Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias



Sábado, 16.06.18

Botão-flor da primeira folha verde - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Botão-flor da primeira folha verde

009-2013a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

Há uma mulher de alvor azul
com um fio de azeite nos lábios finos
e uma gota de água no canto dos olhos secos.
Os lábios foram carnudos e vermelhos de sangue
e os olhos eram verdes como o sol
quando o sol era verde.
Tem o rosto sumido na sombra
descaída ao longo dos braços
como vela despregada de navegar.
Outrora
o mar encapelado brilhava nos seus olhos
cobrindo de espuma branca as alamedas do desejo.
Havia uma cidade entre os lábios
envolta em lagos de montanha
com peixes verdes voando entre os pinheiros.
Não havia pombas brancas
caídas no chão da cidade morta.
Nas ruínas da ilusão
um edifício muito alto se erguia
nas paredes do deserto
e rompia o céu de nuvens negras.
No vão da noite que acolhe os sonhos
o botão-flor da primeira folha verde
inverteu a vida entre o real e o imaginário
nas dobras do tempo em universal dilema.
Há uma mulher de alvor azul
com um fio de azeite nos lábios roxos
e uma gota de água gelada no canto dos olhos
mas cedo se fez tarde a madrugada
sem tempo para morrer
na vida de um poema.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Augusta Clara

    Mas a pintura é esta. Não percebo o seu comentário...

  • SOL da Esteva

    É pouco fazer-se referência ao Poema de excelência...

  • Anónimo

    Não conhecia e... gostei da descrição. Muito obrig...

  • Anónimo

    Também está na exposição

  • Anónimo

    Está na exposição


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos