Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias


Terça-feira, 23.02.21

O Zeca era assim - Augusta Clara Matos

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Augusta Clara Matos  O Zeca era assim
 
 

josé afonso1.png

 

   O Zeca não era só o cantor popular como algumas pessoas pensam. Era um ser humano de uma grandeza ímpar aliada à maior simplicidade como nunca conheci igual. Era um poeta de primeira água e um cantor que sempre fez da sua arte uma luta pela liberdade sem tréguas nem amarras.
 
Nunca lhe foi prestada a homenagem atribuída a outros, com menos brilho e merecimento. E isto é um escândalo num país que, em democracia, até homenageia criminosos de guerra. Não gostaria de misturar lama nesta homenagem, mas não consegui.
 
Por mim recordo a homenagem do povo que o acompanhou até à última morada, o acompanhámos, em multidão, pelas ruas de Setúbal cantando as suas canções.
 
Conheci o Zeca pessoalmente. Estive em sua casa cerca de um ano antes da sua morte. Fiquei de voltar porque ele gostava que os amigos o visitassem. As voltas da vida não mo permitiram e não tornei a vê-lo. Mas guardo para sempre uma imagem que, se fosse pintora, deixaria como marca de um dos mais belos instantes que a minha memória reteve.
 
Passou-se uns anos antes, ainda ele se movimentava bem. Eu descia as escadas do edifício do quartel dos bombeiros da Praça da Alegria onde se tinha realizado uma sessão de solidariedade com a Isabel do Carmo e o Carlos Antunes que estavam presos. À minha frente descia um homem magro, simplesmente vestido, da forma como sempre o havíamos visto nos palcos. Era ele, o Zeca, que, de repente, se voltou e me disse: “Tu estás sempre em todas”. Eu não estava perante uma estrela, mas cara a cara com um homem, com toda a sua humanidade e um certo ar tímido, que me falava assim e perante quem eu me sentia tão pequenina. Foi a única e a melhor medalha que alguém me atribuiu e guardo no coração.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 15:51

Terça-feira, 23.02.21

Recordar Zeca Afonso - Eva Cruz

a noite fez-se para amar 1a.jpg

 

Eva Cruz  Recordar Zeca Afonso

73292700_2586108874758384_1449793702850461696_n.jp

(Dorindo Carvalho)

   Faz anos a 23 de Fevereiro que morreu Zeca Afonso. Surgiu na vida académica de Coimbra duas gerações antes da minha passagem por lá. No entanto, tive a sorte de o ouvir cantar ao vivo, ainda novo, numa serenata monumental no largo da Sé Velha, junto à casa onde viveu. Lá está o azulejo a lembrar: “ Nesta casa viveu o trovador da liberdade José Afonso (o Zeca)”. Juntamente com ele cantou Luiz Goes (Luís Góis), o inesquecível trovador de Coimbra, com a sua inconfundível voz de barítono.
 
Há momentos que a memória nunca apaga, como o último concerto do Zeca no Coliseu do Porto, quando as forças já lhe faltavam, e se viu obrigado a sentar-se num banquinho à boca de cena. Invadiu-nos a tristeza, mas todos cantámos. A última memória viva do Zeca para quem lá esteve. Inesquecível foi também o seu funeral, milhares e milhares de pessoas acompanhando a urna envolvida num pano vermelho sem símbolos como pedira, levada pelos amigos cantores até à campa rasa.
 
O Zeca, ainda no Liceu, já era conhecido pelo “bicho que canta bem”. “Bicho” era o nome dado aos estudantes do Liceu que também estavam sujeitos à praxe. O cantar bem livrou-o das maldades das trupes. O Zeca viveu intensamente a vida académica, as farras, as praxes, a boémia coimbrã. Tal como Adriano e Góis fez parte do Orfeão Académico. Foi balador, trovador, cantor, compositor notável. Soube adaptar a música popular portuguesa, os temas tradicionais e a poesia à palavra de protesto com a mestria de um génio. Juntamente com Adriano encarna a lenda coimbrã do combate ao fascismo e ao salazarismo na luta pelos ideais da liberdade, tendo sido o mentor da canção de intervenção em Portugal. Trilhou sempre um percurso de coerência até que uma doença incurável lhe roubou a vida, tão novo, quando tinha ainda tanto para dar à vida.
 
Pelo seu talento e genialidade, Zeca Afonso está acima do ser humano comum e devia ser lembrado sempre, não só em Abril. Com mais convicção e frequência é homenageado, celebrado, lembrado e cantado fora do nosso país. Não foi por acaso que disse um dia:” A Galiza é para mim uma espécie de Pátria espiritual”.
 
Por toda a Galiza há associações culturais e musicais recheadas de espólio do Zeca. Em Ourense, onde actuou ainda durante a ditadura de Franco, no célebre Liceo Ourensano, é admirado como um dos seus melhores músicos e cantores. “Cantigas de Maio” é uma espécie de tesouro que alguns dos nossos amigos guardam em disco por ele autografado. Na Sardenha, curiosamente, o dia Vinte e Cinco de Abril é também o dia da libertação do regime fascista de Mussolini. Um grupo de cantoras costuma entoar “Grândola Vila Morena” de Zeca Afonso em sardo ou sardenho “Grândola Bidda Morisca”.
 
A minha admiração por Zeca Afonso leva-me a pensar que as gerações mais novas deviam ser ensinadas, na Escola, a aprender com a sua grandeza e coragem a perseguir o sonho e a utopia. Na riqueza das suas letras, na beleza da sua música, na força da sua palavra há um mundo de aprendizagem que vai da poesia e da música à Literatura, à Filosofia, à História, à Vida político-social e à Fraternidade. José Afonso foi também professor e até por isso devia ser lembrado. Para além do que ensinou aos seus alunos, deixou-nos a todos uma grande lição de vida. Por isso, nunca devia ficar atrás de outros escritores e poetas que fazem parte dos currículos escolares.
 
Zeca Afonso morreu… mas… “a sua voz perdurará para lá de todos os chacais.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 00:28

Segunda-feira, 22.02.21

Cuidemos do nosso jardim - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  Cuidemos do nosso jardim

13439033_610061909163807_2894383957523411455_n.jpg

(Adão Cruz)

 

   “Cândido ou o Optimismo” de Voltaire, um dos maiores vultos do Iluminismo, é uma obra notável que foi publicada clandestinamente no século XVIII, o que lhe valeu nos séculos posteriores milhares de edições. Romance picaresco ou Bildungsroman, conto filosófico ou sátira tornou-se inspirador de vários autores, artistas, músicos, cineastas, não só pela crítica mas também pela filosofia que encerra. Debruça-se sobre a metafísica do Mal, sobre a utopia e a distopia da Vida e do Mundo. Não vou entrar por considerações académicas ou filosóficas, pois não é essa a minha área nem o meu propósito.

Cândido é um jovem que vive num mundo paradisíaco, recebendo de seu mestre ou tutor Pangloss ensinamentos de optimismo, essencialmente baseados na filosofia de Leibniz. Abruptamente, este seu mundo edénico é cortado quando Cândido toma contacto com a realidade. A sua vida sofre imensos reveses e ele acaba convencido de que se não tivesse passado por tudo isso não estava a comer doce de cidra e pistache. “Tudo isso está muito bem dito - mas devemos cultivar o nosso jardim”. 

A propósito de Optimismo, as palavras mais marcantes da minha vida de professora foram ditas por um aluno, hoje um grande senhor e um grande amigo. “Obrigado, professora, por ser optimista.” Na verdade, nunca, por mais básico que fosse o conhecimento de algum aluno, eu deixei de ter para com ele uma palavra de esperança ou entusiasmo. Por isso, quero deixar aqui o meu apreço às palavras do virologista Pedro Simas, o qual, no meio desta arrasadora pandemia, deste tenebroso confinamento, aparece sempre com um rosto calmo e tranquilizante, com palavras de esperança transmitindo algum do ansiado optimismo que tanto escasseia. Pedro Simas dá-nos a todos uma excelente lição de pedagogia. A sua expressão e a sua voz inspiram confiança e optimismo, aquilo de que neste momento mais precisamos. É uma voz eloquente, sábia, serena, credível e muito simples. Das poucas que não assustam. Todos o entendemos e todos nos animamos ao ouvi-lo dizer, sem demagogias, que Portugal está a ter uma redução abrupta de contágios, resultante do confinamento, o que poderia colocar o país entre os melhores do mundo a controlar a terceira vaga da pandemia. 

Todos os dias nos entra em casa a comunicação social, com imagens de enfermarias a abarrotar de doentes em estado deplorável, de ambientes quase surreais, seringadelas em braços mil vezes repetidas, de INEMS e ambulâncias com luzes de alarme e sirenes de emergência, de telejornais abarrotados de recordes de mortes e infectados como se de resultados de jogos se tratasse. Recuperados, sempre no fim da lista, como notícia secundária. Se porventura, alguma melhoria se nota aqui ou ali, vem logo um “mas…” ou “ o pior está para vir… “ou” já se atingiu o limite…!” E como se não bastasse, vêm a seguir políticos e comentadores que nada têm a ver com profissionais de saúde, a assustar com gráficos, opiniões e poses de quem sabe tudo e mais alguma coisa. “ Quem está fora racha lenha” diz o nosso povo. Curiosamente, os menos críticos, mais reservados e serenos são os da linha da frente, aqueles que fazem o mais difícil, estóico, único e exemplar. 

É muito importante estarmos informados, é muito importante passar a mensagem da gravidade da situação que todos estamos a viver, mas também é muito importante a forma, a sabedoria e a pedagogia com que essa informação se faz. E, acima de tudo, que não se critique de ânimo leve quem está a fazer o melhor que pode, com todas as carências que não são só de agora, no meio de um labirinto de científicas e humanas dúvidas e incertezas. Todos acham que fariam melhor, todos querem tirar dividendos políticos desta triste situação, e é isto que leva à saturação e ao descrédito e dá muitas vezes vontade de dizer ”put yourself on the other side.” 

Cândido foi perdendo ao longo da vida o optimismo exagerado, mas chegado ao fim, aceitou os ensinamentos de Pangloss “ tudo vai pelo melhor no melhor dos mundos possíveis”. Sem maniqueísmos, aprendamos a dizer “ tudo isso é muito bem dito, mas cuidemos do nosso jardim”

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 16:14

Sábado, 20.02.21

Coisas a mais, ou a menos? - Carlos Matos Gomes

pingos1.jpg

 

Carlos Matos Gomes  Coisas a mais, ou a menos?

 

carlos matos gomes.jpg

 

   O confinamento levou-me a descobrir que temos coisas a mais, que não nos servem para nada e coisas a menos, de que necessitamos.
Imagem da TV: um corpo, tronco nu, meio coberto por uma folha de papel azulada, umas pernas escanzeladas, uns pés descalços sobre uma maca, a ser empurrado por um corredor, a caminho da morgue, presumo. Assim será metido num gavetão frigorífico, depois num caixão, fechado, selado, higienizado para ser cremado.
Precisamos de pouco. No entanto deixamos muito, e a maior parte do que deixamos é inútil. Foi inútil desde que o tivemos.
Em tempo de confinamento deambulamos por casa: Um mundo de inutilidades. Um armário carregado de loiça, pratos que davam para um refeitório. Quantas vezes os usámos? Faqueiros? Não me refiro a talheres, mas a faqueiros completos de dezenas de peças, em caixas de vários andares? Chávenas, tachos, panelas, assadeiras, sim, quantas assadeiras de barro, de alumínio, de Pyrex, quadradas, redondas, retangulares? Copos de todos os feitios, tamanhos e cores, de pé alto, redondos, esguios? Abre-latas? Descobri, num canto, um cantil. Noutro um caracol de loiça para meter palitos de comer caracóis, ou búzios. Toalhas com bordados à mão e toalhas aos quadrados. Bibelôs? Estou, se calhar quase todos estamos, rodeados de objetos estranhos, um tocador de gaita-de-foles de onde terá vindo? E umas chaminés de barro? Mais um cachimbo! E uma dançarina de porcelana e o conjunto de sinos? Isqueiros e canetas sem tinta? Cinzeiros, relógios, botões, frascos. Falta ir às roupas, o bragal: Quantos lençóis, fronhas, cobertores, toalhas, colchas, almofadas, travesseiros? Edredões! Mantas de trapos! Roupa, quantos casacos, calças, vestidos, sobretudos, blusões, sapatos, sandálias, botas que já não servem, que nunca serviram? Faltam os livros, os papéis, os jornais, as fotografias, os recuerdos e souvenirs. E os artefactos eletrónicos que foram sendo ultrapassados: rádios, gira-discos, telefones, telemóveis, carregadores? Tralha inútil!
Falta acrescentar o lixo que sai das televisões, da que estaciona no canto da sala, na do quarto; os comentadores, os da bola, os de tudo: do clima à bomba de hidrogénio. Os que me explicam o que acabei de ver, de ouvir. Todos, com e sem gravata, a informarem-me que a vida é perigosa e acaba mal, que o que hoje sobe, amanhã desce.
Uma caterva de sirenes televisivas a gritar que vivemos no caos. Esquecem-se de informar que me vendem o caos em cada anúncio de publicidade!
Descobri com o confinamento que o caos começa em minha casa. Não preciso de um pivô (com isto da neutralidade de género já será de incluir as pivoas?) para me avisar.
O caos, construímo-lo logo na primeira mala de levar livros à escola, cadernos, borrachas, lápis. O caos começa nos que nos rodeiam. O caos é a ordem do mundo e ainda pago para me informarem do caos que eu criei!
Há caos nos hospitais! Obrigado. E nas redações das televisões, da rádio e dos jornais? Aí não há caos, há estratégias de poder sob a forma de alarmes pela nossa saúde! E nos estádios de futebol? Não há caos, há corrupção! E nos bares e tabernas? Bebedeiras e vómitos que reproduzem as televisões! E nas escolas? E no trânsito? E nas praias? E nas romarias? E nas peregrinações? E nos lares de idosos? E nas creches e infantários? E nos tribunais? E nos paióis da tropa? E nos bancos? E nos aeroportos e até nos cemitérios! E nas nossas relações? Fazemos parte do caos.
O que nos faz falta é uma qualquer indicação que nos ajude a viver no caos sem gritar contra o caos. Faz-nos falta uma panela de escape para evitar os ráteres que saem dos pregoeiros do caos! Falta-nos ordem nas ordens. Ou uma ordem para descobrir uma vacina, um teste rápido, mas seguro, à sanidade mental de alguns dirigentes que dê positivo ou negativo antes de tomarem posse.
Temo que a ressaca do confinamento seja uma sociedade mais confinada, com mentalidades mais fechadas, com mais cabos da guarda a gritarem por ordem, por limpezas gerais, por desinfestações sociais. Eu, contra os fascismos anunciados, necessito de desordem, de desmascarar os ordeiros, porque eles ladram, mordem e matam.
Vivemos em estado de catástrofe do nascimento à morte porque criámos uma civilização de caos, no paradoxo da abundância, de excesso de coisas e carência de virtudes.
Diógenes, o grego que vadiava pelas ruas na mais completa miséria material, desprezava a opinião pública e parece ter vivido numa pipa ou barril, cujos bens se resumiam a um alforje, um bastão e uma tigela, terá dito a Alexandre, o Grande, quando este, ao encontrá-lo, lhe perguntou o que poderia fazer por ele, numa posição em que lhe fazia sombra. Diógenes respondeu: "Não me tires o que não me podes dar!"
Os pregoeiros do caos nada nos podem dar, a não ser ruído.
Temos barulho a mais, hienas a mais, carpideiras a mais falantes e “ecrantes”. Temos coisas a menos: serenidade, consciência individual, cooperação, tolerância, respeito, reflexão. Humildade a menos para pensarmos o que faríamos se estivéssemos no lugar do outro, do diretor do hospital, do médico, do enfermeiro, do delegado de saúde, do administrador do lar, do diretor, do secretário, do ministro, do comandante, do que abre e fecha escolas e restaurantes. Em vez disso, recebo notícias de uma porta de um hospital a informar-que está ali uma ambulância com um doente. Havia de estar com quem? Com frangos de churrasco?
Devíamos saber o que é importante. Um raio de sol pode ser suficiente. As catástrofes e o que estamos a viver é um estado de catástrofe, devia ajudar-nos a pensar no que é essencial para cada um de nós. Eu sinto falta de Liberdade e excesso de Perversidade!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:14

Quinta-feira, 18.02.21

Marcelino da Mata - Adão Cruz

o balanço das folhas3a.jpg

 

Adão Cruz  Marcelino da Mata

   Gostaria de ser o mais sucinto possível. Ninguém me fale da guerra se a não viveu. Todos sabemos que uma boa parte dos enviados para o dito Ultramar foram passar um período de férias, conhecendo a guerra apenas pelo que ouviam. Mesmo na Guiné. Quem, como eu, esteve sempre na frente e no coração dos conflitos, apesar de correr menos riscos pelo facto de ser médico, tem direito a uma palavra sobre esta polémica dificilmente tragável.
Nas terras onde estive, tornei-me amigo de toda a gente, desde os militares às milícias nativas agregadas ao exército português e às populações locais. Eu amava aquela gente e sei que me amavam. Quem me conhece sabe, através da minha escrita e dos meus testemunhos públicos e privados que isso é verdade. Eu amava aquela gente e aquele povo, que não era a minha gente nem o meu povo, mas a gente e o povo de Marcelino da Mata. Não vou aqui relatar as provas por muitos amigos conhecidas, do afecto com que aquele povo me retribuiu o amor que lhe dei e que ainda hoje é uma força vital que me enche o peito e nunca morreu.
As milícias negras locais, como todos sabem, faziam parte das nossas Companhias e lutavam ao lado do exército português, como Marcelino da Mata. Fui amigo de muitos deles, tratei-os e tratei as suas mulheres e filhos com todo o carinho. Um deles, que me lavava a roupa e limpava o quarto, foi sem dúvida um dos meus maiores amigos da Guiné. Muitos deles eram soldados intrépidos e corajosos, mas eu não os admirava. Tinha pena deles, pela sua incapacidade de reconhecerem quem era o seu verdadeiro inimigo, tinha pena deles por não os ver ao lado de Amílcar Cabral, Titina Silá, Nino Vieira e tantos outros que lutavam pela mais justa das causas que era a libertação do seu povo. E tinha pena dos nossos militares, não só dos que nada sentiam de patriótico ao saberem que foram para ali empurrados para defenderem uma coutada da Cuf e da Casa Gouveia, mas também daqueles que cometiam atrocidades e andavam com colares de orelhas ao pescoço, e ainda daqueles que arriscavam corajosamente a vida por um dever que lhes fora inculcado na cabeça, a defesa da soberania.
Eu não queria que os nossos homens morressem. Sofri muito com as perdas dos nossos soldados e oficiais, alguns meus grandes amigos, incluindo o meu colega de quarto, mas nunca fui capaz de culpar os guerrilheiros. Sempre culpei Salazar e o Estado Português. E confesso que também sofria e ficava muito triste quando havia perdas do lado do “inimigo”. Ansiando sempre que não houvesse mortos e feridos nas diversas operações, quer de um lado quer de outro, o meu coração triste lá ia sorrindo à medida que eu me ia convencendo de que a guerra estava mais do que perdida.
Eu amei muito e ainda amo a gente e o povo que não era a minha gente e o meu povo, era a gente e o povo de Marcelino da Mata, a gente e o povo que Marcelino da Mata matou e atraiçoou. Nem mesmo retirando-lhe, se possível fosse, as chacinas e atrocidades que cometeu, mais monstruosas do que as de muitos brancos, se poderia pensar em chamar-lhe herói. Deixo à vossa consciência as conclusões que quiserem retirar desta minha pura e sincera confissão.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 13:48

Terça-feira, 02.02.21

Sobre um texto de Adão Cruz - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  Sobre um texto de Adão Cruz

021-(100x80)---2010a.jpg

(Adão Cruz)

 
  

   É difícil encontrar o caminho rectilíneo da objectividade no mundo de memórias e sentimentos que me ligam ao meu irmão. Percorrendo os corredores do tempo, numa vivência de total cumplicidade de ideais e de valores, somos árvores irmãs, nascidas da mesma semente, enraizadas no mesmo ventre que cresceram afagadas pelo mesmo sol, fustigadas pela mesma chuva e pelo mesmo vento. Vestiram-se de rosas e espinhos, e nos seus ramos cantaram todos os pássaros que ali fizeram ninho. Deram frutos feitos de sonhos, tanta vez roubados às estrelas. Na sua folhagem nasceu a Primavera, que a vida foi lentamente murchando até o Inverno chegar. “Não há volta a dar-lhe”. A Primavera vai e volta sempre, mas a vida não volta mais. O sonho verde, levando o mundo pela frente, toma agora as cores do fim da tarde. O tempo rodou, e a vida foi-se encurtando deixando cada vez mais  longe a Primavera.

Grande parte da vida de meu irmão cruzou-se com a minha e também por esta terra passou. As alegrias e as tristezas que o ligam ao seu velho consultório também por mim e pelos meus foram partilhadas. Também nós sentimos a falta dos curtos momentos da hora de almoço, das breves e sãs conversas, das trocas de opinião, do alívio, ainda que momentâneo, do stress que o trabalho a todos nos trazia.

Resta dizer que fica para trás uma doce e amarga saudade. Numa análise o mais objectiva possível, e num julgamento criterioso e autêntico, foi o dever  cumprido. Fica, porém, a nudez daquilo que não foi feito.

Esperando que me desculpem a influência da amizade e dos laços familiares, não ficaria bem com a minha consciência se, nesta fase da vida, deixasse de dizer que a imagem que se impõe do meu irmão é de força e confiança, de inteligência, de espírito combativo, de coragem e audácia, de emoções fortes e sentimentos sãos, de nobreza e generosidade. Numa irrequietude constante, persegue a ciência e a arte à procura da sua essência e faz dela a sua crença. Aí assenta todo um exemplo de vida, na tentativa de agregar a humanidade na mudança para um mundo melhor, mais justo e entendível. A mão que cura é a mesma mão que pinta, que escreve, que acarinha, que afaga. A mão da sabedoria do médico, a mão poética da pintura, a mão colorida do poeta e do escritor, a mão solidária na firmeza do amigo.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:24

Sexta-feira, 15.01.21

Trova do vento que passa - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  Trova do vento que passa

adriano correia de oliveira.jpg

   A lareira a crepitar, a árvore de Natal ao lado a tremeluzir, e a saudosa voz de ADRIANO libertando-se de um antigo LP de vinil, a rodar no velho gira-discos Dual, trazido da Alemanha pelos amigos Margitte e Jürgen.

Trova do vento que passa…!

Deixei-me levar nas asas do vento que passa, e no infindo écran da memória vi-me a percorrer a calcetada e estreita Rua do Loureiro, na velha Alta Coimbrã, tão estreita que nela mal cabia a largura de um carro. Os peões tinham de se enfiar na ombreira das portas para lhe dar passagem. Na esquina com a travessa da Matemática, lá estava o número 16, a casa da Dr.ª Virgínia Gersão, tia da escritora Teolinda Gersão e como ela também escritora e interventora parlamentar com trabalhos sobre o Ensino. Fora a grande paixão do Menano. Ficara solteira para criar dois sobrinhos que cedo se tornaram órfãos de pai e mãe. Recebia como hóspedes meninas universitárias. Paralela à Rua do Loureiro, na Rua da Matemática, morava o ADRIANO, no número 6, na Real República do RásTe parta. Com ele várias vezes me cruzei e lembro-me de ter votado na lista para a Associação Académica que incluía o seu nome. Ainda a Velha Academia era perto das Escadas de Minerva, iniciando-se a sessão com três pancadas de martelo. Acompanhava-me sempre a grande amiga Lídia Gama que infelizmente já partiu. Minha companheira de quarto, foi mais tarde  médica pediatra no Hospital da Estefânia. Mais velha do que eu, muito com ela eu aprendi. Uma personalidade que se impunha naquela sociedade machista dos anos sessenta, em que as estudantes ficavam queimadas se eram vistas duas vezes na Baixa. A Lídia era um exemplo de inteligência, sabedoria, ética e estética. Uma mulata esguia, linda, de olhos amendoados, angolana, filha de pai branco da alta sociedade. Era da JUC, mais tarde do Graal, sendo através dela que conheci a engenheira Lurdes Pintassilgo.

Trova do vento que passa…!

Na Rua do Loureiro, para além da nossa casa, havia de um lado a casa mãe, onde tomávamos banho e eram servidas as refeições, e do outro lado os quartos das estudantes. Havia ainda a casa de um médico, o Dr. Castela, primo da Lídia, e a casa de um explicador de matemática de cujo nome já não me recordo. Entre os restantes havia gente humilde e pobre. O Sr. Luís sapateiro que me fazia o nó da gravata sempre que eu vestia o traje académico e a pobre Sofia, com uma ninhada de filhos de um amante, que herdaram o sobrenome do marido. No casebre do rés-do-chão lá estava sempre uma chupeta de pano atada com um cordel, e ao lado uma pequena malga com açúcar para a adoçar e calar o mais pequenito. A própria Lídia, pessoa muito respeitada, ao passar a caminho da Faculdade, se via o puto a chorar, entrava, metia a chupeta no açúcar, enfiava-lha na boca e a criança calava-se. No nosso quarto havia um gira-discos que tocava para a rua toda. Logo pela manhã, a Lídia abria a janela e punha o som no máximo. No quarto, quase não nos ouvíamos, de tão alta a música. Édith Piaf, Charles Aznavour, Gilbert Bécaud, André Claveau, Jacques Brell, Yves Montand. Canções  como La vie en rose, Milord, Mourrir d´Aimer, Et maintenant, Dominó, La chanson des vieux amants, Les feuilles mortes voavam pelo ar enchendo a rua de lés-a-lés.

Trova do vento que passa… !

Na travessa da Matemática morava a Hermengarda, mesmo em frente a uma das janelas do nosso quarto, uma das conhecidas prostitutas da Alta Coimbrã. A Lídia chegou a ir a casa dela dar-lhe injecções. A Hermengarda punha um vaso à janela sempre que estava ocupada. Nas noites cálidas de Verão, quando só era possível estudar de noite, ouviam-se vozes aqui e além, sem se saber de onde, a ler e reler as velhas páginas da sebenta. A Hermengarda, de vestido de veludo preto sem mangas, saía com um cântaro de barro à cabeça a buscar água à Torre de Anto, perto do célebre Quebra Costas e dizia: - Boa noite doutor. Como ninguém lhe respondia, ela replicava: - Ai UniversidadeUniversidade, que educação dás tu a esta gente!

Coimbra foi e é realmente Uma lição de sonho e tradição…  

Trova do vento que passa…!

A lareira crepitava cheia de lume, e o disco ainda rodava como que tocado pelo vento. Ouvi então a serenata na Rua do Loureiro, tangida por um grupo de capas negras, iniciada pelo estilhaço provocado por uma pedra que alguém atirou ao lampião, ficando a rua às escuras, apenas com o luar bem aberto no céu negro. Era da praxe apagarem-se as luzes, e assim fizemos na nossa casa. Um sussurro nas escadas e um murmúrio de vozes no nosso quarto aos primeiros acordes da guitarra. Reconheceram na noite a voz do ADRIANO amparada pela guitarra do OCTÁVIO. O Octávio Sérgio, brilhante guitarrista de Zeca Afonso era amigo daquele que um dia veio a ser o meu marido. Cantaram, entre outras canções, a Senhora do Almortão. Quando se ouviu minha maçã camoesa criada no Paraíso, todas disseram que a serenata era para a Eva. Mais tarde vim a confirmar que sim. Um estudante algarvio, de medicina, que me perseguia quase há um ano e que muito me intrigava fora o autor da proeza. Muito alto, de olhos verdes, sempre de capa e batina, fumava cachimbo Mayflower, escrevia versos para a Via Latina e Briosa. Diziam que era do reviralho. Falava-me em cortina de ferro e eu só conhecia cortinas de pano, dizia-se ateu, e eu era menina da JUC, de comunhão diária. Ele achava-me uma criança e dizia que o atraía o meu ar angelical. Para mim, ele era o diabo em figura de gente. Anos mais tarde voltou a Coimbra, telefonou lá para casa e logo reconheci a sua voz quente e meiga. Disse-me que viera a Coimbra em romagem de saudade e que ia partir para a guerra de Angola. - Peço-lhe que me deseje boa sorte. Se morrer, lá a encontrarei nesse céu em que a Eva acredita e eu não. Constou que mais tarde fora parar ao Tarrafal.

Trova do vento que passa…!

…Mas há sempre uma candeia

Dentro da própria desgraça

Há sempre alguém que semeia

Canções no vento que passa.

…e o vento passou… e com ele levou o ADRIANO, mas o vento não teve força para enfrentar  a força da melodia dessa voz que nunca nos deixou. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 16:32

Terça-feira, 12.01.21

Almas grandes - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Almas grandes 

CL71a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

 

   Há almas grandes, almas pequenas e almas…sem alma. Eu penso que quem sente necessidade vital da escrita ou de qualquer outra forma de expressão artística, seja autor, leitor ou contemplador, procura nela o mais sublime sentimento humano, o amor. Não é fácil, porque tenham de inato aquilo que tiverem, os sentimentos vivem-se, constroem-se, estruturam-se, apuram-se e afinam-se. Para o bem… e para o mal, infelizmente.

Quem quer que o consiga perceber talvez possa estar no caminho das almas grandes. E o que será, no meu entender, uma alma grande? Qualquer um de nós pode ser uma alma grande, uma alma pequena ou uma alma…sem alma.

Sem introduzir aqui quaisquer conceitos ou critérios de moralidade ou natureza mística, eu julgo que uma alma grande é a que consegue subir até àquela espécie de interface que separa a natureza antropocêntrica, mais ou menos egoísta do ser humano e a sua dimensão universal, ainda que esta não seja mais, como sempre tenho dito, do que um belo dia de primavera nos olhos de um prisioneiro. Uma paisagem onde a mente consegue vislumbrar o verdadeiro e autêntico sentimento do cósmico, do verdadeiro e autêntico sentimento do ser e do existir, do verdadeiro e autêntico sentimento do real e incompreendido sentido da vida, do verdadeiro e autêntico sentimento de irmandade humana, do verdadeiro e autêntico sentimento poético e artístico do ser humano, bem como a mais elevada relação do Homem com a dignidade, a honestidade e a fraternidade. Quem ama a arte da vida e a vida da arte procura dar à sua obra ou à sua paixão, muitas vezes de forma mais consciente ou menos consciente, toda a sua alma, tudo o que é, toda a sua vida, toda a sua estrutura mental e cultural.

Por isso eu penso que este amor, o único que enriquece e enobrece todos os nossos processos de humanização, o que mantém limpa e transparente a nossa consciência, o que afina todas as nossas emoções e sentimentos, o que nos aproxima de todos os mecanismos de identificação com a verdade, sim, é ele o difícil mas compensador caminho da harmonia que poderá definir as almas grandes.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 15:51

Quarta-feira, 30.12.20

O açude - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  O açude

CL24a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

   De regresso a casa depois do Natal, vivido como sempre no meu cantinho da aldeia, entre memórias, aletrias, rabanadas e lareira, parei o carro no cimo de um mato que nos pertence, ao ver que alguma coisa me havia despertado inesperadamente a atenção. Na margem da estrada, no local onde toda a vida se erguera uma cortina cerrada de árvores e arbustos, surgiu uma ampla clareira que deixava a descoberto uma paisagem que nunca dali se avistara.

Os meus olhos poisaram de imediato no rio que ao fundo corria por entre os lameiros, dobrando-se sobre um farto açude que ao brilho do sol poente tomava a cor da prata. O riacho, pouco mais largo do que uma ribeira em dias de Verão, levava agora tanta água que parecia um grande rio, todo vaidoso do seu caudal engrossado pelas chuvas abundantes deste Inverno.

Por ali me vi e me revi, pequenita, pela mão de meu pai, que de vez em quando ia ver as terras que tínhamos ao longe, arrendadas e feitas pelos caseiros. Saber como iam as coisas, se era boa a nascença, se era respeitada a lei da rega, se algum talhadouro estava mal talhado, se já pintava o bago, eram razões para a visita de meu pai. Recordo como se fosse hoje o lameiro mesmo à beira do rio, ladeado por uma ramada baixinha, onde havia videiras americanas que pintavam mais cedo. O meu pai tirava alguns bagos mais maduros para eu provar, com a preocupação de algum arejo ou moléstia, por não serem lavados. Naquele tempo, a economia de uma família era a terra, o milho e o vinho. Uma má colheita era um desastre para caseiros e senhorios.
 
Ali me mantive por alguns momentos, deixando os meus olhos fundir silenciosamente presente e passado, desfolhando páginas esquecidas deste saudoso álbum a preto e branco da minha infância. Senti que poisavam no açude como as borboletas brancas que as minhas mãos pequeninas tentavam caçar. A mesma natureza, o mesmo cenário, o mesmo palco, agora vazio, sem história nem actores. Talvez ainda houvesse crisálidas… e ainda nascessem borboletas, voando sobre a água e as flores a ligar as dobras do tempo. Meti-me no carro e rumei a casa com os olhos cheios de água… do açude.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:32

Segunda-feira, 07.12.20

Branca de neve - Eva Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Eva Cruz  Branca de neve

129850955_4089029434458179_3820320009621484237_o.j

 

(fotografia de Adão Cruz)

   A serra é mágica na sua simplicidade. Vestida de mimosas, pintada do amarelo do tojo e da giesta, rosada da urze, pintalgada de outono, despida de folhas, cinzenta das fragas, negra de breu, branca de neve, a serra é alma e coração de quem a ama. Mar de frescura, porto de abrigo, lar de aconchego, horizonte de liberdade, é a serra que nos solta os pés para chegarmos ao céu.
Sempre amei a serra. Desde criança que os meus olhos aprenderam a vê-la ao longe, erguendo-se sobre o vale, dourada de sol e de lua, prateada de neblina, flamejada de relâmpagos, praguejada de trovões ou serenamente abraçada de arco-íris.
A Serra da Freita é um tesouro que nunca me canso de visitar porque nunca me cansa o seu regaço. Desde muito nova que lhe conheço os caminhos por mais avessos que sejam, quando nem estradas havia. Ao fim de muitas horas, de cajado na mão, lá chegávamos ao cimo, por estreitos carreiros talhados no chão pelo andar de muitos anos e de muitos pés. Nunca da memória se esvai o prazer do saboroso farnel, a toalha estendida sobre as lajes ou nas margens do rio Caima por ali nascido, ainda criança, de água saltitante e cristalina, desconhecendo o abismo que mais à frente o há-de precipitar de uma altura medonha, na Frecha da Mizarela.
Hoje, não é assim. O carro vai onde quer que seja e nós não resistimos a fazer-lhe a vontade, como aconteceu. De outra forma, a idade nunca poderia aceitar a constante sedução da sua íngreme subida e o repouso do seu planalto. O sol abriu, e apesar do frio, apetecia respirar aquele ar puro que tudo parece limpar dentro de nós. A meio do caminho, porém, uma insidiosa cortina cinzenta parecia coar lentamente a luz do sol, e de repente as árvores e arbustos despidos começaram a vestir-se de um nevoeiro brilhante como num conto de fadas. No ar dançavam gotículas prateadas como numa bola de cristal. Foi tudo tão rápido que não nos apercebemos de que estava a nevar intensamente. Um deslumbramento! Cada vez mais densa, a neve caía em flocos, e em poucos minutos tudo ficou coberto de um manto branco. Como por artes mágicas, a paisagem transfigurou-se por completo numa espécie de fantasia de postal, envolvendo-nos numa inesperada beleza que enchia os olhos e a alma. Por prudência, não subimos mais e retomámos lentamente a descida, deixando Schneewittchen para trás, branca de neve, nostalgia de uma infância encantada pelos contos dos Irmãos Grimm. Talvez, quem sabe, os Sete Anões andassem por ali, mas já não tivemos coragem de os procurar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:07



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Um testemunho enternecedor.Eva

  • Maria Jose Brito

    Grande texto que nos faz refletir... Muito!

  • Anónimo

    Excelente reflexão! É escandaloso , mas apetece di...

  • Anónimo

    Fui alferes de justiça em Moçambique. Marcelino te...

  • Augusta Clara

    Infelizmente, agora, é assim e não percebo porquê....


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos