Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias


Quarta-feira, 14.12.16

Ler, vender romances e fazer mágicos - Carlos Vale Ferraz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Carlos Vale Ferraz  Ler, vender romances e fazer mágicos

 

carlos matos gomes3.jpg

 

InComunidade, Ano 4, Edição 51, Dezembro 2016

 

   Como tantos outros escritores sou às vezes convidado para falar dos meus romances em escolas e noutros locais, para almoços, jantares, tertúlias. Falo com professores, leitores, editores, bibliotecários, livreiros, pessoas que gostam de livros, de romances. Muitas vezes com elevadas habilitações, com muito maior experiência do que eu de contacto com jovens e menos jovens. Ganhei de todas as conversas, charlas e encontros um enorme capital que devia ser de esclarecimentos, mas acumulei dúvidas e perplexidades. Nenhuma das causas para os males da leitura de romances que tenho ouvido me parece responder a essas dúvidas. Existe uma questão comum nas explicações: porque não lêem os jovens, porque não se lê em Portugal? Reuni um catálogo com razões para todos os gostos. Acredito na validade de todas elas: a civilização do imediato, que não concede tempo para a leitura, as novas tecnologias, as intermetes, os tabletes, os telemóveis, os headphones, a cultura do indicador e do polegar, do teclado e do ecrã tátil. A preguiça do ver em vez do ler e do pensar, o pronto-a-vestir das ideias e dos conceitos, a facilidade do Google em vez da complexidade do pesquisar, o caminho direto em vez do labirinto. Ler cansa os olhos, pesa no bolso.

Sinceramente, penso que boa parte da responsabilidade pelo afastamento das pessoas ditas normais, jovens e menos jovens, é dos escritores e daqueles que deviam ser os seus agentes, os editores e os promotores dos livros de ficção. Tenho-me aproximado desta conclusão aos poucos, à medida que vou ouvindo as apresentações que fazem de mim e de colegas meus nessas sessões. Um bilhete de identidade um pouco mais desenvolvido: Local e data de nascimento, lista de obras, resumida, e aqui está o senhor que temos muito prazer em receber e a quem agradecemos a presença. É assim numa sala de aulas, num anfiteatro de biblioteca, num estúdio de televisão. Cá está um funcionário que escreve livros, igual a um operário que faz tijolos. Alguém está interessado num tipo que faz tijolos? Numa criatura ensimesmada, sem charme, que não causa “pica”(embirro com “pica”, mas…), que agradece humildemente falar da sua obra?

Os professores de português, de literatura, os críticos, os jornalistas culturais explicam o romance, ou o conto como um engenheiro civil explica o tijolo: através da composição química, da resistência aos elementos, do número de buracos tem, se não for tijolo burro, da utilidade: quantos tijolos são necessários por metro quadrado. Os mestres literários falam dos romances e dos contos do mesmo modo: o tema principal da obra é, por exemplo, a eterna luta do bem contra o mal, dos tempos da narrativa, das personagens principais e secundárias que variam entre o herói e o anti-herói… Cinco minutos depois o escritor está enterrado, assim como a obra. Aquela criatura carrega os males do mundo, reflete sobre o destino da humanidade, trabalha como um escravo, mas audiência já está noutro lado. Depois o escritor fala, nos casos mais comuns leva-se a sério, assume o seu papel de pensador, de herói ignorado da luta pela cultura nacional tão ameaçada, é um agente cultural que ali está. Ninguém compra esta cultura nacional tendo a selecção nacional de futebol no Palácio de Belém, ou sessões pornográficas em contínuo na Televisão da Teresa Guilherme, ou as sessões da tarde do Portugal é nosso, com concertinas e adolescentes gorduchas a dar à perna para a plateia nacional O escritor é um oráculo, mas isso também é uma senhora que vende horóscopos na televisão. Nos casos mais próximos da imortalidade fala do Homem, mas isso fazem os pastores da igreja maná a multidões nos estádios! O Homem onde tudo começa e acaba. Do Homem entendido como ser humano. Quando o escritor fala do Homem e da sua transcendência – e acreditem que este é um tema das sessões de promoção de romances e escritores, já a audiência está a pensar no jantar, nas férias, nos números da lotaria. E depois há o tema dos sentimentos, que são como os fundos dos mares, mais ou menos profundos. No final, o que levará alguém a ler o tijolo que um operário construiu com o que tinha à mão e com tanto esforço? E a comprá-lo?

Não, o culpado pela seca, pela falta de interesse não são as novas tecnologias, nem a cultura do imediato. A culpa é da chatice dos editores, promotores e escritores. A mais moderna estratégia para ultrapassar o interesse pela literatura é fazer de escritor-palhaço. Quem trata do assunto entendeu que, para incentivar a leitura de um romance, o escritor deve rapar o cabelo, colocar brincos nas pálpebras, cantar um fado, fazer o pino, contar anedotas. Há quem siga esse caminho. Não existindo matéria-prima literária, embrulham a redacção que lhes saiu do computador numa outra capa – que quem tem sempre escapa. Pode ser uma sessão espirita ou a apresentação do ou da namorada, do cão, do gato. Até de um prato de bacalhau. É o truque do escritor feira de enchidos, muito vivenciado e experienciado.

Tenho passado por todas estas dúvidas. Os livros electrónicos vendem mal, os escritores electrónicos também. Os dos programas da manhã são abafados pelas capitosas apresentadoras, os da tarde pelos que andam de mal de amores e das cruzes. Resta a pergunta: para onde foram os antigos leitores de romances? Os concertos estão cheios. Tanto os de música clássica como os das modernas expressões de efeitos especiais. Idiotas sobre um palco enchem salas e escritores tão idiotas como eles são votados ao desprezo, a questão não está na qualidade, nem na indigência, nem no que escrevem nas letras a acompanhar as músicas ou nos romances. Os estádios de espectáculos desportivos estão cheios e as livrarias vazias. E não se escreve melhor com os pés do que com as mãos. Em geral, claro. Os romances são difíceis de perceber, também a lenga-lenga do rap!

Onde está então a diferença entre um concerto, um jogo de futebol e um romance? Há a questão do grupo, do sentido de pertença a uma tribo, a um grupo, a um gangue. Os fans de um músico ou cantor, os adeptos de um clube ou de um jogador sentem o prazer da exibição da pertença, a excitação da matilha que vai à caça. Contra essa excitação a leitura de romances nada pode. Mas pode competir noutras áreas. O romance e o escritor têm uma qualidade que os distingue: são criadores de fantasias. São mágicos e têm de ser apresentados como mágicos. Eu gostava – tenho pensado nisso – de ser apresentado assim, ao som do rufar de tambores: Este senhor (Carlos Vale Ferraz, no caso) criou (criou e não escreveu) uma história que ninguém viveu ou viverá! Criou personagens que os leitores podem encontrar na rua, mas que nunca serão as que o respeitável público julga conhecer e terão pensamentos sobre a vida que talvez reconhecem de outros lugares, de outras pessoas. Este senhor já ouviu mortos falarem da sua vida. É verdade, acreditem. Leiam o que ele tem aqui dentro deste livro. E conheceu um tipo numa floresta de África que andou três dias com um amigo às costas até o salvar e o amigo só se manteve vivo para não o desiludir! E descobriu um homem que nunca se apaixonou até ao momento em que… Também criou uma mulher que escondeu o filho até ele enfrentar quem a desprezou e sabem como? Coisas assim. Se os escritores fossem apresentados como mágicos, em vez de homens que dão conselhos, que mergulham nas profundezas do ser… trabalhadores da escrita! Não os escritores não são trabalhadores da escrita, não são sequer trabalhadores. Fogem do trabalho inventando outros mundos! Se os livros fossem apresentados como caixas de segredos de onde saltam histórias maravilhosas, criminosos, amantes, mulheres louva-a-deus julgo que haveria muito mais leitores para os romances e para os contos. Digo eu…

Carlos Vale Ferraz

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 20:30

Sábado, 23.04.16

Um livro - Jorge Luís Borges

Jorge Luís Borges  Um livro

 

(Maria Helena Vieira da Silva)

 

 

Apenas uma coisa entre outras coisas

Mas também uma arma. Foi forjada

Na Inglaterra, em 1604,

E carregada com um sonho. Encerra

O som, a fúria, a noite e o escarlate.

A minha mão sopesa-a. Quem diria

Que contém o inferno: essas barbudas

Bruxas que são as parcas, os punhais

Que executam as duras leis da sombra,

O delicado ar desse castelo

Que te verá morrer, a delicada

Mão que é capaz de ensanguentar os mares,

O clamor e a espada da batalha.

Esse tumulto silencioso dorme

No espaço de um só livro, na tranquila

Prateleira da estante. Dorme e espera.

 

(in História da Noite, Obras Completas, Teorema)

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 15:00

Quinta-feira, 14.04.16

A lembrar-me de alguns belos contos de escritores portugueses ou de língua portuguesa - Augusta Clara

 

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Augusta Clara  A lembrar-me de alguns belos contos de escritores portugueses ou de língua portuguesa 

 

10442368_448100622010409_1647457651088673109_n.jpg

 

- OS DESASTRES DE SOFIA - Clarice Lispector
- OS AMANTES - Jorge de Sena
- OS AMANTES - David Mourão-Ferreira
- O ECLIPSE - Maria Teresa Horta
- O JANTAR CHINÊS - Maria Ondina Braga
- CHUVA - Carlos de Oliveira
- MINSK - Gracliano Ramos
- O MISTÉRIO DA ÁRVORE - Raúl Brandão
- YASMINA E OS SEUS AMORES - Mário de Carvalho
- A REVOLUÇÃO - Aquilino Ribeiro
- O AVIADOR- Florbela Espanca
- EIRENE - Hélia Correia
- O PONTO DE VISTA DAS GAIVOTAS - Ana Teresa Pereira
- A PROVA DE FORÇA - Branquinho da Fonseca
- BEIJINHOS NO ROSTO - Rubem Fonseca

E hoje ficamos por aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 16:00

Terça-feira, 23.04.13

DIA MUNDIAL DO LIVRO. O direito de ler não importa onde - Daniel Pennac

 (Muhammed Muheisen)

   (Tradução do francês por Francisco Paiva Boléo)

   Châlons-sur-Marne, Inverno de 1971.

Caserna da École d'Application d'Artillerie.

Na distribuição matinal de tarefas, o soldado de 2ª. classe, Fulano (n.e 14672/1, bem conhecido nos Serviços), oferece-se sistematicamente como voluntário para a tarefa menos desejada, mais ingrata, frequentemente atribuída a título de sanção e que é um verdadeiro atentado à honra de qualquer um: a lendária, a infamante, a inominável tarefa das latrinas.

Todas as manhãs.

Com o mesmo sorriso. (Interior)

—  Tarefa das latrinas?

Ele dá um passo em frente:

—  Fulano!

Com a gravidade que antecede o assalto, agarra na vassoura de onde pende a serapilheira, como se se tratasse do estandarte da Companhia, e desaparece, perante o enorme alívio dos res­tantes. É um herói: ninguém o segue. Todos ficam na trincheira das tarefas honrosas.

As horas passam. Se calhar perdeu-se. Quase se esqueceram dele. Esqueceram-se dele. No entanto, ao fim da manhã, aparece, batendo os tacões ao relatar o resultado do seu trabalho: «latrinas impecáveis, meu sargento!» O sargento recupera serapilheira e vassoura com uma interrogação no olhar, mas que nunca for­mulará. (O respeito humano a isso obriga.) O soldado faz a continência, dá meia-volta e retira-se, levando consigo o segredo.

O segredo pesa no bolso direito do seu camuflado: 1900 páginas do volume que a Plêiade dedica às obras completas de Nicolau Gogol. Um quarto de hora de esfregão contra uma manhã de Gogol... Todas as manhãs, desde há dois meses, confortavelmente sentado na sala de tronos fechada à chave, o soldado Fulano voa muito por cima das contingências militares. O Gogol todo! Dos nostálgicos Serões da Ucrânia aos hilariantes Contos de Sampetersburgo, passando pelo terrível Taras Bulha, e o humor negro de Almas Monas, sem esquecer o teatro e a correspondência de Gogol, esse incrível Tartufo.

Porque Gogol é o Tartufo que Molière inventou — o que o soldado Fulano nunca teria compreendido se tivesse deixado a outros a tarefa das latrinas.

O exército gosta de festejar feitos de armas.

Do soldado Fulano, restam dois alexandrinos, gravados bem alto no metal de um autoclismo, e que se incluem nos mais sumptuosos da poesia francesa:

Sim, posso sem mentirsenta-te, pedagogo Afirmar ter lido todo o meu Gogol nas latrinas. *

(Por seu lado, o velho Clemenceau, o «Tigre», também ele um famoso soldado, dava graças a uma prisão-de-ventre crónica, sem a qual, dizia ele, não teria nunca tido a felicidade de ler as Memórias de Saint-Simon.)

______________

* A tradução não pode restituir a ironia que resulta das palavras utilizadas: «Oui je peux sans mentir, assieds-toi, pédagogue, / Affirmer avoir lu tout mon Gogol aux gogues.» (N. do T)

 

(in Daniel Pennac, Como Um Romance. Edições ASA)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 09:00



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos