Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jardim das Delícias


Segunda-feira, 20.01.20

Mãos de hoje que foram de sempre - Adão Cruz

a noite fez-se para amar 1a.jpg

 

Adão Cruz   Mãos de hoje que foram de sempre

unnamed1.jpg

(Adão Cruz)

 

Na noite que já não é noite de madrugadas
perpassa em doce silêncio por entre os dedos dormentes
uma brisa dolente
esquecendo as mãos na paz adormecida.
Por entre os frágeis dedos da quietude e do silêncio
vagueia agora em suave melancolia
o magro regato da secura da vida
arrastando em seu leito rugoso
a triste canção de um tempo sem cor nem movimento.
O lento gesto do abrir destas mãos de tantos anos vividas cai agora em pesado silêncio por entre as malhas da sombra
no impiedoso vazio das mãos cheias de nada.
Foi-se embora a madrugada das manhãs perdidas
no tempo em que o sol sorria entre os sonhos
e as mãos cantavam a força da vida
com ondas do mar por entre os dedos frementes.
No penoso abrir e fechar de mãos
deste plangente gesto do fim do dia
feito canção de tão gélido silêncio
apenas a saudade se aninha em negro fundo
para morrer sozinha.


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 22:24

Segunda-feira, 06.01.20

A tua mão - Adão Cruz

a noite fez-se para amar 1a.jpg

 

Adão Cruz  A tua mão

126a.jpg

(Adão Cruz)

 

 

Como simples aves
damos as asas a caminho do sol
para fugir às lágrimas que a terra espreme.
A luz incendeia a vontade de fugir
mas a mão serena abre o coração à esperança
onde a angústia cresce
por entre músicas perdidas e restos de flores.
Eu continuo o caminho dos lábios que deixaram de suspirar
e dos olhos que pararam de girar
confundidos entre lágrimas e risos.
Eu sigo o longo caminho das sombras
onde as plantas não falam
nem as fontes nem os pássaros.
Mas a mão apertada
mesmo que incrédula
murmura baixinho
que os prados se estendem a nossos pés.
As brandas ondas do mar
deslizam suavemente sobre a areia
cobrindo de espuma o teu corpo sonâmbulo
que à noite desperta
por entre o labirinto dos meus sonhos.
E pelos claustros do vento impaciente
os cabelos de fogo vencem a idade
em que o coração treme sem casa para morar.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 01:06

Sábado, 28.12.19

Poema do desgaste e do contraste - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Poema do desgaste e do contraste

012-2013a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

Há muito que não saía à rua
há muito que não saía fora de mim
em direcção ao meu corpo abandonado
estendido em fria paleta sem cor
sobre um manto de poemas carcomidos
ruídos de musgo e manchas de bolor.

Há muito que não saía à rua
há muito que não sentia a dor
do desprezo da poesia
feita espuma de coisas impalpáveis
escaldantes
abertas e sangrantes
no sofrido labirinto da alma vazia.

Há muito que não saía à rua
há muito que não me apercebia um só momento
do cantar bronco do poeta
em perpétuo e estúpido invento.

Há muito que não saía à rua
há muito que não dobrava a porta deste corpo
abandonado na escuridão de uma noite peregrina
de lacrimosas horas perdidas
em poemas de cinza em cada esquina.

Há muito que não saía à rua
e pisava o chão purulento do degredo
na lama fria dos poemas e do medo
que rompiam as cadeias do meu corpo.

Há muito que não saía à rua
há muito que se apagou a felicidade
mudando o cair da noite e o nascer do dia
em matéria grosseiramente física
de versos telúricos
sem poesia nem liberdade.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:31

Terça-feira, 24.12.19

Entre as mãos e o sonho - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Entre as mãos e o sonho

entre as mãos e o sonho1.jpg

 

(Adão Cruz)

Entre as mãos e o sonho
nascem as coisas
e as coisas são de pedra e água
dor e alegria
cor e sombra
realidade e fantasia.
E também são de poesia
as coisas que nascem
entre as mãos e o sonho.
A criação não precisa de donos
mas de sentimentos
de encontros e desencontros
no desenrolar de cada dia.
As coisas não nascem por destino
mas de acasos
nascem das horas sem tempo
dos dias vividos
entre o ontem e o amanhã
entre a realidade e absurdo
do hoje e agora.
A eterna beleza permanece
entre as mãos e o sonho
a sua luz incendeia a esperança
onde vive a angústia
e o que somos por dentro
desnuda a forma das coisas.
Entre as mãos e o sonho
um vale profundo
uma montanha mágica de silêncio
uma calma harmonia do mar
que nos fazem emigrar
para fora do mundo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 14:00

Quarta-feira, 18.12.19

Vinho verde - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Vinho verde

98a.png

 

(Adão Cruz)

 

O vinho verde, já o disse muitas vezes, foi o meu segundo leite.
Lembro-me muito bem daquelas cheirosas pipas da adega, com torneiras de madeira que chiavam ao verterem nos copos o denso e espumoso verde tinto.
Ainda criança, que bem me sabiam as sopas de cavalo cansado, uma malga de vinho verde tinto com pão de trigo ou boroa migada com açúcar!
Levantavam a alma de um morto, dizia-se.
Hoje acordei às oito e quarenta e cinco, Patxi Andión estava vivo.
Dez minutos depois, às oito e cinquenta e cinco, morreu num acidente de viação em Sória.
Pouco tempo depois, telefonou-me um amigo, e ambos nos queixámos, mutuamente, das nossas próstatas.
A próstata é uma pequena noz que, fisiologicamente, quando se é jovem, tem o papel fundamental de criar o líquido onde os espermatozóides nadam até ao óvulo.
Quando se é velho não serve para nada.
Só serve para chatear.
Para além de outras perrices desagradáveis, obriga-nos a mijar quando não queremos e não nos deixa mijar quando queremos.
Eu e o meu amigo, como medida analgésica e anestesiante, combinámos ir comer aquele leitãozinho que muito apreciamos, logo que possível.
Ainda bem que a próstata, ou “crosta”, como dizia um paciente meu, não se queixa muito com estas escapadelas, por vezes mais eficazes do que silodosinas e finasterides.
Entretanto, como hoje é dia de cozido à portuguesa, acompanhado de verde tinto, eu não posso resistir.Ao meu lado, num daqueles restaurantes dos velhinhos a que por vezes me tenho referido, um a mesa de seis, qual deles o mais serôdio.
Antes de pedirem o cozido, os aperitivos resumiram-se a uma conversa pegada sobre análises, ressonâncias magnéticas e TACs, tudo isto afogado de imediato com a chegada de duas bojudas canecas de tinto.
Dizia um que, no cozido, não havia nada que chegasse à orelheira.
Para outro era o focinho.
Um terceiro afirmava que nada superava a couvinha e a cenoura.
O verde tinto, o segundo leite da minha infância, continuava a fazer milagres, mesmo nesta idade.
Já não para o Patxie Andión, infelizmente, mas para aqueles que, como nós, ainda não chegaram às oito e cinquenta e cinco.
Se isto não é poema, o que é a poesia?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:01

Quarta-feira, 11.12.19

Sobre a mesa branca da Europa - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Sobre a mesa branca da Europa

image001 (8)a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

Sobre a mesa branca da Europa
um copo de vinho à saúde
e o mar imenso
e o silêncio profundo
onde morrem sem eco todos os gritos do mundo.
Sobre a mesa branca da Europa
e uma toalha vermelha de sangue
vermelho como o mar
onde milhares morrem em vão
afogados em milhões de olhos
desta patética civilização.
Sobre a mesa branca da Europa
um copo de vinho à saúde
dando ares de que respiramos
e cada vez mais nos afogamos
no profundo mar da podridão.
Na mesa branca da Europa
um copo de vinho à saúde
da vida abusivamente longa
ou estupidamente curta
que não depende da liberdade
nem do sol nem da justiça
mas do verso mais perverso da crueldade.
Sobre a mesa branca da Europa
um copo de vinho à saúde
deste mundo infame de criminosos
que fazem da morte o ideal sistema.
Sobre a mesa branca da Europa
Um copo de vinho à saúde
da vida derretida à flor da pele
que nada mais permite às palavras
do que o profundo vazio de um poema.
um copo de vinho à saúde
do incerto amanhã da humanidade
como verso perdido
de um poema que bateu no fundo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 18:21

Segunda-feira, 09.12.19

Os meus sonhos - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Os meus sonhos

unnamed1.jpg

 

(Adão Cruz)

 

Repousa na almofada a minha cabeça cansada
de tanto amar os peixes verdes dos poemas
que há nos olhos dos meus sonhos.
Repousa na almofada a minha cabeça cansada
da luz dos corais incendiados
nos olhos verdes dos meus sonhos.
Repousa na almofada a minha cabeça cansada
do verde brilho do mar
que há nos olhos incendiados dos meus sonhos.
Repousa na almofada a minha cabeça cansada
do inquieto desalinho que a lua tece
entre as algas e os sedentos olhos dos meus sonhos.
O amor não tem limites
na utopia dos gestos simples
e das cores dos olhos d’água dos meus sonhos
mas eles acordam na última estrela da madrugada
que se esfuma com o erguer do sol.
E a beleza perde-se
entre o botão da primeira folha verde
e a saudade dos meus sonhos.
E a cabeça cansada de acordar repousa na areia
entre os lábios secos de uma noite de amor.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 11:44

Quarta-feira, 27.11.19

O nosso segredo - Adão Cruz

a noite fez-se para amar 1a.jpg

 

Adão Cruz  O nosso segredo

amor.png

(Adão Cruz)

O mais belo segredo da minha vida
onde o horizonte foge contra o tempo
é só nosso e de mais ninguém.
Onde as sombras negras desaparecem
ele procura ver-me na janela dos teus olhos
e tenta falar-me no silêncio do desdém.

Mais além veste-se de negro
de alma enorme e de pão quente
do eco de tudo à volta do teu ninho
de purpúreos reflexos de sol poente
de vermelho sangue em coração de gente.

Não consigo ver-te assim ausente
sem calor no deserto que aqui mora
sem o dilúvio do desejo permanente
que enche os verdes rios do meu segredo
e adormece sempre nos alvores da aurora.

Tudo me encaminha para os teus braços
quando te sentas à porta da minha idade
nesta entrada de enganos e algemas.
Mas o segredo que encarna a vida
presa nas mãos livres e serenas
veste de beleza a mentira da verdade.

Quase me obriga a pedir ao vento
uma lufada de Primavera e sentimento
mas as palavras fazem ninho
no mais doce recanto do sofrimento
e adormecem de mansinho.

Vou embora…
são horas de saber se a vida vale a pena
no dobrar dos avessos e fantasias.
Junto ao rio que os sentidos fazem e desfazem
vou correr para o lado da nascente
sabendo que o rio me arrasta para o fim da tarde
na implacável força da corrente.

Ainda bem que esta margem é clara e amena
e do outro lado é tudo escuro quase negro
mas quando o fogo queima o pensamento
até o segredo azul de um pálido coração
escondido no ventre dos pinheiros
parece verde como o verde da ilusão.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:20

Quarta-feira, 27.11.19

Lição Sobre a Água - António Gedeão

ao cair da tarde 5b.jpg

 

António Gedeão  Lição Sobre a Água 

leonor fini, ophelia, 1963a1.jpg

(Leonor Fini)

Este líquido é água.
Quando pura
É inodora, insípida e incolor.
Reduzida a vapor,
sob tensão e a alta temperatura,
move os êmbolos das máquinas que, por isso,
se denominam máquinas de vapor.

É um bom dissolvente.
Embora com excepções mas de um modo geral,
dissolve tudo bem, ácidos, bases e sais.
Congela a cem graus centesimais
e ferve a 100, quando à pressão normal.

Foi neste líquido que numa noite cálida de Verão,
sob um luar gomoso e branco de camélia,
apareceu a boiar o cadáver de Ofélia
com um nenúfar na mão.

(in Poesias Completas, 1956-1967, Portugália)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 17:01

Sábado, 23.11.19

Monte das oliveiras - Adão Cruz

ao cair da tarde 5b.jpg

 

Adão Cruz  Monte das oliveiras

IMG_5831a.jpg

 

(Adão Cruz)

 

Não sei o que entra em mim
no cálido fim desta tarde alentejana.
Não sei ao certo o que me diz
o silêncio aberto destes campos sem fim
nem sei se procuro o lugar seguro
para abrir o pensamento.
Há qualquer coisa para lá do horizonte
entre a angústia e a Esperança
estranha esperança de futuro
no silêncio aberto destes campos sem fim.
Qualquer coisa que arde no cair da tarde
entre a magia da vida
e a dor contida no monte das oliveiras.
Para lá do horizonteno fim de La Codozera
não havia ninguém à minha espera
no cálido fim desta tarde alentejana.
Nesta tarde alentejana
feita de silêncio aberto
e de campos sem fim
parei o carro na berma da estrada
que vinha do nada de onde parti
à procura da cidade
com as ruas que há dentro de mim.
Há anos que não me adormecia um sono tão profundo
nem o sol trigueiro me dourava a figura
quase azul
pintando um sonho perdido no fim do mundo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 19:12



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Augusta Clara

    Anónimo, quem és tu? (lembrei-me do "Frei Luís de ...

  • Anónimo

    Texto excelente. Bem escrito, bem documentado e be...

  • Anónimo

    Texto de excelente e deliciosa "prosa poética"!...

  • Anónimo

    Bravo, plenamente de acordo!

  • Anónimo

    Eu agradeco-lhe a ideia de transcrever aqui este b...


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos