Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jardim das Delícias



Quarta-feira, 11.11.20

O relógio e o chá - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  O relógio e o chá

a. still1.jpg

(A. Still)

   Quando poiso os olhos naquele mostrador muito branco com algarismos muito negros é como se abrisse a cortina de um palco e a memória reencarnasse real e viva num horizonte de luz crepuscular sem princípio nem fim. Sempre mexeu comigo aquele relógio preto pendurado na parede da sala grande. Talvez por me fazer pensar que o tempo não pára. Recordo o meu pai a acertá-lo à noite antes de se deitar, ouço o rodar rezingão do torniquete a dar corda, o ranger leve dos ponteiros e o bater das horas a cada hora. E Invade-me nessa altura uma espécie de saudade sonâmbula, embalada pelo tic-tac do relógio que me leva a qualquer recanto da minha infância.
Esta tarde estou só. A minha única companhia é a lareira que acendi este ano pela primeira vez. A chama das vides é mais brilhante e parece conversar comigo. Em cima da mesa antiga, a toalhinha de linho muito lavada e bem passada a ferro. Do velho bule de porcelana vermelha acastanhada solta-se um cheirinho a saudade e a limonete. Lá fora, cai uma chuva miudinha em fios tão finos que lembram uma cortina de renda. Os ténues raios de sol parecem brincar às escondidas com a chuva, e ao longe um arco-íris atravessa a serra de lés-a-lés. A chover e a dar sol na cabeça do rouxinol.
E, com isto, se aconchegou a hora do chá. A hora do chá foi sempre, para mim, sagrada. Mais do que uma pausa, é um ritual. Desde pequenina que gosto de chá. Detestava leite, e minha mãe via-se aflita para o substituir por outra bebida. Fazia-me banacau (farinha feita à base de banana e cacau), cacau com limão e canela, cevada fervida à lareira numa infusa de barro, com tempo de espera para a mistura assentar. Mas a única bebida de que muito gostava era o chá. Naquele tempo, chá de hortelã ou cidreira, ervas secas ou verdes, colhidas de madrugada antes das orvalhadas, ou até de cascas secas de cebola. De manhã, acompanhava o chá um pãozito com manteiga feita em casa, batida num cântaro de barro e depois guardada em papel vegetal. Comia pouco, era muito biqueira, como diziam na aldeia. Por isso, ia trincando o pão ao longo do carreiro da escola que atravessava o mato, mais directo e menos perigoso, acompanhada da minha gata com quem repartia o pão aos bocadinhos. À tarde voltava ao meu chá.
Tenho uma variedade enorme de chás em caixas ou latinhas, desde os verdadeiros chás pretos, blended or not, infusões e tisanas. Os meus preferidos são o Earl grey, o chá de limonete e o de erva de príncipe. Ainda hoje me dá um prazer enorme prepará-lo com toda a beleza e requinte que ele merece. Basta-me, porém, tomá-lo com pão e manteiga, mel e compota, para ser um manjar. E se for com as amigas, muito maior é o prazer. Mas hoje estou só. Lá fora deixou de chover e a noite começou a cair. Dentro de mim e à minha volta, só silêncio e solidão. Apenas o crepitar da fogueira e o tic-tac do velho relógio preto na parede, a iludir-me, dizendo que o tempo não passou e parou na minha infância.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 16:29


6 comentários

De Anónimo a 13.11.2020 às 11:45

Ao ler este texto estou também na sala da casa das Figueiras e tomo chá contigo como tantas vezes fiz.
Prefiro o chá de limonete que tão bem sabes fazer. Tem sempre outro sabor!
Durante anos preferi o EARL GREY - que a minha Mãe adorava! Com a idade, comecei a escolher outros... menos chás e mais infusões.
Também adoro chá mas nas tardes de Inverno uma torrada com leite e chocolate quente ... é tão bom! E que saudades dos nossos lanches, da lareira acesa ou do caramanchão virado para o vale.
Será que voltaremos a passar tardes como aquelas?!?!

De Anónimo a 13.11.2020 às 13:34

Não sei de quem é este comentário. É de certeza de uma amiga. Espero e desejo muito que nos voltemos a encontrar lá. O chá ainda vai saber muito melhor! Beijinhos .
Eva

De Augusta Clara a 13.11.2020 às 14:19

Pode fazer o favor de indicar o seu nome uma vez que o sistema, agora, não faz a identificação automática?

De Augusta Clara a 13.11.2020 às 14:24

Olha, Eva, não tinha visto a tua resposta e vim precisamente pedir a identificação dessa pessoa. Não sei o que se passa para umas pessoas conseguirem fazê-lo e outras não. Estes sistemas em vez de tornarem mais "user friendly" estão a ficar o contrário.

De Anónimo a 21.11.2020 às 19:10

Uma beleza o texto, prosa poética com certeza. A Eva Cruz encanta com a sua maneira de escrever sobre aspectos da vida, a sua vida, mas que não posso deixar de entrar. Não tenho por hábito beber chá. Um grande abraço.

De Anónimo a 21.11.2020 às 19:12

Foi esquecimento a identificação do autor do texto que escrevi. Outro abraço do Emerenciano.

Comentar post




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Que texto tão bonito e quantas saudades me trouxe!...

  • Anónimo

    Sim, minha querida amiga, muitas são as recordaçõe...

  • Anónimo

    O vento trouxe , nas tuas palavras, um monte de sa...

  • Anónimo

    Caro Adão:..."Canta, canta, amigo canta!Vem cantar...

  • Anónimo

    Gostei, parabéns aos dois!👌


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos