Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias


Terça-feira, 28.04.15

FADO PESSOANO - Rui Veloso

a noite fez-se para amar 1a.jpg

 

Rui Veloso  FADO PESSOANO

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 21:00

Sábado, 25.04.15

Zeca Afonso ao vivo no Coliseu (1983) - completo

25abril.jpg

 

Zeca Afonso ao vivo no Coliseu (1983)

(Nunca esquecerei este espectáculo, o último do Zeca)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 21:00

Sábado, 25.04.15

SÃO AS PESSOAS, ESTÚPIDOS! - José Goulão

25abril.jpg

 

José Goulão  SÃO AS PESSOAS, ESTÚPIDOS!

 

25 abril15.jpg

 

(Foto de Alfredo Cunha)

 

 

 

   Mundo Cão, 25 de Abril de 2015

 

   “É a economia, estúpido!”, garantiram um dia a Bill Clinton como recomendação infalível para se tornar um perfeito chefe do império, qual ovo de Colombo empinado com maestria sobre a secretária da sala oval. Ele tirou-se dos seus pecadilhos democráticos e percebeu a recomendação, pouco depois estava a bombardear escolas no Afeganistão, laboratórios de produtos farmacêuticos no Sudão e a verdade é que, com ele, o neoliberalismo campeão ganhou novo alento universal, quase fazendo esquecer as sagas pioneiras de Reagan, Thatcher e do patriarca da família Bush.

“É a economia, estúpidos!”, cacarejam ainda hoje as aves de arribação afinadas pelos maestros do arco da governação, vulgo arco da exploração, largando os seus ovos de Colombo saltitando de poleiro em poleiro, de coluna impressa para microfone de rádio, daí para uma televisão, e outra, e outra, numa vertigem maluca. Graças a elas hoje sabemos quanto a economia vai crescer enquanto se apaga, se o mercado está ou não suficientemente flexibilizado, se o emprego desceu zero vírgula qualquer coisa por cento ao contrário do que diz a malandragem da oposição ao assegurar que continua a crescer, que a nossa dívida vai baixar porque tudo o que sobe descerá um dia, não se sabe é quando. Graças a elas discute-se em economês nos cafés nos intervalos dos gozos e arrelias da bola, arenga-se em economês nos jantares de família, no meio dos lamentos sobre os achaques, as peripécias da novela e as indiscrições sobre os próximos divórcios, sentencia-se em economês nos supermercados, nos transportes públicos, os taxistas metem conversa com os passageiros no seu mais vernáculo economês. Em suma, abreviando, aprendemos economês, deixámos de ser estúpidos, graças a Deus… Graças a Deus não, graças ao omnipresente arco da governação, vulgo arco da austeridade, e suas aves de arribação poedeiras.

Foi nisto que se transformou o 25 de Abril, nascido há 41 anos para cuidar das pessoas depois de quase cinco décadas em que o país tratou de meia dúzia de famílias. Hoje o país trata da economia, as pessoas podem continuar a esperar. Os senadores do arco da governação, vulgo arco da trapaça, e respectivos herdeiros começaram por engavetar o socialismo, depois engavetaram o espírito de Abril, a seguir, de passinho insidioso em passinho insidioso, foram engavetando a democracia reduzindo-a a um reles cavaco, a um coelho tinhoso; e não tarda, se os ventos da Ucrânia e vizinhanças continuarem a soprar como sopram, estarão a engavetar pessoas por atacado. Não ouvimos nós uma senhora eurodeputada tão da esquerda que só visto, que até sabia dos aviões da CIA e coisas assim, dizer que esteve em Kiev nestes dias negros para a Europa e garantir que aquilo na Praça Maidan é democrático a valer? Não foi o seu novo chefe quem entregou a algumas eminências domésticas do ultraliberalismo, Centenos & companhia, a produção do programa eleitoral do seu partido, provavelmente porque os militantes e quadros ainda não falam o economês com a necessária fluência?

A verdade é que o arco da governação, vulgo arco da censura, não encontrou melhor maneira de celebrar o aniversário do 25 de Abril do que apresentar um projecto de “regulamentação prévia” da próxima campanha eleitoral que tresanda a lei da rolha, pelos vistos achando que a censura em curso, praticada em economês, ainda não é suficiente.

O 25 de Abril está assim, 41 anos depois. Mas por ter havido 25 de Abril aprendemos que uma coisa, mesmo parecendo invencível, felizmente é derrotável.

Um bom princípio será demonstrar que o tal ovo de Colombo apresentado a Clinton ainda na pré-história da ditadura do mercado, e tão do agrado das domésticas aves de arribação poedeiras, era podre de nascença.

É altura de restaurar o que o 25 de Abril prometeu ao país: “são as pessoas, estúpidos!”

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 20:00

Sábado, 25.04.15

QUALQUER DIA - Zeca Afonso

25abril.jpg

 

Zeca Afonso  QUALQUER DIA

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:00

Sábado, 25.04.15

25 DE ABRIL - Adão Cruz

25abril.jpg

 

Adão Cruz  25 DE ABRIL

 

 

carlos gil4.png

 

 

(Foto de Carlos Gil)

 

 

 

Um cravo vermelho e luminoso

Um cristal de vida no céu de chumbo

Cada dia um mundo limpo e perfumado

cravo vermelho.bmp

 

Graças a ti flor da minha idade

Graças a ti caminho da esperança às portas da cidade

Todo o mel e todos os frutos ali à mão

Graças a ti cravo vermelho que venceste a solidão

Veio o tempo ao nosso encontro

E a manhã despertou agitando as árvores

E a noite se fez de estrelas

Que desceram aos cantos do jardim

Um cravo vermelho e quente

Mais que tudo amando a vida

 

Em qualquer língua entendida

O mundo tinha o sabor de uma maçã

E os olhos inacabados eram cravos vermelhos

Não havia cárceres nem torturas

Apenas o calor de uma fogueira

Na praça do entusiasmo

E uma jovem mulher dormindo um sono de criança

Nos telhados da revolução

O seu rosto era uma nuvem

Dourada pelo sol e pela lua

Os cabelos trigueiros uma seara

Nos lábios a canção de Abril

Que gloriosa encheu a rua.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:00

Sábado, 25.04.15

QUEDA DO IMPÉRIO - Vitorino

25abril.jpg

 

Vitorino  QUEDA DO IMPÉRIO

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:00

Sábado, 25.04.15

"O dia dos prodígios" - Lídia Jorge

25abril.jpg

 

Lídia Jorge  "O dia dos prodígios"

 

 

25 abril9.jpg

 (Foto de Alfredo Cunha)

 

(...)

   Maria Rebôla parou no postigo da porta. Ofegante como uma posta.

— O que faz vossemecê nessa triste posição? No dia em que se acaba de saber que soldados e grandes chefes fizeram uma revolta?

E como José Jorge Júnior se erguesse sobre os joe­lhos.

— Não sabe ainda que em Lisboa os soldados fi­zeram uma revolução para melhorarem a vida de toda aquela gente? Uma re vo lu ção? Um grande golpe?

E que todos os sinais do céu agora têm sentido?

-—   Um golpe? Perguntou José Jorge Júnior. No go­verno de Lisboa? Duvidoso pela sua mouquidade. Escarranchado sobre os joelhos das suas pernas. Os soldados. Deve haver muito sangue nas valetes des­sa terra, a esta hora, oh Maria. Deve haver. Gente morta por toda a parte. Ai deles se se levanta a pes­te com este sol da primavera. E cinco vezes abriu as mãos disposto a levantar-se. Quem matou quem?

— Olhe, tio José Jorge. Se alguém matou alguém deus ressuscitou a todos, porque estão a dizer que não houve nenhuma baixa. E as maravilhas nessa terra são tantas que dizem. Afirmam a pés juntos. Que só há música, flores e abraços. Dizem. Que de repente os ausentes estão a chegar. Os cegos vêem sem óculos nem outro aparelho. Os coxos deixaram de dar saltinhos, ficando as pernas da mesma altu­ra. Mesmo os manetas tocam violino. De repente. To cam vi o li no. Tio José Jorge. Mas agora não faça mais perguntas que todas são a mais. É tudo o que sei, isto que acabo de contar.

Por isso arrancou do chão dois baldes de água cinzenta, e abalou com pressa. Redonda de talho, avental debaixo do braço. No portal calcou os sapatos, pendurando tudo o que era bocha e mama disse.

— E agora vou-me embora, porque só isto é sabido. E em­bora todos falem da mesma coisa, ninguém se atreve a in­ventar uma parcela que seja, por respeito ao fundamento da verdade. Da pura verdade.

José Jorge Júnior sentou-se à porta sobre uma cadeira de tabua. Fundo côncavo. E com o assento aí enterrado foi abalado por um remoçamento a partir dos pés. Esperancinha, tira o lenço que vou falar contigo. E ele mesmo lho ar­redou da cara. Houve em Lisboa um grande golpe de es ta do. Quem lá vai, ou está, fica pasmado de tanta ousadia e decisão. Pas ma do. Um alvoroço muito intenso e inquieto lhe encheu o espírito. Se procurasse um pauzinho para a mão esquerda, ajudado pelo bordão da direita, encostando o ombro pelos muros e valados, chegaria rápido. Quando ouvisse mais gente falar e correr como Maria Rebôla.

(...)

(in O Dia dos Prodígios, Dom Quixote)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 16:00

Sábado, 25.04.15

LIBERDADE - Sérgio Godinho

25abril.jpg

 

Sérgio Godinho  LIBERDADE

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 15:00

Sábado, 25.04.15

VINTE E CINCO DE ABRIL - Maria Teresa Horta

25abril.jpg

 

Maria Teresa Horta  VINTE E CINCO DE ABRIL

 

 

Este é um poema
com saudade da festa...

Dias de vermelho
de damasco e de riso

Das horas de alegria
e de bandeiras, de cravos
rubros postos no vestido

Este é um poema
feito de memória

Da pressa incontida
no passo corrido

De fala crescida
de prisões abertas, de escrita
liberta descobrindo o sentido

Este é um poema recordando
a mudança, da esperança
e do sonho acontecido

Com palavras
do corpo e de lembrança

Exigindo o futuro
a promessa e o grito

Este é um poema

cravo mth.jpg

cantando
a liberdade

De lágrimas costuradas
suturando o sorriso

Ousando dizer da ambiguidade
da estranheza do novo
misturado ao antigo

Este é um poema
torneando o avesso

Da luz da madrugada
de uma noz de vidro

Do voo das gaivotas
junto à pele das águas
fazendo do Tejo o seu precipício

Este é um poema
de visitar a História

Da revolução
o ganho
e também o perdido

Da viagem e do mar
da língua portuguesa
onde na paixão me encontro comigo

Maria Teresa Horta, inédito

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00

Sábado, 25.04.15

SOMOS FILHOS DA MADRUGADA - José Afonso

25abril.jpg

 

 José Afonso  SOMOS FILHOS DA MADRUGADA

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 12:00



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos