Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jardim das Delícias



Quinta-feira, 14.05.15

O caminho - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  O caminho

 

VC 2014 L.jpg

 

(A autora fotografada pelo seu irmão Adão Cruz)

 

 

   Ervas rasteiras e espigadas, ladeadas de silvas e urtigas deixam descortinar o carreiro que foi caminho.

Algumas balcadas bem fundas, cavadas na terra pelas chuvas de muitos invernos, mantêm ainda o saibro luzidio, moldado pelas rodas dos carros de bois. Caminho esquecido que levava ao rio, à furna, à levada.

Os lameiros abandonados perderam a forma, cobertos de silvados a abraçar os combros e os choupos.

Não havia rasto de mão de lavrador ao redor, nem vestígio de passagem de gente.

A natureza inculta em toda a sua pujança e bravura.

À descoberta de lembranças e memórias de criança consegui chegar à fonte, que, ao fundo de umas roídas escaditas de pedra, cantarolava solitária no silêncio de todo o dia.

A água do tanque onde havia sempre lavadeiras estava coberta de limos e musgos verdes e vermelhos, acariciados por uma nuvem de insectos e borboletas. Ao lado redemoinhava o velho poço deixando ver os raizeiros grossos e negros.

Mais à frente, tentando abrir caminho por entre giestas e urzes começava o antigo carreiro que ia dar à ponte da Varziela.

Uma fraga enorme sempre a escorrer água teceu fantasias na cabeça das crianças durante gerações, ao criar um profundo eco do barulho do rio.

Era a pedra dos fantasmas.

Escutei uma vez mais esse misterioso cachoar nas entranhas daquela falésia, eco esquecido nas memórias perdidas no tempo e na natureza.

Não havia ainda calor bastante para despertar cobras e lagartos, pelo que me aventurei a caminhar até ao moinho.

Lá estavam, destelhadas e esboroadas, as casitas do moleiro, a levada solta a correr ao lado, as mós tombadas ao abandono e os troços de madeira da taramela e da moega.

O rio dava a volta às ruínas e continuava impante e indiferente, mais largo e mais fundo, o seu caminho para o lado do mar.

O caminho do rio é o mesmo.

O meu caminho, esse caminho da infância, foi desfeito pelo tempo.

Sem caminho, resta-me o caminho do rio.

O rio é tão meu como o caminho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00


1 comentário

De Augusta Clara a 14.05.2015 às 23:45

Os caminhos dos mistérios da infância que a Eva não esqueceu.

Comentar post




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Podem me fazer análise do poema? Yema etc

  • Anónimo

    LINDO!!!!

  • Anónimo

    Foi esquecimento a identificação do autor do texto...

  • Anónimo

    Uma beleza o texto, prosa poética com certeza. A E...

  • Augusta Clara

    Olha, Eva, não tinha visto a tua resposta e vim pr...


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos