fusco.

As primeiras chuvas do verão humedecem como lágrimas
as palavras ditas e não ditas
no silêncio dos caminhos perfumados
de terra e folhas molhadas.

E nada se reconhece na lembrança muda das tardes
que para sempre morreram
mas os passos ecoam em silêncio
por entre os pés das oliveiras
onde outrora floriram mil risos de criança.

Que fez de mim este crepúsculo azul
como flecha espetada no vento
ferindo de morte toda a vida de meu sonho-menino.

Onde está a pedra que se fez montanha
o regato que se fez rio
a tripla chama infinita da vida luz e verdade
que se apagou na alma nua
quando sagradas selvas
e misteriosas crenças de punhal à cinta
quiseram que fosse santa.

Meu coração peregrino de seu perdido tesouro
entre o sol e as desgarradas nuvens de infinitos céus
ainda hoje se arrasta entre a razão e o abismo
em pálido reflexo de ouro para ser criança na hora de partir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 13:32

Domingo, 17.06.18

Um dia me darei conta - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Um dia me darei conta

93a.jpg

(Adão Cruz)

 

Um dia me darei conta do teu corpo infindável
Um dia sorridente me sentirei infinito
nunca esgotado o desejo que nos abraça e nos atormenta
à distância dos sentidos sempre fugazes
sempre perdidos no corpo finito.

Um dia me darei conta
do tempo que não se perde para lá das formas
do tempo em que não murcham
os rebentos cálidos da minha carne
e o sangue não perde o fulgor
das cores abertas ao sol.

Um dia me darei conta
e nesse dia gostaria de partir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00

Sábado, 16.06.18

Botão-flor da primeira folha verde - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Botão-flor da primeira folha verde

009-2013a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

Há uma mulher de alvor azul
com um fio de azeite nos lábios finos
e uma gota de água no canto dos olhos secos.
Os lábios foram carnudos e vermelhos de sangue
e os olhos eram verdes como o sol
quando o sol era verde.
Tem o rosto sumido na sombra
descaída ao longo dos braços
como vela despregada de navegar.
Outrora
o mar encapelado brilhava nos seus olhos
cobrindo de espuma branca as alamedas do desejo.
Havia uma cidade entre os lábios
envolta em lagos de montanha
com peixes verdes voando entre os pinheiros.
Não havia pombas brancas
caídas no chão da cidade morta.
Nas ruínas da ilusão
um edifício muito alto se erguia
nas paredes do deserto
e rompia o céu de nuvens negras.
No vão da noite que acolhe os sonhos
o botão-flor da primeira folha verde
inverteu a vida entre o real e o imaginário
nas dobras do tempo em universal dilema.
Há uma mulher de alvor azul
com um fio de azeite nos lábios roxos
e uma gota de água gelada no canto dos olhos
mas cedo se fez tarde a madrugada
sem tempo para morrer
na vida de um poema.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00

Sexta-feira, 15.06.18

Ao redor do nevoeiro - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Ao redor do nevoeiro

 

013-2013a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

Hoje sou eu que vou ao teu encontro
por dentro deste nevoeiro denso que tudo esconde.
Mas não sei onde estás
nem sinto os teus cabelos de incenso.
Sei que moras para lá do tempo
entre dálias e gerânios
entre memórias e sonhos de um segredo.
Mas o coração diz-me para seguir em frente e não ter medo.
Sem saber ao certo quem sou
levo comigo a razão
único caminho que rasga o nevoeiro e rompe as algemas
e me deixa ver a luminosa transparência do teu corpo
para lá das algas e dos peixes verdes dos poemas.
Tu estás do outro lado de um beijo
e eu quero abraçar-te pela cintura
neste apagado incêndio dos sentidos
ainda que seja demasiado tarde
para a verde ternura de um desejo.
Hoje sou eu que vou ao teu encontro
em meu corpo de terra antiga que já não seduz.
Vou dar um passo em falso
para lá dos olhos sem luz
assim o decidi ao ver-te perdida
na altura em que o nevoeiro sem sentido
caía pesadamente sobre a rua.
Mas não eras tu…
era uma chama de lábios e lume
ardendo em estranho leito nupcial
de um qualquer tempo já perdido.
Foi então
que no ventre do nevoeiro
inventei a noite entre lençóis de neve
mordidos de uma luz oblíqua que não era minha nem tua
e se perdia na pele branca
de um qualquer corpo que eu não sentia.
Era como se um rio cantasse
entre a lua e as águas e o nada…
e fosse demasiado tarde
para ser música no violino da madrugada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00

Quinta-feira, 14.06.18

Ao fim da tarde - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Ao fim da tarde

!cid_001001cbc25c$2a40f130$0201a8c0@35fbece8256d47

 

(Adão Cruz)

 

Ainda é dia ao fim da tarde
ainda há uma réstia de sol no horizonte.
Entre o fim do dia e a morte
ainda há uma ponte onde mora o frio
e onde o coração bate
ao som das luminosas águas de um rio.

Não te posso responder a quente senão choro…
o que há muito não acontece.
À margem da realidade
na magia de um sonho impossível que esmorece
nada mais consigo do que estender meu braço
e tocar os dedos da tua mão firme.
Mas tudo muda e resplandece
e se acende dentro de mim
no frágil redemoinho das palavras que disseste
e só a alma entende.
A música sorridente do teu rosto
canta bem fundo na alma nua da utopia
que ilumina a ponte da tristeza e da agonia.
Não saias dos meus olhos
e deixa-te estar um pouco mais
sobre esta ponte do fim da tarde em que ainda é dia
e há uma réstia de sol no horizonte
deliciosa mentira de uma primavera tardia
no castelo sideral da fantasia
onde hoje habito entre os teus olhos e o infinito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00

Quarta-feira, 13.06.18

Há-de flutuar uma cidade - Al Berto

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Al Berto  Há-de flutuar uma cidade

al berto1.jpg

 

há-de flutuar uma cidade no crepúsculo da vida
pensava eu... como seriam felizes as mulheres
à beira mar debruçadas para a luz caiada
remendando o pano das velas espiando o mar
e a longitude do amor embarcado

por vezes
uma gaivota pousava nas águas
outras era o sol que cegava
e um dardo de sangue alastrava pelo linho da noite
os dias lentíssimos... sem ninguém

e nunca me disseram o nome daquele oceano
esperei sentada à porta... dantes escrevia cartas
punha-me a olhar a risca de mar ao fundo da rua
assim envelheci... acreditando que algum homem ao passar
se espantasse com a minha solidão

(anos mais tarde, recordo agora, cresceu-me uma pérola no coração. mas estou só, muito só, não tenho a quem a deixar.)

um dia houve
que nunca mais avistei cidades crepusculares
e os barcos deixaram de fazer escala à minha porta
inclino-me de novo para o pano deste século
recomeço a bordar ou a dormir
tanto faz
sempre tive dúvidas que alguma vez me visite a felicidade.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 20:32

Pág. 1/2




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Bravo, plenamente de acordo!

  • Anónimo

    Eu agradeco-lhe a ideia de transcrever aqui este b...

  • Anónimo

    Obrigada pelo teu cometário, Eva. Estava a prepara...

  • Anónimo

    Esqueci-me de assinar.Eva Cruz

  • Anónimo

    É muito importante a tua reacção, também ela legit...


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos