Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias



Quinta-feira, 28.10.21

Homens entulho - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

Adão Cruz  Homens entulho

honens entulho0.jpg

homens entulho1a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

Para além de nós há o mundo
e sempre ignoramos o mundo
esquecemos as valas comuns que toquei ao de leve
muito ao de leve
não fosse os mortos magoar
nas margens verdes do Dniepre
regadas de lágrimas
onde cresceram flores sobre o chão de Babi-yar
umas de sal e água no mar quente de Bissau
bordando a lodo o cais de Pidjiguiti
outras de sangue esguichado
das cabeças à tona de água
em último respiro
outras de terra ensopada em rios de morte
no ventre de um Wiriyamu fuzilado
na penugem de Chinteya
nas balas de Vaina
no esventrar de Zostina
nos braços de um vulcão de raiva
em cada taça de vingança clandestina
que nem a morte amansa
nos túmulos da Palestina.
Sangue de Cristo
In Nomine Patris.
Mártires sem martirológio
corpos fecundos
erguei bem alto os ossos descarnados
que a morte é de acordar
e semear flores na aposta de outros mundos
erguei os rostos mirrados dos famintos da Terra
dos homens-entulho da grande vala comum
cavada no peito dos Humilhados e Ofendidos
pelos homens sem rosto
aberta no ventre dos Condenados da Terra
pelos homens sem alma.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 16:45

Terça-feira, 19.10.21

A Palavra - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

Adão Cruz  A Palavra

245366871_5005008786193568_6993276631187832227_n1.

 

(Adão Cruz)

Mal-aventurada palavra
bem-aventurada palavra
espectaculosa ou mal-entendida
repentina
abandonada
terrosa ou etérea.
Penoso viver do lado direito
com obtuso cérebro
que irradia uma luz cor-de-rosa
de banal bom-senso
ridícula
religiosa e fria
estranho conúbio de cálculo e histeria.
Do lado esquerdo
vestígios de terra seca
retocados de sol e água
húmida palavra
secreta transição
da estreiteza da vida
para a infinita margem do sonho.
(palavras tépidas
impuras
laterais
insalubres
umbrosas
sepulcrais).
(Monumentais
desdobráveis
descobríveis
maduras de oiro e trigo
e absurdo desejo da verdade do céu azul
e do imenso tossir
na poeira dos ideais insubmissos).
(Jactância lodosa
leitosa
cuspida em translúcidos horizontes
respirando asfixia
na secura de todas as fontes).
Dúctil criatura de aço e pés pequenos
e largo sonho de vibrações
das manhãs de rosto alvo
sem distâncias nem delírios.
Bem-aventurada palavra
(mal-aventurada palavra)
viva
(morta)
sensual
(fria)
erecta
(impotente)
ondeante
(informe)
famélica
(obesa)
...palavras frementes.
"Eu temo muito o mar
o mar enorme
solene
enraivecido
turbulento...”
Se minha amada um longo olhar me desse
de seus olhos que ferem como espadas
eu domaria o mar que se enfurece..."
com a força das palavras estranguladas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 16:48

Domingo, 17.10.21

Robert Burridge (EUA, Calfórnia, 2014)

robert burridge (EUA, california), 2014a.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 00:31

Quarta-feira, 13.10.21

Lágrima de Inverno - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

Adão Cruz  Lágrima de Inverno

árvores1.jpg

(Adão Cruz) 

Aquece-nos o sol de Inverno
nascido de um amor criança
de muitos invernos de pés frios.
Dia pequenino e preguiçoso
suspiro de angústia e carícia
nascido nas entranhas das raízes.
A noite acende a beleza nua
escurecem as pupilas
por entre os lábios do desejo
no olhar tépido da lua.
As mãos da solidão abrem a madrugada
as árvores celebram o nascer do dia
e na lareira adormecida
um ramo seco aquece o frio da manhã vazia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 16:07



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • lucindaduarte

    Muito interessante este texto do Raul Brandão. Que...

  • Augusta Clara

    Desculpe, mas isto é demasiado grande para ser o c...

  • frar

    ESTÃO REALMENTE INTERESSADOS EM PAZ?!?!?-1- CONDEN...

  • Maria Ramos

    A casa da Libaninha não seria a casa que o Zé Pire...

  • Anónimo

    Estou agora a estudar este poema e estou a a adora


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos