Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias


Quarta-feira, 13.06.18

Há-de flutuar uma cidade - Al Berto

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Al Berto  Há-de flutuar uma cidade

al berto1.jpg

 

há-de flutuar uma cidade no crepúsculo da vida
pensava eu... como seriam felizes as mulheres
à beira mar debruçadas para a luz caiada
remendando o pano das velas espiando o mar
e a longitude do amor embarcado

por vezes
uma gaivota pousava nas águas
outras era o sol que cegava
e um dardo de sangue alastrava pelo linho da noite
os dias lentíssimos... sem ninguém

e nunca me disseram o nome daquele oceano
esperei sentada à porta... dantes escrevia cartas
punha-me a olhar a risca de mar ao fundo da rua
assim envelheci... acreditando que algum homem ao passar
se espantasse com a minha solidão

(anos mais tarde, recordo agora, cresceu-me uma pérola no coração. mas estou só, muito só, não tenho a quem a deixar.)

um dia houve
que nunca mais avistei cidades crepusculares
e os barcos deixaram de fazer escala à minha porta
inclino-me de novo para o pano deste século
recomeço a bordar ou a dormir
tanto faz
sempre tive dúvidas que alguma vez me visite a felicidade.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 20:32

Sábado, 29.08.15

Vem comigo - Al Berto

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Al Berto  Vem comigo

 

CL72a.jpg

 

 

(Adão Cruz)

 

 

Vem comigo
ver as pirâmides fantásticas do vento
no interior luminoso da terra encontrarás
o segredo de quartzo para desvendares o tempo
onde contemplamos a fulva doçura das cerejas
iremos para onde os restos de vida não acordem
a dor da imensa árvore a sombra
dos cabelos carregados de pólenes e de astros
crescemos lado a lado com o dragão
o súbito relâmpago dos frutos amadurecendo
iluminará por um instante as águas do jardim
e o alecrim perfumará os noctívagos passos
há muito prisioneiros no barro
onde o rosto se transforma e morre
e já não nos pertence
vem comigo
praticar essa arte imemorial de quem espera
não se sabe o quê junto à janela
encolho-me
como se fechasse uma gaveta para sempre
caminhasse onde caiu um lenço
mas levanto os olhos
quando o verão entra pelo quarto e devassa
esta humilde existência de papel
vem comigo
as palavras nada podem revelar
esqueci-as quase todas onde vislumbro um fogo
pegando fogo ao corpo mais próximo do meu

(in O Medo, Assírio & Alvim)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:00

Sexta-feira, 24.10.14

Mudança de estação - Al Berto

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Al Berto  Mudança de estação 

Adão70a.jpg

 

(Adão Cruz) 

 

 

 

para te manteres vivo - todas as manhãs
arrumas a casa sacodes tapetes limpas o pó e
o mesmo fazes com a alma - puxas-lhe o brilho
regas o coração e o grande feto verde-granulado

 

deixas o verão deslizar de mansinho
para o cobre luminoso do outono e
às primeiras chuvadas recomeças a escrever
como se em ti fertilizasses uma terra generosa
cansada de pousio - uma terra
necessitada de águas de sons afectos para
intensificar o esplendor do teu firmamento

 

passa um bando de andorinhas rente à janela
sobrevoam o rosto que surge do mar - crepúsculo
donde se soltaram as abelhas incompreensíveis
da memória

 

luzeiros marinhos sobre a pele - peixes
que se enforcam com a corda de noctilucos
estendida nesta mudança de estação

 

(in O Medo)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:00

Quinta-feira, 29.05.14

Dizem que a paixão o conheceu - Al Berto

 

Al Berto  Dizem que a paixão o conheceu

 

(Mário Botas)

 

dizem que a paixão o conheceu

mas hoje vive escondido nuns óculos escuros

senta-se no estremecer da noite enumera

o que lhe sobejou do adolescente rosto

turvo pela ligeira náusea da velhice  

 

conhece a solidão de quem permanece acordado

quase sempre estendido ao lado do sono

pressente o suave esvoaçar da idade

ergue-se para o espelho

que lhe devolve um sorriso tamanho do medo

 

dizem que vive na transparência do sonho

à beira-mar envelheceu vagarosamente

sem que nenhuma ternura nenhuma alegria

nenhum ofício cantante

o tenha convencido a permanecer entre os vivos

 

(in Medo, Assírio & Alvim)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00

Sexta-feira, 28.02.14

Mar - Al Berto

 

Al Berto  Mar

 

(Adão Cruz)

 

 

   Nunca conseguiu viver longe do mar.

A sua adolescência ficara cheia de dunas e de cama­rinhas, de falésias e águias, de tempestades, de nomes de barcos e de peixes; de aves e de luz coalhada à roda duma ilha.

Conhecera a ansiedade daqueles que, ao entardecer, olham meio cegos a vastidão incendiada do oceano - e nin­guém sabe se esperam alguma coisa, alguma revelação, ou se estão ali sentados, apenas, para morrer.

Aprendera, também, que o mar, aquele mar - tarde ou cedo - só existiria dentro de si: como uma dor afiada, como um vestígio qualquer a que nos agarramos para suportar a melancólica travessia do mundo.

Depois, partiu para longe. E durante anos recordou, em sonhos, o mar avistado pela última vez ao fundo das ruas. Procurou-o sempre por onde andou, obsessivamente - mas nunca chegou a encontrá-lo.

Certa noite de bruma fria, em Antuérpia, no Zanzi-Bar, julgou ouvir o mar que perdera na voz dum jovem marinheiro grego. Mas não, o marulho que aquela voz derramava, junto à sua orelha, era de outro mar — fechado, calmo — propício aos amores inquietos e à lassidão embriagante do sol e do vinho.

Anos mais tarde, em Delos, haveria de reconhecer a voz do marinheiro no rebentar das ondas, em redor da ilha, como um eco: onde te vi despir regresso agora /para adormecer ou chorar... e a noite caiu subitamente sobre ele, sobre a ilha e sobre o sonolento coração das leoas em pedra.

Uma outra vez, perto de Gibraltar, uma mulher idosa quis ler-lhe as linhas emaranhadas da mão. Já não se lembra o que lhe contou a mulher, acerca da vida e dos rumos da paixão. Recorda somente o que ela lhe disse ao separarem-se:

- Tens nos olhos a cor triste do mar que perdeste.

E passou bastante tempo antes que o homem voltasse ao seu país. Quando o fez, foi ao encontro do mar.

Largou a cidade e os amigos, a casa, o conforto, a noite, o trabalho e tudo o mais. Viajou em direcção ao sul, com a certeza de que jamais encontraria o mar perdido, em lugar incerto, a meio da sua vida.

Sabia agora que nenhum mar existia fora do seu corpo, e que tinha sido na perda irremediável de um mar que adquirira um outro onde, por noites de inquietante insónia, podia encontrar-se consigo mesmo e envelhecer sem sobressaltos; afastado da vã alegria dos homens e da pobreza do mundo.

Ao chegar junto do mar sentou-se no cimo da duna, como dantes, e esperou. Esperou que o mar guardado no fundo de si transbordasse, e fosse ao encontro daquele que perdera e se espraiava agora à sua frente.

Ainda hoje permanece sentado, no mesmo lugar -esperando o instante em que os dois mares se dissiparão um no outro, para sempre.

Está cansado da guerra com as palavras e do veneno dos homens, tem os olhos queimados pelo sal. Os dedos adqui­riram a rugosidade da areia e dos rochedos; da sua boca solta-se um marulhar surdo, muito antigo, que os dias e a solidão arrastam devagar para a luminosa euforia das águas.

 

(in O Anjo Mudo, Assírio & Alvim)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 15:00

Sábado, 11.01.14

Meditação com natureza-morta - Al Berto

 

Al Berto  Meditação com natureza-morta

 

 

(Van Gohg)

 

a toalha de mesa surge no primeiro plano

e a pálpebra semi-aberta de um fruto perde-se

no amargo traço de uma boca que assinala

o tempo

 

organizo

os frutos em sequências de cor

primeiro os azuis-cobalto e os negros depois

os amarelos das ardentes fúchsias evocam

misteriosas presenças

 

pouso os pincéis perto da janela

avisto uma folha de revista à chuva e

no vento de três pêssegos movem-se

ao fundo

as mãos líquidas revelando quem medita

sentado sob o melancólico peso da luz

que constrói e define a casa

 

(in O Medo, Assírio & Alvim)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:00

Quinta-feira, 05.09.13

Diários - Al Berto

 

 

Al Berto  Diários

 

(autor desconhecido)

 

 

Sines. 25 Julho 94

 

(Jantar no Estrela do Norte — com a Manuela e Hermínio, c/o Rodrigo Leão e a Margarida.) Açorda de Abrótea// Feijoada de búzio

 

O Leonard Cohen. O fim do dia. A luz azulada. O mar muito quieto. Os veleiros a entrarem na baía. O mundo, lá fora. A melancolia provocada pelo que se avista pela janela aberta e parece viço e morto em simultâneo. O Leonard C. de que tanto gostamos.

Quem me dera estares aqui. Bebermos vinho branco fresco. Olharmo-nos em silêncio. Jantarmos no Atlântico-Mar, sozinhos na sala do 1° andar — como num livro da Duras.

 

Até que a noite perpetue o jantar. E na baía os barcos acendam as luzes e partam — "Sinais de fogo" sobre as águas escuras... E nós meio-bêbados a perdermos o olhar por cima mar.

Tu a insistires que és o meu "marinheiro" de Gibraltar e eu, sem dizer palavra, a dar-te a mão, sem te olhar, com o coração aos saltos. Tão pouco fizemos pela nossa paixão. Tão pouca atenção lhe de­mos, pensando que era eterna.

E agora está em estilhaços. Irremediavelmente perdida, quem sabe se para sempre. Tanta coisa bela que estragámos — tu, por egoísmo (?) - não sei - e eu, por não ter tido tempo de aprender como amar-te mais ainda.

 

(in Diários, Assírio & Alvim)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 15:00

Quinta-feira, 13.06.13

Há-de flutuar uma cidade no crepúsculo da vida - Al Berto

Al Berto morreu no dia 13 de Junho de 1997

 

Al Berto  Há-de flutuar uma cidade no crepúsculo da vida

 

.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:00

Segunda-feira, 03.12.12

O faroleiro do Sardão - Al Berto

Al Berto  O faroleiro do Sardão

 

   Não confio nos homens, ainda menos em Deus.

Talvez seja por isso que nunca durmo. Mantenho-me acordado durante a noite ou caio dentro duma espécie de limbo sonolento.  Ouço e vejo tudo o que se atravessa no feixe luminoso do farol.

Repito: não confio nos homens. Confio na sabedoria remota das minhas mãos. E, mesmo que cegasse, elas conti­nuariam sempre a pôr em movimento a engrenagem das luzes.

Metade da minha vida foi passada aqui, entre a noite e os espelhos reflectores. Já não me lembro em que idade comecei. O oceano é tão escuro quanto a minha infância.

Diariamente subo ao cimo do farol que se ergue no alto das falésias, ao anoitecer. Isolo-me do mundo; e, neste isola­mento, amaldiçoo por vezes a vida — enquanto a luz se acende, adquire intensidade, e varre a fúria do oceano.

De vez em quando, vêm pássaros embater contra as vidra­ças a ferver do farol. Cegam com a luz, morrem queimados. E os navios que continuam as suas rotas, avisto-os, e parecem um brinquedo a flutuar. Somem-se na escura tormenta.

Em toda a costa sou o único homem acordado, sem amigos e sem família. Zelo pela vida daqueles que navegam noite dentro. O jacto luminoso do farol é o sinal de quem os acompanha e pensa neles.

Consigo ver no escuro, até onde nenhum homem consegue ver; mas não acredito em Deus.

Enquanto não amanhece escrevo o relatório diário, e nele anoto, também, o que a imaginação me revelou. Um dia, ninguém saberá onde começa e acaba a verdade. Entre a hora de acender e apagar o farol, anotei: passagem de golfinhos e de sereias, de navios fantasmas, de embarcações que mal tocam nas vagas, astros que pousaram sobre o dorso de uma baleia, alcatrazes que se incendeiam, de repente, em pleno voo.

Sou muito velho, quase tanto como o farol. Vi muitas coisas, posso contar todas as histórias que me vierem à cabeça.

E não abandonarei, nunca, o meu posto. Continuarei aqui, rodeado pela escuridão do mundo, atento ao que nasce, inesperadamente, debaixo da luz. Repito os gestos dos meus antepassados, e é nessa perenidade de gestos repetidos, exactos, que se prolonga a solidez do farol.

Quando a tempestade o sacode desde os alicerces, e o mar ressoa escadas acima como se o fosse engolir de um momento para o outro - fico tranquilo; porque sei que depois da minha morte, à hora certa de o acender, dentro de mil anos, tudo será executado minuciosamente, como acabo de o fazer.

 

 (in Al Berto, O Anjo Mudo, Assírio & Alvim)

 

.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:00



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos