Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias


Segunda-feira, 26.07.21

Em homenagem a Otelo - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Em homenagem a Otelo

otelo3.jpg

 

Um cravo vermelho
cristal de vida no céu de chumbo
cada dia um mundo limpo e perfumado
graças a ti flor da minha idade.
Caminho da esperança às portas da cidade
todo o mel e todos os frutos ali à mão.
Graças a ti cravo vermelho que venceste a solidão
veio o tempo ao nosso encontro
e a manhã despertou agitando as árvores.
E a noite se fez de estrelas que desceram aos cantos do jardim.
Um cravo vermelho e quente
mais que tudo amando a vida
em qualquer língua entendida.
O mundo tinha o sabor de uma maçã
e os olhos inacabados eram cravos vermelhos.
Não havia cárceres nem torturas
apenas o calor de uma fogueira na praça do entusiasmo
e uma jovem mulher
dormindo um sono de criança nos telhados da revolução.
O seu rosto era uma nuvem dourada pelo sol e pela lua
os cabelos trigueiros uma seara
e nos lábios a canção de Abril que encheu a rua.
Hoje…
Hoje não sei se é dor se alegria
o que sonho quando abro ao sol as portas de Abril.
Não sei se é dor
tristeza ou alegria
aquilo que sinto neste dia
em que Abril faz tantos anos de saudade e nostalgia.
Anos de luminoso tremor
corações ao alto
quadros verdes de sonho e raiva
de sol e chuva em celeste azul
luzindo nos olhos de uma gaivota
branca gaivota de penas mansas voando solitária dentro de mim
à volta de um cravo vermelho que me ficou dentro do peito.
Abro as janelas a medo neste areal de céu escuro
contra o mundo
a idade e o cansaço
e não sei se é vida ou amargura a estreiteza deste espaço.
Sei que um rio de negras águas cavalga as margens do meu ser
por entre as fendas da secura
e outra vez afoga a democracia às mãos de nova ditadura.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:02

Sábado, 24.07.21

Meu amigo Dostoievsky - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

Adão Cruz  Meu amigo Dostoievsky

adão guiné1.jpg

 

(Adão Cruz)

 

Meu amigo Dostoievsky
nada temos a ver
aparentemente
um com o outro
a não ser o nosso encontro
pelos meus dezoito anos.
Apetece-me chorar ao recordar as noites
em que à luz de um foco olho de boi
debaixo dos lençóis
- para que minha mãe não visse -
eu invadia os teus livros
numa das maiores
e mais deliciosas aventuras da minha vida.
Ainda hoje me são familiares
o rosto de Sónia e a figura de Raskolnikov
luz mítica e mística dos que têm coisas em comum
orientando-se na direcção do símbolo
e do mundo sem forma.
Da mesma forma que te marcaram Balzac
Schiller
Victor Hugo e Goethe
tu imprimiste em mim a sensação
que te fez desmaiar
perante a beleza de Seniavina
na casa dos Wielgorsky
e eu não sou homossexual
meu caro Dostoievsky.
Perante a beleza
eu não sei ao certo onde pára o sexo
se no esperma de Úrano derramado no mar
se na poesia da Morte em Veneza.
Não é a realidade física que interessa ao simbólico
mas o significado do sexo na imaginação.
A dualidade do ser funde-se
na tensão interna de quem ama
e a união sexual não é mais
do que o apaziguamento da tensão interior.
Nunca te concebi humano
sobretudo depois dessa manhã
de rosto de pedra e gelo
em que viveste o mais trágico minuto da tua vida.
Um vento glacial varreu-me a fronte
ao ouvir o teu nome na chamada para a morte:
-Akcharumov!
-Shaposhnikov!
-Dostoievsky!
Hoje
depois de ter amado tanto
aceito a tua epilepsia
como o estigma mais marcante
da pureza da condição humana
e passei a considerar-te meu irmão
para o resto da vida.
Por isso me senti prisioneiro
quando entrei na fortaleza de S. Pedro e S. Paulo
por isso chorei na Praça Semenovsky
onde viveste uma vida inteira
em dois minutos de morte.
Era como se fosse eu o condenado!
Também chorei quando reencontraste Suslova
apenas
pelo que sofreste ao ver que o amor não se repete.
A noite e o vazio
estão na origem cosmológica do mundo
e o amor é uma criança que cresce...
e deixa de ser criança.
Amor e morte
quando descobertos
acordam e fogem.
Para escrever bem é preciso sofrer
disseste um dia ao jovem Merejkovsky
quando a vida confundia as chamas do teu inferno
com relâmpagos de visionário.
Sofrer pode ser apenas sorrir...
frente a toda a utopia palpável
não paranóica nem delirante.
Foi a mim que o disseste
meu caro amigo
foi a mim que o disseste
na tarde cinzenta da tua morte
na hora da hemorragia que te vitimou.
Até hoje ainda não te agradeci.
Perdoa não ter acompanhado o teu féretro
mas nessa altura eu não existia...
ou será que te acompanho ainda hoje
neste pesado caminho do fim?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:03

Sexta-feira, 16.07.21

Ao redor do vento - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Ao redor do vento

unnamed1.jpg

 

(Adão Cruz)

Não me encontraste mas eu sei que vieste ao meu encontro
porque caminhavas suavemente ao longo do rio
tão levemente que os teus olhos mo diziam
e nem as gaivotas fugiam.
Outrora o sol nascia pachorrento a esta hora
em que me davas um beijo de alento
e eu corria rio fora em direcção ao vento.
Os veleiros rodavam em círculo
inchando as velas brancas e amarelas
e também azuis como o poema.
Eu sei que vieste ao meu encontro mas não me viste
porque o sol de hoje nasce de forma alheia
e os veleiros não dançam
porque deles é o vento e de ti também.
Eu sei que vieste ao meu encontro
e tudo em redor mo leva a crer
mas os teus olhos perderam-me
porque são de vento as horas de me ver.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:38

Quinta-feira, 03.06.21

O Quadro - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  O Quadro

do conde1.jpg

(Adão Cruz)

   Terminado o almoço na sala requintadamente sóbria, ficaria na memória a vitela de Lafões e as batatinhas lustrosas de cor aloirada que o forno de lenha pintou. Um café na pastelaria dos “vouguinhas”, o seu orgulho de fabrico diário, despertou a caminhada pelas margens verdes do rio, onde cada pássaro exibia o seu gorjeio, e cada pato mostrava a sua perícia, cortando em leque as águas profundas. Outros espreguiçavam-se nas margens, enchendo a relva de várias cores. No meio do rio, perfurando o ar, um grande jacto de água brincava com o sol formando um arco-íris. O mesmo arco-íris que coroava a serra em tantos Maios da nossa infância.

Mais adiante uma placa indicando o Condado de Beirós. A seta assinalava o caminho já varrido da memória, e a cor parecia indicar o interesse de uma visita.

- Lembras-te da exposição de pintura no Condado de Beirós, há mais ou menos vinte anos, a minha maior exposição individual, com várias salas, corredores e claustros cheios?

- Claro que sim, então não havia de recordar! Com tanta gente que ali acorreu, vinda de todos os lados. Um rol de nomes, amigos e conhecidos, alguns que ainda lembro com saudade e a voz enternecida, muitos deles já saídos deste mundo e da lembrança!

Algo emergiu das entranhas do passado que nos obrigou a pegar no carro e seguir o caminho de outrora à procura do Condado. E foi em busca de alguns eventuais restos que subimos o monte, entramos no portão da quinta e encontrámos, com surpresa, o velho solar quase intacto, o branco da cal um tanto desbotado, a pedra escurecida, a natureza em volta bem tratada, e uma bela piscina, no meio de um campo relvado. Em volta da casa muitos carros velhos, enferrujados, incluindo um Maserati a desfazer-se. Lembrámo-nos, então, que em tempos o dono tinha uma paixão especial por carros antigos.

A porta do solar estava aberta. Bati e voltei a bater com toda a força, chamei e voltei a chamar por alguém, e como não obtive qualquer resposta ou perturbação daquele silêncio, entrei. Tudo impecavelmente arranjado e decorado, nas paredes muitos quadros, retratos antigos, bonitos móveis, tudo bem tratado e asseado. Não havia dúvidas de que estava habitado e aberto ao público…que não existia, mas que o desconfinamento haveria, muito provavelmente, de voltar a trazer. Subi o primeiro lance de escadas tapetado com passadeira vermelha, depois outro igual virando à direita. No topo da escadaria de pedra boleada, em lugar de honra, um quadro com moldura dourada prendeu a minha atenção. Só poderia ser, não tinha dúvidas. Chamei o meu irmão que de imediato confirmou que aquela pintura era sua. Lá estava o seu nome e a data 2002.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 20:44

Segunda-feira, 31.05.21

Vem cá do fundo - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  Vem cá do fundo

a eva e o pássaro azul1.jpg

(Adão Cruz)

Vem cá do fundo uma tristeza enorme
que varre o sorriso dos lábios
e perpassa o ar de saudade
sem o perfume do ligustro ou do jasmim.
Perde-se no absoluto e na razão da finitude
e os sonhos murcham no seio da realidade.
Voam andorinhas e estorninhos entre as árvores
imersas no verde da Primavera
e o rio desafia o tempo na eternidade das águas
que os patos sulcam em flecha até à margem
buscando alimento no interior do silêncio e da memória.
Não tenho coragem para lhes dizer não
e no fim partem em debandada.
Apenas o pato branco
de brancura sem mácula
se detém na margem
a namorar o meu rosto esquecido
nas lembranças da vida.
Tão manso no olhar
só ele poderia despertar
o sorriso do meu rosto perdido.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:50

Segunda-feira, 03.05.21

O velho eléctrico - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  O velho eléctrico

eléctricos.jpg

   O rio, junto à Foz, é quase um lago de águas paradas. Não tem a cor do ouro que lhe dá o nome, antes reflecte o azul do céu e do mar que ali o espera um pouco mais à frente para o abraço final. A remos ou à vela por lá deslizam barcos e barquinhos ao sabor da brisa leve desta luminosa primavera. Centenas de gaivotas, algumas garças, patos bravos, corvos marinhos, os habituais donos destas margens espreguiçam-se ao sol, ou dançam no ar em voos suaves, ou se lançam em corridas quase rasantes sobre as águas. Os corvos marinhos alinhados no que resta de terra na maré cheia, abrem as asas a todo o pano para receberem o sol que as vai secando. É Domingo. A correr e a caminhar, ao ritmo das forças de cada um, toda a gente saiu de casa em busca do sol e da liberdade que entrou de rompante pelas portas do desconfinamento.
Amarelo de sempre, por vezes esverdeado ou pintalgado de modernice, arrastado de tempo e de memórias, lá vai e vem o eléctrico gemendo sobre a linha ao longo da margem, levando a Ribeira até à Foz, e trazendo de volta o romântico Passeio Alegre com a sua alameda de palmeiras e as lindas casas da Foz Velha. A linha 1, uma das três linhas sobreviventes de entre muitas, juntamente com a linha 18, de Massarelos à Cordoaria, e a 22 entre o Carmo e a Batalha. Pequenos restos do século XIX que teimam em não se desgarrar de um velho Porto que é só memória e saudade.
Nos meus tempos de menina de Liceu, sempre foi o eléctrico a levar-me onde eu queria. E mesmo nos tempos de minha mãe que viveu a sua juventude entre Gaia e Porto, assim teria sido também, pois lembro-me de ela ter falado no eléctrico, aquando de um acidente na Rua 31 de Janeiro, em que o guarda-freios não conseguiu travá-lo e ele veio desenfreado e de escantilhão até à Baixa.
Sentei-me ao sol num dos muitos bancos que seguem a margem desde a Cantareira ao Cais do Ouro, e lembrei-me do livro de Tennessee Williams “A Street Car named Desire” ( Um Eléctrico chamado Desejo). Nada tem a ver com este eléctrico que geme atrás de mim, mas levou-me a desnudar uma espécie de nostálgica reminiscência do passado que, serenamente, criou em mim algum disfarce da desilusão e alguma fantasia que me permitiu esquecer por momentos a realidade da velhice.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 20:25

Quinta-feira, 29.04.21

Minha amiga Maria da Criatividade - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Minha amiga Maria da Criatividade

antigo-28a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

   Dentro das alegorias possíveis e de uma espécie de polifonia pictórica, considero-te a música do Universo, a mulher reinventada nas vivências e passagens do tempo, elemento de candor poético na intimidade afectiva do quotidiano. Nunca te outorguei o exíguo papel que outros te atribuem, quem sabe, decorrente do hormonalismo poético da tua imagem feminina. Mas pago bem caras a aspiração da tua pureza, a procura da tua inocência, a adoração da tua beleza, a ansiedade do teu absoluto que fazem de mim um náufrago de sonhos preso nos lastros da realidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:09

Quinta-feira, 22.04.21

Os caramuleiros - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

caramulo.jpg

À nossa.jpg

 

Eva Cruz  Os caramuleiros

 

   O novo abrandar do confinamento logo acelerou a vontade de respirar ar puro. Desta vez o ar da Serra do Caramulo. O dia era um esplendor e a temperatura de Verão. A “Alma”, romance-poema de Manuel Alegre, enfeitou a memória dos caminhos de Águeda, por onde há muito não passávamos, quando começámos a subir a montanha, revivendo passeios de outros tempos com os filhos ainda crianças. Já quase no alto, o meu irmão Adão e eu Eva, encontrámos um recanto maravilhoso à beira do rio, com açude e ponte romana, por engraçada coincidência denominado “Parque de merendas Paraíso”. Ali abrimos o farnel que nos soube melhor do que a maçã, sem que ninguém nos expulsasse.

Chegados ao alto do Caramulo, uma das mais belas serras de Portugal, recordei de imediato a “prima Laurindinha”, prima com quem minha mãe viveu na juventude, e personagem do meu livro “Aurora Adormecida”. Por ali passou tristes dias da sua vida em busca da cura para a tuberculose. Os bons ares do Caramulo transformaram esta serra na estância sanatorial mais importante da Península Ibérica, estando o médico Jerónimo Lacerda ligado à construção do mais antigo sanatório do Caramulo, que data de 1922. Foi um médico visionário que conseguiu dotá-lo das melhores infra-estruturas para a época, dando assim um enorme contributo para a erradicação da tuberculose no país. Pois foi nesse mesmo sanatório que a prima Laurindinha esteve internada. De nada lhe valeu, infelizmente, pois a doença matou-a ainda muito nova. Outros sanatórios foram criados, tornando-se o Caramulo, nos anos vinte e trinta, na mais “elegante” estância de saúde do País. Sobre este assunto transcrevo aqui algumas passagens do meu livro: “O ambiente do sanatório era deprimente. As fumigações de formalina cheiravam a morte. Embrulhados na sua tosse de tísicos, os doentes agasalhavam a doença dia e noite sem esperança. Na sua fraqueza trocavam olhares de forte cumplicidade, fazendo nascer amizades e amores que a dor e o sofrimento alimentavam. Montanha Mágica de sentimentos, de superstições, de medos e de morbidez, onde em vez de retratos se trocavam radiografias!”

Como satélites do grande sanatório, outros mais pequenos se espalharam pela montanha. E como os doentes, também foram morrendo ao longo do tempo. Hoje formam uma impressionante constelação de esqueletos, de janelas estilhaçadas, de paredes descarnadas e buracos entranhados de silêncio, solidão, pedaços de dor e saudade pelos que ali sofreram e ali morreram”. Com a erradicação da tuberculose, a estância do Caramulo foi votada ao abandono, mas a paisagem que os nossos olhos alcançam do cimo da Serra continua a ser de uma beleza única na sua lonjura a perder de vista e a conter a respiração. Nem tudo a morte levou, deixando viva a natureza em toda a sua plenitude. E foi a olhar ao longe que me veio lá do fundo da memória outra recordação, agora da minha infância, os Caramuleiros. Pelos dias frios de Inverno apareciam na minha aldeia, todos os anos, os Caramuleiros a vender carvão para o ferro de engomar e cobertores da serra. Dizia-se que vinham de muito longe, da Serra do Caramulo, e as crianças fugiam assustadas com as caras desconhecidas dessa gente pobre e estranha. Hoje já ninguém se lembra deles, nem dos ferros de brasas, nem dos cobertores serranos.

E assim, no meio dos montes, entre memórias e saudades, se passou este belo dia de desconfinamento, não só do corpo mas sobretudo do espírito.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:36

Quarta-feira, 21.04.21

Reflexão - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Reflexão

adão96a.png

(Adão Cruz)

 

   A genuína pureza da poesia vive e anda por aí em tudo o que é vida, mas não é fácil captar a sua complexa simplicidade. Como não é fácil - ou não se quer - entender a complexa simplicidade da evidência que também anda por aí, em quase tudo. O medo da evidência apavora as mentes que, de uma forma ou de outra, perderam a liberdade ou rejeitam a liberdade, sobretudo a liberdade de pensar. Interiorizam mecanismos fortemente redutores que são aceites acriticamente, porque não existe ou foi tacticamente anulada a capacidade crítica, ou são impostos por uma espécie de fé ou crença consuetudinária, impiedosamente dogmática, que cristaliza toda a forma de pensar, mesmo de pessoas habituadas e traquejadas numa moderna cultura científica da evidência. Estas as pessoas, ainda assim, de boa fé. Porque as há, e não são poucas, que fazem da má fé o antídoto da evidência que não conseguem negar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 15:27

Sábado, 10.04.21

Um texto de João Vasconcelos-Costa sobre as vacinas

ao cair da tarde 5b.jpg

 

João Vasconcelos-Costa é médico e virologista e foi director do Departamento de Virologia do Instituto Gulbenkian de Ciência
 
VACINA DA ASTRAZENECA
 
   Parece-me que não é preciso ser-se adepto de teorias da conspiração para se suspeitar de que há muito de económico e político nesta história da AstraZeneca. Por exemplo, não deixa de ser estranho que os países europeus se tenham sempre escudado nesta pandemia em recomendações técnicas supranacionais, como na aprovação das vacinas pela EMA e não pelos seus “infarmeds” nacionais e agora não sigam a opinião da EMA de que os riscos da vacina AZ são infimamente inferiores aos seus benefícios. Mas, como não tenho dados suficientes sobre isso, vou comentar apenas os aspetos médicos e científicos.
Não há nenhuma vacina, como nenhum medicamento, que não tenha efeitos secundários. Por exemplo, a vacina da febre amarela, que toda a gente é obrigada a levar como condição de viagem para muitos países, causa ocasionalmente em pessoas mais velhas consequências que podem ser graves. O que há a fazer sempre é uma avaliação de risco. É dado objetivo que, com dezenas de milhões de vacinados com a AZ, as dezenas de casos de acidentes trombóticos, principalmente a trombose venosa do seio cavernoso cerebral, representam um risco cerca de 100000 vezes menor do que o risco de morte pela COVID-19. Note-se que estes acidentes também ocorrem com a tomada de anticoncepcionais, até em maior percentagem, que nunca ninguém se lembrou de retirar do mercado ou de recomendar só a mulheres acima dos 60 anos…
Com isto, é de temer, legitimamente, que o medo instalado pelas medidas de muitos países – agora também Portugal – de limitação do uso da vacina AZ leve a recusa de vacina por muita gente, com uma probabilidade de aumento de mortes pela doença muito maior do que a probabilidade de acidentes vacinais. Eu próprio já recebi bem uma dezena de telefonemas a pedir-me opinião, sentindo que, no fim da conversa, as pessoas continuaram a não querer serem vacinadas com a AZ.
A isto, soma-se toda a incerteza sobre a capacidade de vacinação em massa sem o aproveitamento de todo o fornecimento da AZ. Também, como sempre, o nosso eurocentrismo esquece que a AZ é o fabricante que melhores condições comerciais (a preço de custo) e técnicas (condições de armazenamento, por exemplo) oferece ao terceiro mundo, cujas populações certamente vão ficar inquietas com o que se está a passar.
Ainda não se conhece o mecanismo desta anomalia da coagulação, provavelmente ligada a uma disfunção plaquetária. Um estudo inicial sugere um mecanismo de agressão por complexos antigénio-anticorpo em pessoas, principalmente do sexo feminino, que têm naturalmente anticorpos contra um fator de regulação das plaquetas, situação muito rara. O que não s sabe é qual a relação com a vacina. Uma hipótese plausível é que isto se relacione com o vetor viral de adenovírus utilizado na vacina AZ. Se assim for, isto coloca um problema adicional, que ainda não vi referido. É que há outras vacinas contra o SARS-CoV-2 baseadas na mesma tecnologia e usando adenovírus.
Uma, já em uso, é a Sputnik. Seria natural que já se estivesse a investigar se já ocorreram na Rússia acidentes do mesmo tipo. Curiosamente, no momento em que restringe o uso da AZ, a Alemanha está a negociar a compra da Sputnik. A outra vacina do mesmo tipo é a Jansen, cujo fornecimento em prevista larga escala estava a ser a base para a previsão de uma alta percentagem de vacinação na Europa no segundo trimestre a até ao outono.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:54



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Augusta Clara

    Obrigada pelo seu comentário. Vou ver se descubro ...

  • Eugénio

    W. B. Yeats é um poeta wue gosto muito. O meu pred...

  • Anónimo

    Adão CruzMuito bonito, amigo Zé Onofre. Ao fim e a...

  • Augusta Clara

    Gostei muito. Muito obrigada.

  • Zé Onofre

    Augusta Clara, Boa noite e uma boa semana.Hoje tiv...


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos