Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jardim das Delícias



Sábado, 10.02.18

O meu gesto das coisas simples - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  O meu gesto das coisas simples

image004a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

Fui à caixa dos gestos e baralhei-os todos, cheio de raiva por não encontrar o meu gesto das coisas simples.

Há muitos anos que o perdi e nunca mais consegui encontrá-lo.

Esperemos mais um par de noites, pois os sonhos, às vezes, trazem-nos aquilo que julgamos perdido para sempre.

Os sonhos adormecem, muitas vezes, no regaço da realidade, e outras vezes a realidade esconde-se no meio dos sonhos.

Onde estará o meu gesto das coisas simples?

Ora bem, talvez o gesto das coisas simples ande por aí perdido nalgum sonho.

 

Foi numa noite de tempestade.

Um refulgente relâmpago estralejou lá fora e faíscas de luz incendiaram as frinchas da janela.

Um ribombante trovão abanou o quarto e o sonho foi-se.

Os sonhos não gostam de tempestades nem do abuso das realidades.

Acendi a luz e vi no tapete o meu gesto das coisas simples.

Peguei-lhe com toda a ternura e pareceu-me que ele queria aninhar-se entre os meus dedos.

Confesso, dei-lhe um beijinho.

 

Fui ao monte das recordações.

O meu gesto das coisas simples espremeu uma lágrima quando lhe mostrei as coisas esquecidas, abandonadas, desde os tempos em que nós os dois éramos apenas simples.

O entrosamento das palavras e das imagens das coisas simples teciam uma espécie de fábula que deliciava a nossa inocência.

Às curvas do tempo não é fácil reter as coisas simples, e, como o amor, as coisas simples vão perdendo os seus lugares nas curvas do tempo.

O meu gesto das coisas simples parecia tremer de desânimo e fadiga, confundindo ingénuos impulsos com efemérides de granito e rumores de árvores dos dias felizes.

O meu gesto das coisas simples estava com medo.

Mas a nossa grande afeição há-de ser a aliança renascida entre a poesia e o gesto das coisas simples.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:30


1 comentário

De Joao Soares a 06.03.2018 às 22:45

Surpreendente! Gostei imenso.

Comentar post




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Comentários recentes

  • Anónimo

    A pérfida Albion, depois de ter sido a maior usurp...

  • Augusta Clara

    Por favor, assinem os comentários. Não há nada mai...

  • Anónimo

    quando o próximo livro?

  • Anónimo

    "há muito que não saía à rua..." e não via os movi...

  • Anónimo

    Um bom poema desanimado tem um destino, talvez pro...


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos