Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias



Sexta-feira, 08.04.22

Hiroshima - Adão Cruz

<ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Hiroshima

fogo.jpeg 

(Adão Cruz)
 
 
Nos limites da razão
onde os homens produzem monstros
todos nos sentimos escombros
do maior terrorismo da História humana.
Nasceu a manhã mais cruel da mais inocente madrugada
a manhã mais negra do que a noite do absurdo.
O inferno rasgou o sol e a lua
os rostos e os braços
arrancou as árvores
secou os rios e as fontes
enchendo a cidade de sangue e corpos em pedaços.
Um mar de gente… no corpo nu da solidão
gente só…no ventre da multidão
olhos vidrados de lágrimas e pânico
correndo… fugindo…
para onde… para o nada…
para o abismo da escuridão
sobre restos de sonhos e pedaços de vida
espalhados pelo chão
onde a dor fincou as garras
abafando os gritos em catedrais de cinzas.
O fim de tudo entrou pelas portas e janelas
e comeu tudo…
comeu as casas que caíram
as mãos que deixaram de brincar
comeu os olhos que deixaram de olhar
e as bocas que deixaram de respirar.
Tudo era dentro e tudo era fora
na amplidão do desespero
não havia mães nem filhos nas entranhas da aflição
não havia rumo nem caminho
no deserto infindo da maldição.
Tudo se fez pó
não ficou pedra sobre pedra
e nem pedras havia no chão
já o chão não era chão
mas o fundo abismo de uma cratera
onde tudo era estendal de morte
sem porta de entrada sem porta de saída
sem tempo sem norte sem vida
sem ruas sem movimento
sem fímbria de céu ou de mar.
O nada entrou no coração
que deixou de bater no peito de muitos mil
ao peso de cinquenta quilos de urânio
e toneladas de glória americana
erguendo até ao cume da barbárie
a bandeira mais cruel da natureza humana.
Uma fria luz de prata atravessou o mundo
perfurou a mente e as ideias
em seco lamento de gemido sem remédio
como latido de cão atirado ao vento.
E o mundo dormiu suavemente…
e ainda hoje não acordou.
Entre milhares de bombas e estrondosos hinos
o mundo de olhos cegos e ouvidos moucos
ainda dorme…
nada mais ouvindo que o silêncio dos assassinos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:07



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • lucindaduarte

    Muito interessante este texto do Raul Brandão. Que...

  • Augusta Clara

    Desculpe, mas isto é demasiado grande para ser o c...

  • frar

    ESTÃO REALMENTE INTERESSADOS EM PAZ?!?!?-1- CONDEN...

  • Maria Ramos

    A casa da Libaninha não seria a casa que o Zé Pire...

  • Anónimo

    Estou agora a estudar este poema e estou a a adora


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos