Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias


Quinta-feira, 16.04.15

ISRAEL e a NIGÉRIA - Augusta Clara de Matos

o balanço das folhas1.jpg

 

Augusta Clara de Matos  ISRAEL e a NIGÉRIA

 

khalida jarrar1.jpg

 

wole soyinka.png

 

 

 

(Wole Soyinka e Khalida Jarrar)

 

 

       A Nigéria teve, desde a independência, vários governos ditatoriais. Perto do fim do século passado estava no poder um sanguinário ditador chamado San Abacha - morreu em 1998 numa orgia com prostitutas tailandesas que mandava buscar com frequência - que levou grande parte da oposição a exilar-se. Entre os que saíram encontrava-se Wole Soyinka, Nobel da Literatura e um homem muito respeitado pelas várias etnias do país. Porém, mesmo no exílio, os opositores tinham de ter os maiores cuidados e viver numa semi-clandestinidade dado que a polícia política de Abacha estendia os tentáculos procurando encontrá-los nos mais recônditos lugares.

Curiosamente, conta Soyinka nas suas Memórias, ao ter sido convidado para estar presente num encontro literário em Jerusalém, acabou por saber, por acaso, que quem organizava e compunha a segurança política de Abacha era, nada mais nada menos, que a MOSSAD.

Hoje sabemos que Israel protege e trata os terroristas feridos do ISIS (EI ou DAESH) e que prendeu a representante palestiniana no TPI, Khalida Jarrar.

O que têm estes judeus (sionistas) a ver com os mártires dos campos de concentração nazis?

 

Fonte: Wole Soyinka, É Melhor Partires de Madrugada, Pedra da Lua

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 08:00

Sexta-feira, 12.09.14

Afinal quem criou o monstro? - Telmo Vaz Pereira

 
Telmo Vaz Pereira  Afinal quem criou o monstro?
 
 
22 de Agosto de 2014
 
   As revelações recentes de Edward Snowden, de acordo com especialistas, não constituiu uma surpresa absoluta, já que ficou no passado comprovado pelos documentos secretos publicados pela Wikileaks de Julian Assange, que Osama bin Laden da Al-Qaeda foi uma criação da CIA, treinado em Langley, Virgínia, e posteriormente financiado e armado pelo governo americano para que a sua organização combatesse os soviéticos que ocupavam o Afeganistão. Depois da retirada do vencido exército russo daquele território, a criatura ficou fora do controlo do criador, para quem virou as suas armas.
Ironicamente, o Estado que secretamente fabrica, treina, arma e financia terroristas e recorre a eles para combater os seus adversários, é o mesmo que elabora uma lista das organizações e dos seus líderes "mais procurados", não constando dela nenhum dos presidentes norte-americanos, assim como estabelece quais são as organizações "terroristas" a perseguir com prioridade, conforme os seus desígnios e conveniências, encontrando-se entre estas movimentos de libertação nacionais ou organizações que lutam pela independência como foi o IRA ou a ETA, assim como a OLP de Arafat ou ainda mais recentemente o Hamas que luta contra a ocupação sionista do território palestino. Recorde-se que no passado também constaram por exemplo dessa lista os Tupamaros (do actual presidente Jose Mujica do Uruguay), os Sandinistas da FLSN na Nicarágua, assim como o MPLA de Angola e ao mesmo tempo que financiavam a UPA de Holden Roberto, o PAIGC da Guiné-Bissau e a FRELIMO de Moçambique, bem como os seus líderes em finais dos anos 50 e princípios dos anos 60, e simultaneamente forneciam armamento através da NATO ao ditador Salazar para combater os "terroristas" das colónias africanas.
Agora, Edward Snowden, o antigo funcionário da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, sigla em inglês) refugiado em Moscovo, revelou que os serviços de inteligência britânica (MI6), norte-americana (CIA) e de Israel (Mossad) colaboraram na criação do grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) ou ISIS, na sigla em inglês.
Snowden revelou que os serviços de inteligência daqueles três países - EUA, Reino Unido e Israel -, cooperaram juntos a fim de criarem uma organização terrorista que fosse capaz de atrair todos os extremistas do mundo para um só lugar que lhes interessasse, dentro de uma estratégia batizada como “O Ninho dos Zangões” (The Hornet’s Nest). Os documentos revelam que o "Calif" Abu Bakr Al Baghdadi, líder da organização ISIS, fez um intenso treino militar através da 'Mossad', inteligência de Israel, primeiro nesse país e depois com a CIA numa base militar secreta na Jordânia. Para além do treinamento militar, Al Baghdadi estudou técnicas de comunicação e oratória com a orientação de especialistas americanos e sionistas para atrair "terroristas" de todos os cantos do mundo.
Os documentos da NSA mencionam “a recente colocação em prática de um velho plano britânico conhecido como o ‘Ninho de Vespas’ para proteger a entidade sionista e criar uma religião fanática que inclua lemas islâmicos e que repudie qualquer outra religião ou seita”.
Segundo os documentos divulgados por Snowden, “a solução encontrada pelos países envolvidos para proteger o Estado judeu-sionista foi criar um inimigo próximo de suas fronteiras, mas dirigi-lo contra os movimentos de resistência e estados islâmicos que se opõem a Israel”.
Também desta vez, a criatura está fora do controlo do criador.
Foto: AFINAL QUEM CRIOU O MONSTRO ? As revelações recentes de Edward Snowden, de acordo com especialistas, não constituiu uma surpresa absoluta, já que ficou no passado comprovado pelos documentos secretos publicados pela Wikileaks de Julian Assange, que Osama bin Laden da Al-Qaeda foi uma criação da CIA, treinado em Langley, Virgínia, e posteriormente financiado e armado pelo governo americano para que a sua organização combatesse os soviéticos que ocupavam o Afeganistão. Depois da retirada do vencido exército russo daquele território, a criatura ficou fora do controlo do criador, para quem virou as suas armas. Ironicamente, o Estado que secretamente fabrica, treina, arma e financia terroristas e recorre a eles para combater os seus adversários, é o mesmo que elabora uma lista das organizações e dos seus líderes "mais procurados", não constando dela nenhum dos presidentes norte-americanos, assim como estabelece quais são as organizações "terroristas" a perseguir com prioridade, conforme os seus desígnios e conveniências, encontrando-se entre estas movimentos de libertação nacionais ou organizações que lutam pela independência como foi o IRA ou a ETA, assim como a OLP de Arafat ou ainda mais recentemente o Hamas que luta contra a ocupação sionista do território palestino. Recorde-se que no passado também constaram por exemplo dessa lista os Tupamaros (do actual presidente Jose Mujica do Uruguay), os Sandinistas da FLSN na Nicarágua, assim como o MPLA de Angola e ao mesmo tempo que financiavam a UPA de Holden Roberto, o PAIGC da Guiné-Bissau e a FRELIMO de Moçambique, bem como os seus líderes em finais dos anos 50 e princípios dos anos 60, e simultaneamente forneciam armamento através da NATO ao ditador Salazar para combater os "terroristas" das colónias africanas. Agora, Edward Snowden, o antigo funcionário da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, sigla em inglês) refugiado em Moscovo, revelou que os serviços de inteligência britânica (MI6), norte-americana (CIA) e de Israel (Mossad) colaboraram na criação do grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) ou ISIS, na sigla em inglês.Snowden revelou que os serviços de inteligência daqueles três países - EUA, Reino Unido e Israel -, cooperaram juntos a fim de criarem uma organização terrorista que fosse capaz de atrair todos os extremistas do mundo para um só lugar que lhes interessasse, dentro de uma estratégia batizada como “O Ninho dos Zangões” (The Hornet’s Nest). Os documentos revelam que o "Calif" Abu Bakr Al Baghdadi, líder da organização ISIS, fez um intenso treino militar através da 'Mossad', inteligência de Israel, primeiro nesse país e depois com a CIA numa base militar secreta na Jordânia. Para além do treinamento militar, Al Baghdadi estudou técnicas de comunicação e oratória com a orientação de especialistas americanos e sionistas para atrair "terroristas" de todos os cantos do mundo.Os documentos da NSA mencionam “a recente colocação em prática de um velho plano britânico conhecido como o ‘Ninho de Vespas’ para proteger a entidade sionista e criar uma religião fanática que inclua lemas islâmicos e que repudie qualquer outra religião ou seita”.Segundo os documentos divulgados por Snowden, “a solução encontrada pelos países envolvidos para proteger o Estado judeu-sionista foi criar um inimigo próximo de suas fronteiras, mas dirigi-lo contra os movimentos de resistência e estados islâmicos que se opõem a Israel”. Também desta vez, a criatura está fora do controlo do criador.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 11:00



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos