Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jardim das Delícias



Sexta-feira, 24.04.20

Vinte e cinco de Abril - Eva Cruz e Adão Cruz

16873377_Swd0T[1].jpg

 

Eva Cruz e Adão Cruz  Vinte e cinco de Abril

IMG_6121a.jpg

(Adão Cruz)

   O Vinte e Cinco de Abril é um poema universal, uma janela sagrada, um poema tantas vezes ignorado, uma janela tantas vezes fechada por quem nunca entendeu o que em Abril aconteceu. É muito difícil entender a alma dos valores, da profundidade dos versos deste poema, a abertura desta janela que dá para horizontes infinitos.

Aproxima-se esta data gloriosa num mês de sofrimento e isolamento. Por isso não a podemos celebrar com o brilho e a cor que esta ditosa Revolução dos Cravos merece, porque recordar e comemorar Abril é ensinar em tudo quanto é lugar, na escola, na rua, no trabalho que o Vinte e Cinco de Abril foi um fenómeno universal de iluminação das consciências, um glorioso hino de liberdade, gerador de profundas mudanças sociais e mentais em Portugal e em muitos países do mundo.

O Vinte e Cinco de Abril foi um dos fenómenos político- socais de maior importância pedagógica dentro de uma sociedade encarcerada em mitos, preconceitos, obscurantismos que formataram e aviltaram a vida. Os seus valores, nem sempre entendidos e bem interpretados por muita gente, foram repensados e desenvolvidos ao longo dos tempos, percorreram o mundo de-lés-a-lés, renascendo e reproduzindo-se em elevados conceitos de direitos e deveres, de justiça e dignidade do cidadão no seio de um colectivo humano.

O Vinte e Cinco de Abril aconteceu há quase meio século. Não há muito tempo, do ponto de vista histórico. Penetrou, porém, com tal impacto em cada um de nós que nos fez repensar ideias e ideais. Que cada um recorde aqueles que tenazmente lutaram para que ele acontecesse. Neste tempo de confinamento, o nosso pensamento e a nossa palavra devem recordar a luta dos presos políticos que, muitas vezes, à custa da própria vida, levaram a que a Revolução explodisse. Quando pensamos nas nossas queixas e nas de tantos, cansados de estarem metidos dentro de quatro paredes durante escassas semanas, no conforto das suas casas, com dinheiro e comida, dotados de modernos meios de comunicação, vem-nos à cabeça a exiguidade de uma cela, a imposição do segredo, a tortura e a morte de tantos que consumiram a flor da sua vida pelo ideal da Liberdade. Verdadeiros mártires sem quaisquer aspirações a santos.

Os tempos de hoje são de pouca alegria, de medo, mas também de esperança. Por isso nos curvamos perante a grandeza deste dia, desejando que a História nunca o apague do coração da Humanidade, sobretudo do coração do Povo Português que o acolheu de braços abertos e o enfeitou orgulhosamente de Cravos Vermelhos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Augusta Clara às 09:00


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Agradecia que se identificasse. Quem escreveu este...

  • Anónimo

    Gosto substancialmente de pessoas que dizem bem ou...

  • Anónimo

    Texto e foto deliciosos, parabéns!

  • Anónimo

    Palavras como dinamite.E passados 50 anos sobre os...

  • Anónimo

    Lindo!


Links

Artes, Letras e Ciências

Culinária

Editoras

Filmes

Jornais e Revistas

Política e Sociedade

Revistas e suplementos literários e científicos